27.4 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesManejo do morango em altas temperaturas

Manejo do morango em altas temperaturas

Mário Calvino Palombini Engenheiro agrônomo e proprietário da Vermelho Natural vermelhonatural@hotmail.com

Morango – Crédito: Shutterstock

O morangueiro é uma cultura que produz morango sob temperaturas baixas, sendo o ideal temperaturas noturnas e diurnas entre 16 a 27°C, podendo produzir adequadamente frutos com temperaturas de até 30°C. Acima de 32°C ocorre a destruição dos primórdios florais (flores imaturas dentro das gemas).

Portanto, é fundamental respeitar os limites de temperatura da cultura e adotar técnicas que reduzam os impactos de altas temperaturas.

A primeira questão a determinar é a época do ano que apresenta temperaturas mais próximas do ideal. Normalmente, em regiões quentes essas temperaturas ocorrem no inverno, podendo ser amenizadas por microclimas específicos.

Quando a produção é voltada para o período de inverno, deve-se analisar a possibilidade de utilizar variedades de dias curtos (que sofrem a influência do comprimento do dia). Estas variedades podem concentrar a produção num período curto de tempo, aumentando a produtividade.

Dentre as variedades de dias curtos, é fundamental escolher aquela que melhor se adapta ao clima específico da região.

Indicativos

A região de produção da muda influencia na produtividade. Existem indicativos de que mudas provenientes de regiões frias e de altitude mostram melhores resultados, pois já possuem um potencial produtivo originado do viveiro. Ao serem transplantadas para regiões mais quentes, aumenta o potencial produtivo, principalmente na fase inicial.

O tipo de muda também influencia o potencial produtivo. Mudas frescas (sem passar por câmara fria) e do tipo tray plants (mudas maduras em substrato de 200 ml) já estão aptas a produzir logo após o plantio, potencializando a capacidade produtiva inicial.

Soluções

[rml_read_more]

Para adotar estratégias de redução de temperatura, é importante identificar o fator que gera as altas temperaturas, por exemplo, no caso de regiões de altitude, a intensidade de radiação solar é o principal fator, no caso de uma região de maior latitude, o comprimento do dia é o fator predominante.

Em ambos os casos, a ventilação é importante. Estufas de menor porte, com menor superfície ininterrupta de plástico de cobertura e com maior ventilação evitam o aumento da temperatura. No caso da alta intensidade de radiação solar, reduzir a radiação solar por meio de um maior sombreamento é uma medida recomendada.

A utilização de plásticos seletivos à radiação solar e/ou sombrite ajuda a reduzir a temperatura, mas estes processos devem ser feitos com a utilização de equipamentos de medição de radiação PAR (fotossíntese radiação ativa).

A cultura do morango necessita de, no mínimo, seis horas diárias de luz, considerando uma margem de segurança de 8 horas de radiação PAR acima de 200 umol/m2/s. Não é recomendado que as medidas de sombreamento reduzam a intensidade de radiação PAR abaixo de 800 umol/m2/s.

No caso de regiões de maior latitude, nas questões de sombreamento, terá maior peso de importância o tempo de radiação diária do que a intensidade de radiação. Estas medidas devem ser complementadas com outras estratégias de redução de temperaturas.

A escolha de microclimas, como a proximidade de matos, que possuem naturalmente temperaturas menores e a utilização de ventiladores com umidificadores, podem representar um aumento no custo de produção e deve ser feita com uma avaliação da viabilidade econômica para sua utilização.

A utilização do sistema fora de solo pode ter influência no controle da temperatura. Como a radiação solar esquenta o solo e o solo esquenta o ar, o afastamento da produção do nível do solo e a cobertura vegetal diminuem a temperatura.

Por fim, mesmo adotando medidas de redução da temperatura, nem toda região é adequada para produção de morango, devendo-se fazer uma avaliação criteriosa da viabilidade técnica, avaliando se o projeto é viável na região proposta.

ARTIGOS RELACIONADOS

Acerola é a fruta tropical brasileira

A acerola (Malpighia emarginata DC.) é nativa da América Central e do Norte da América do Sul, produz

Algas proporcionam pêssegos mais saborosos

  Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Maçã: Manejo de pragas e exigências de LMR

Adalécio Kovaleski analisou a safra e apresentou resultados de eficácia e limites máximos de resíduos de inseticidas aplicados na cultura.

Panorama da produção de uvas de mesa

AutorGivago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com A viticultura vem se tornando cada vez mais...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!