31 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiManejo do neem no controle da mosca-branca

Manejo do neem no controle da mosca-branca

Maria Flaviana de Lima

Denilson Ferreira da Silva Junior

Graduandos em Agronomia – Faculdade de Ensino Superior e Formação Integral (FAEF, Garça SP)

Marcelo de Souza Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia/Horticultura e professor – FAEF – Garça – SPmrcsouza18@gmail.com

Folha de nem – Crédito: Deposit Photos

A mosca-branca (Bemisia tabaci) se destaca como uma praga de grande importância para a agricultura, em função da sua capacidade de danos e por ser polífaga, ou seja, se alimentar de várias culturas. Seu ataque pode grandes prejuízos, sejam diretos ou indiretos. Ao se alimentar, os insetos realizam a sucção da seiva das plantas e injetam toxinas, além de atuarem como vetores de doenças (vírus e bactérias).

A mosca-branca traz diversos prejuízos, são classificados como diretos e indiretos. Os diretos são respectivos à sucção de seiva e injeção de toxinas, que provocam o amadurecimento irregular dos frutos, que se tornam internamente esbranquiçados e com aspecto esponjoso.

E os indiretos, com a liberação de uma substância açucarada (honeydew), que provoca a proliferação do fungo Capnodium sp. (fumagina) na superfície de folhas, o que diminui a área fotossintética da planta e, consequentemente, sua produtividade, ou pela transmissão de viroses, que é o dano mais sério causado por esse inseto.

Propagação

Desde seus primeiros relatos, há mais de 100 anos, a mosca-branca vem ganhando notória importância a nível mundial, sobretudo nas regiões de clima tropical e subtropical, pois apresenta grande capacidade de adaptação a novas plantas hospedeiras e regiões geográficas, fato que contribuiu com seu hábito polífago e cosmopolita.

O transporte internacional de material vegetal e de pessoas, bem como o aumento da produção e das áreas agrícolas, tem contribuído para a sua propagação geográfica.

No Brasil, após introdução do biótipo B, a propagação e o aumento no tamanho da população de mosca-branca foram favorecidos consideravelmente, o que levou ao aumento da atenção dos produtores quanto às táticas de controle para frear seu avanço sobre as lavouras de importância econômica.

Controle

A principal forma de controle ou a maneira mais tradicional de manejar  a mosca-branca se dá por meio de produtos químicos, que podem gerar problemas consideráveis se forem utilizados sem auxílio de profissional devidamente habilitado ou em situações de dosagens exageradas e de modo irracional, causando prejuízos, principalmente relacionados à contaminação ambiental, afetando a saúde dos produtores e consumidores.

Além disso, a mosca-branca apresenta rápida capacidade de desenvolver resistência às diferentes classes de inseticidas, tornando seu manejo um grande desafio aos agricultores.

O manejo mais comum no controle da mosca-branca é baseado no método químico, com o emprego de inseticidas sintéticos. Porém, há relatos de resistência do inseto a inseticidas de diversos grupos químicos disponíveis no mercado, o que pode ser evidenciado pelo aumento dos casos de surtos registrados nas regiões produtoras.

Manejo sustentável

Neste sentido, a utilização de outras ferramentas de controle vai ao encontro de uma necessidade atual. O uso de vários extratos vegetais com potencial inseticida, dentre eles o extrato de neem, vêm sendo adotados, tendo sido comprovado seus efeitos positivos no controle da mosca-branca. Isso se deve, especialmente, à eficácia do seu princípio ativo, que causa poucas perturbações ao meio ambiente.

Observa-se a intensificação das pesquisas visando inserir novas alternativas de controle no manejo de insetos-praga na agricultura, como por exemplo, uso de inseticidas naturais de origem botânica, com destaque para os derivados do neem (Azadirachta indica).

Potencial de uso

O neem e seus subprodutos (óleos/extrato) apresenta excelente potencial inseticida, sendo um dos mais conhecidos e utilizados, já existindo no mercado algumas formulações à base de extratos orgânicos (enriquecidos ou não).

O neem apresenta substâncias biologicamente ativas (Azadiractina) capazes de produzir efeito repelente no manejo da mosca-branca. No entanto, o método a ser utilizado é muito importante para o sucesso do resultado, tendo em vista a importância de aspectos como a dosagem, a época de aplicação, a quantidade e a intensidade do produto a ser aplicado.

O que de fato representa mais uma boa característica dos extratos vegetais provenientes do neem é que, além de sua capacidade de repelir pragas indesejáveis na cultura, ainda apresenta efeito deletério sobre mosca-branca, principalmente nas fases de ninfa, em que ela é pouco móvel.

Na cultura do feijoeiro, alguns estudos já indicam que o efeito do óleo de neem reduz a taxa de oviposição da mosca-branca, além de propiciar alta mortalidade de ninfas.

Manejo

A implantação dessa técnica pode ser realizada por extratos aquosos (feitos na hora com folhas e/ou frutos), que podem ser pulverizados nas folhas das plantas na face inferior e superior.

O extrato deve ser triturado com água e armazenado durante 24 horas, depois filtrada com tecido fino (“VOIL”), em seguida acrescenta-se água até obter a concentração de água de 5%.

Aplicações em concentrações maiores podem trazer resultados mais promissores em algumas culturas, sendo mais conveniente à necessidade do produtor na repelência, interrupção da alimentação ou oviposição da mosca-branca.

Essa forma alternativa de manejo possibilita uma redução de mosca-branca presente em diversas culturas, sendo que o princípio ativo do neem (Azadirachtina) apresenta um amplo espectro de ação.

Eficiência contra mosca-branca

A utilização de óleo de neem na cultura do feijoeiro acarretou eficiência de controle em torno de 85% para ovos e 95% para ovos e ninfas, respectivamente, sendo observado ainda aumento da produção da cultura do feijoeiro, visto que a mosca-branca é um fator limitante na produtividade.

A ausência de registro para muitos produtos às diferentes culturas atacadas pela mosca-branca é um fator limitante para o desenvolvimento e, consequentemente, a produtividade dessas culturas. Mas, é importante deixar claro que, por se tratar de um extrato novo no mercado, com estudos recentes sobre eficácia, há muitos erros frequentes no entendimento de produtos à base de neem, havendo muitos equívocos no entendimento da ação do óleo, visto que seu efeito está mais relacionado com a capacidade de reduzir a ingestão de alimento pelos insetos, ou seja, uma ação supressora de apetite ao invés da condução direta da morte desses organismos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Erros que você não pode cometer na aplicação de fosfato

Um dos erros primários que mais acontece nos plantios agropecuários é a aplicação de fosfato reativo em áreas que receberam calagem pouco antes (menos de três meses) dessa operação.

Fortalecimento vegetal no combate a pragas do tomateiro

  Diego Henriques Santos Engenheiro agrônomo da CODASP - Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo dihens@bol.com.br A cultura do tomate destaca-se por sua importância econômica e social,...

Lançamentos IHARA para cana, citros, soja, milho e HF estão na FEACOOP 2018

Produtos com foco na qualidade e na produtividade das culturas serão destaques no evento A IHARA, empresa especializada em tecnologias para a proteção de cultivos,...

Sustentabilidade agrícola – Desafios e conquistas

Sueli Vieira Rodrigues Diretora da Bioneem É quase impossível falar em sustentabilidade e preservação ambiental nas atividades agrícolas sem ter como referência a pioneira da revolução...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!