27.7 C
São Paulo
terça-feira, maio 17, 2022
- Publicidade -
- Publicidade -
Inicio Destaques Manejo em busca de altas produtividades no feijoeiro

Manejo em busca de altas produtividades no feijoeiro

Nilton Jaime, especialista em feijão
Crédito Leonardo Melo

Nilton Gomes Jaime
Engenheiro agrônomo, mestre em Fertilidade do Solo, proprietário e consultor da Cerrado Consultoria Agronômica
ngjconsultor@gmail.com

O Brasil é o maior produtor mundial de feijão (Phaeseolus vulgaris L.). Segundo a primeira estimativa da safra 2021/22 divulgada pela Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB – a safra de feijão será um pouco maior.
Em relação à área plantada, o acréscimo deve ser de 0,3%, somando 2.946 milhões de hectares. A produtividade média esperada é de 1.009 kg/ha (+2,8%) e a produção estimada é de 2.973 milhões de toneladas (+3,1%).
É cultivado por pequenos e grandes produtores em todas as regiões do Brasil, mas tem nos estados do Paraná, Minas Gerais e Bahia os maiores produtores nacionais desse alimento, correspondendo a quase 50% da produção nacional.
De ciclo relativamente curto – 75 a 90 dias – é uma cultura exigente em nutrientes, água e manejo fitossanitário para completar satisfatoriamente seu ciclo e expressar ao máximo o seu potencial produtivo.
As cultivares de feijão atualmente disponíveis e plantadas no Brasil têm potencial genético para produzir mais de 6.000 kg.ha-1, conquanto que outros fatores, ditos ambientais – preparo adequado do solo, variedades, tratamento de sementes, inoculação e coinoculação, nutrição, irrigação, luminosidade, controle de ervas e manejo fitossanitário – favoreçam a cultura enquanto esta estiver no campo até o fechamento do seu ciclo.
No entanto, a produtividade média brasileira desta fabaceae é de um pouco mais de 1.000 kg.ha-1, o que acende a luz amarela e suscitam discussões e questionamentos do porquê nossas produtividades serem tão baixas diante de um potencial produtivo tão elevado.

Planejamento rumo ao sucesso

A lavoura de feijão é de alto custo, por demandar alta tecnologia na produção e ser de alto risco, por ser exigente em adubação, irrigação e manejo adequado. Portanto, o produtor, ao decidir-se pela implantação da lavoura, deve fazer um planejamento estratégico quanto à tecnologia adotada, a saber, preparo adequado do solo, uso de sementes fiscalizadas e bem aceitas pelo mercado, tratamento de sementes visando o controle de insetos-praga e doenças de solo, calibração dos equipamentos de irrigação, manejo fitossanitário rigoroso – ervas, doenças e insetos – e conta com uma boa assistência técnica.
A cultura do feijão demanda o acompanhamento de um profissional da agronomia que tenha experiência e que saiba orientar o produtor em todas as fases fenológicas. Esses pilares definem o sucesso da lavoura, uma vez que são fatores determinantes de produtividade e que são, muitas vezes, negligenciados pela maioria dos feijocultores.

Crédito Leonardo Melo

Semente ideal

A semente, do ponto de vista agronômico, é o órgão responsável pela perpetuação e disseminação das espécies vegetais. É pela semente de qualidade que se inicia uma lavoura de alto potencial produtivo e de alta rentabilidade ao agricultor.
Os aspectos que devem ser levados em conta no momento da escolha de uma semente de qualidade são:
i) Pureza genética – refere-se à constituição genética da semente, que irá expressar-se, posteriormente, no comportamento da planta no que se refere ao potencial produtivo, ciclo, hábito de crescimento, arquitetura da planta, resistência doenças e pragas, cor e brilho do tegumento da semente, entre outras.
ii) Pureza física – ausência de contaminação por matérias estranhas ou impurezas, tais como: partículas de solo, restos vegetais, pedras, sementes danificadas, sementes de plantas daninhas e sementes de outras espécies cultivadas.
iii) Qualidade fisiológica – é a capacidade da semente em gerar uma nova planta, perfeita e vigorosa, sob condições favoráveis. O poder germinativo e o vigor são as duas maneiras básicas para aferir a qualidade fisiológica da semente. Por meio do poder germinativo verifica-se o percentual de sementes germinadas ou a sua viabilidade. Já o vigor indica a habilidade da planta em resistir a estresses ambientais e a sua capacidade de manter-se viável durante o armazenamento.
iv) Sanidade – a semente de feijão pode carregar, interna ou externamente, uma grande quantidade de patógenos – fungos e bactérias. Os patógenos levados pelas sementes, além de influenciarem negativamente a emergência e o vigor das plântulas, constituem o inóculo primário que, em condições de ambiente favoráveis, podem originar graves epidemias, ocasionando drásticas reduções no rendimento. Torna-se imperativo, então, que o produtor adquira sementes certificadas, de empresas idôneas, e que estas venham acompanhadas de laudo de análise laboratorial atestando os parâmetros de sua viabilidade.

Qualidade

Existem, no Brasil, diversas sementeiras certificadas que, em parceria com a Embrapa e IAC, multiplicam sementes de várias cultivares de feijão desenvolvidas por estes centros de pesquisa.
Em razão dessas promissoras parcerias público-privadas, o mercado é abastecido com variedades mais produtivas, mais resistentes a doenças e insetos, à seca e ainda mais nutritivas. Concomitantemente a essas características, têm sido disponibilizadas também sementes para plantio de alta qualidade, com alto poder germinativo, alto vigor e livre de patógenos.
Não é concebível mais pensar em lavouras de feijão utilizando grãos no plantio ao invés de sementes certificadas.

O tratamento de sementes, seja industrial ou on-farm, é uma atividade muito importante no meio agrícola pelo fato de propiciar à semente proteção contra as principais pragas e doenças de solo e que podem afetar a sua germinação e viabilidade.
Para isso, existem ativos químicos específicos para esse fim, produtos que buscam garantir a sanidade da semente desde o embebimento de água pelo tegumento das sementes, passando pela germinação, enraizamento, até a definição do “estande” ideal de plantas, culminando em maior produtividade.
A escolha dos ativos que serão colocados nas sementes via tratamento deve seguir critérios técnicos levando em conta os alvos a serem atingidos. Poderão ser aplicados às sementes tanto fungicidas, inseticidas e promotores de crescimento radicular, visando a sanidade das sementes e plantas, bem como a rapidez na germinação, arranque e estabelecimento das plântulas.

Manejo nutricional

O feijoeiro é considerado uma planta exigente em nutrientes. A eficiência na absorção dos nutrientes contidos no solo, bem como dos adicionados via corretivos ou adubação mineral, depende da sanidade e da qualidade do sistema radicular das plantas.
Sabe-se que o sistema radicular do feijoeiro é curto e pouco profundo, então, o sucesso do manejo nutricional do feijoeiro passa, necessariamente, pela obtenção de um sistema radicular volumoso e sadio, porque é por ali que a planta obterá sua nutrição.
É fundamental, também, que o nutriente seja colocado à disposição da planta em tempo e local adequados. Embora encontrem-se disparidades na literatura com relação às quantidades de nutrientes absorvidas pelo feijoeiro, normalmente a exigência é maior que a da soja, por exemplo.
As quantidades médias de nutrientes exportados por 1.000 kg de grãos citadas em várias pesquisas são: 35,5 kg de N; 4,0 kg de P; 15,3 kg de K; 3,1 kg de Ca, 2,6 kg de Mg e 5,4 kg de S. Em função da análise química, física e biológica do solo é possível estabelecer uma adubação equilibrada e rica nos principais macro e micronutrientes.

Correção do solo

A calagem é uma prática fundamental para se obter altas produtividades na cultura do feijoeiro. Por ser considerada uma cultura calcítica, é muito exigente no elemento cálcio. O calcário é fonte de cálcio e magnésio para o solo e para a cultura, responsável pela neutralização do alumínio tóxico e elevação do pH e CTC. Não se pensa em feijão sem solo corrigido com calcário.
O gesso agrícola é um condicionador do solo, fonte de cálcio e enxofre, muito importante na construção da fertilidade em subsuperfície – abaixo de 20 cm de profundidade.
Quantidades superiores a 100 kg.ha-1 de nitrogênio são requeridas para garantir a extração do nutriente associada a altas produtividades. Hoje, temos variedades que exigem doses de nitrogênio consideradas altas – entre 130 e 150 kg.ha-1 – no entanto, a quantidade de nitrogênio fornecida deve levar em conta outros aspectos, como: época de plantio, sistema de plantio, cobertura do solo, altitude da região e tipo de solo.

Inicio Destaques Manejo em busca de altas produtividades no feijoeiro