21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasManejo do melão no Rio Grande do Norte

Manejo do melão no Rio Grande do Norte

Melão- Credito: Embrapa

A Brandt, uma das maiores fornecedoras de fertilizantes especiais do mundo, investe em pesquisas e desenvolvimento de melão. Alguns produtos da empresa já foram testados em universidades do Rio Grande do Norte e os primeiros resultados são animadores. “Nossos tratamentos aumentaram a produtividade e a qualidade dos melões nos trabalhos realizados. Itens já tradicionais em nossa linha também podem contribuir imediatamente para a melhoria dos resultados da cultura dessa importante fruta”, destaca Antonio Coutinho, diretor de Inovação da Brandt do Brasil.

A produção brasileira de melão mantém-se estável nos últimos 10 anos, sem crescimento expressivo. A área cultivada é aproximadamente de 24 mil hectares, com produção estimada em 582 mil toneladas anuais. “Em 2020, esperava-se incremento importante de exportações para a China. A expectativa era vender 25% a mais do que as atuais 250 mil toneladas. Mas possivelmente esta previsão tenha um resultado diferente, por conta de algumas limitações impostas pela situação em que estamos passando com a COVID-19”, informa Coutinho.

De acordo com o diretor da Brandt, problemas de logística dentro da China também impactaram negativamente as exportações. “Mesmo diante das dificuldades, os produtores trabalham para colocam a fruta no mercado interno, especialmente nas regiões de maior consumo, como o Sudeste”.

O Nordeste produz 90% do melão brasileiro. O Rio Grande do Norte lidera, com 338.615 t, seguido pelo Ceará, com 85.219 t. A fruta enfrenta adversidades frequentes. Nas propriedades, as doenças e pragas representam as maiores dificuldades. A doença cancro-das-hastes e a praga mosca branca são as principais inimigas. Externamente, problemas de logística e baixo consumo do continente europeu, pressionam a cultura do melão.

“Para o controle destas pragas e doenças, os produtores contam com defensivos agrícolas, cujos preços também estão afetados pela alta do dólar”, diz Antonio Coutinho.

Ciclo

O meloeiro é uma planta de ciclo curto (65-75 dias) e a cultura é de rápido retorno de capital. O consumo per capita no Brasil é de 56 kg/ano, enquanto nos países de Primeiro Mundo aproxima-se de 120 kg/ano, segundo a Confederação Nacional da Agricultura (CNA). “Provavelmente, o baixo consumo no país está relacionado à renda, mas também se trata de uma questão de hábito, pois algumas frutas importadas e caras encontram o seu espaço no mercado nacional”, assinala o diretor da Brandt.

Um dos maiores desafios dos fruticultores é a redução dos custos de produção, que variam de R$ 19 mil a R$ 21 mil por hectare. Para Coutinho, a solução para amortecer os elevados custos é o aumento de produtividade e da qualidade de frutas, aumentando o índice de frutos aprovados para exportação. “Não basta produzir em quantidade. Também é preciso reduzir o percentual de frutos descartados para o mercado internacional, que paga mais”.

A Brandt oferece a linha de produtos com a tecnologia Manni-plex, que conta com substâncias transportadoras de nutrientes, para contribuir para o melhor desenvolvimento das plantas e consequente aumento da produtividade e qualidade dos melões. A empresa também acumula conhecimento de outros países, os quais podem ser adaptados à realidade brasileira, ajudando os fruticultores a produzir amis e melhor.

“Nosso planejamento inclui a contratação de agrônomos para atuar nos polos produtores de melão no Rio Grande do Norte e Ceará, bem como a ampliação da rede de distribuidores dos nossos produtos. A Brandt é parceria da fruticultura nacional e quer contribuir para a melhoria dos resultados da cultura do melão no país”, informa Antonio Coutinho.

ARTIGOS RELACIONADOS

Potássio melhora a frutificação do mamoeiro

  Aureliano Nogueira da Costa Engenheiro agrônomo, doutor em Solos e Nutrição de Plantas e pesquisador do Incaper aureliano@incaper.es.gov.br A fertilidade do solo e a nutrição de plantas...

Open Field Day 2020 mostra lançamentos para horticultura

Entre os dias 7 e 9 de julho, a Agristar do Brasil, empresa referência no desenvolvimento e comercialização de sementes de hortaliças, frutas e ervas, promoveu o Open Field Day Online 2020.

Programa de apoio nutricional para a uva na região sul

ClevisonMichelon Gerente de Vendas & Marketing " Sul da Green Has   A Green Has Brasil distribui em todo o País a linha de fertilizantes especiais produzida...

Exportações de produtos brasileiros crescem

O Observatório de Negócios Internacionais, produto da Federação das Câmaras ..

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!