Inicio Revistas Hortifrúti Manejo fitossanitário do repolho coração de boi

Manejo fitossanitário do repolho coração de boi

0
568

 

Wânia dos Santos Neves

Doutora em Fitopatologia e pesquisadora Epamig Sudeste

waniaepamig@yahoo.com.br

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

O repolho coração de boi, Brassicaoleraceavar.capitata, caracterizado por folhas lisas, tem sua cabeça em formato cônico e as folhas de coloração verde clara. É uma variedade para cultivo de inverno, ou seja, sua adaptação é melhor em temperaturas frias e amenas. Portanto, o plantio pode ser feito de março a junho em regiões de clima quente e de fevereiro a julho nas demais regiões.

Duração do ciclo de cultivo: 100 a 120 dias, ou seja, o início da colheita ocorre entre 100 a 120 dias após a semeadura.

Principais doenças da cultura

â–ºPodridão negra: a doença é causada pela bactéria Xanthomonascampestrispv.campestris, e é considerada uma das principais doenças das brássicas (repolho, couve, brócolis, etc.). Os sintomas característicos são lesões amarelas em forma de “V“, com o vértice voltado para o centro da folha.

Com a evolução da doença as folhas tornam-se amarelas, e pode ser observada queda prematura de folhas, subdesenvolvimento, murcha e apodrecimento das plantas afetadas, o que reduz a produção. A bactéria é capaz de causar a doença em qualquer estádio de desenvolvimento das plantas e é transmitida por sementes.

â–ºTombamento de Mudas: a doença pode ser causada por diferentes tipos de patógenos (bactérias ou fungos). Entre os exemplos de fungos mais relacionados ao tombamento podemos citar espécies dos gêneros Rhizoctonia, Alternaria,Fusarium, etc.

A ocorrência da doença acontece geralmente na fase de sementeira e viveiro de mudas. Os patógenos podem atacar as sementes causando amolecimento, murcha e apodrecimento, o que provoca a perda do seu poder germinativo. Podem interferir no processo de germinação (não deixando a semente germinar) ou atacar as plântulas logo após a germinação, causando o tombamento e morte das plântulas (plantas jovens).

â–ºAlternariose ou mancha de alternaria: a doença é causada por duas espécies de fungos pertencentes ao gênero Alternaria. Para que ocorra a infecção pelo fungo e a doença se estabeleça é necessário que haja água livre na superfície da folha.

A doença é favorecida por temperaturas entre 20°C e 28°C. A infecção e colonização pelos fungos podem ocorrer durante todo o ciclo da cultura. Na fase de sementeira os fungos causam o tombamento das plântulas, reduzindo drasticamente o número de plântulas viáveis para o plantio em campo.

Na planta adulta surgem manchas foliares pequenas, geralmente circulares e escuras que, em infecções severas, coalescem (uma lesão se junta à outra com o passar do tempo), causando amarelecimento e seca das folhas.

Wânia dos Santos Neves, pesquisadora da Epamig Sudeste  - Crédito Arquivo pessoal
Wânia dos Santos Neves, pesquisadora da Epamig Sudeste – Crédito Arquivo pessoal

Controle

Devido ao fato de, na maioria das vezes, as hortaliças serem consumidas in natura, é muito importante evitar o uso de agrotóxicos. E, quando seu uso for extremamente necessário, deve ser realizado obedecendo todas as recomendações de aplicação, tais como uso de produtos registrados para cultura, dose recomendada na bula, número de aplicações indicado, respeitar o período entre a aplicação do agrotóxico e a colheita do produto a ser destinado ao consumo.

Para que não ocorram prejuízos econômicos em decorrência de doenças, é muito importante que o produtor adote medidas preventivas que evitem a entrada do patógeno na área ou que reduzam o inóculo inicial da doença (quantidade do patógeno capaz de causar a doença).

As principais medidas fitossanitárias para o manejo das doenças são:

ð Uso de sementes sadias;

ð Uso de substratos (solo, areia, substrato mineral, etc.) isentos de patógenos para produção de mudas;

ð Desinfestação dos recipientes (bandejas) onde as mudas serão produzidas;

ð Uso de cultivares e/ou híbridos resistentes;

ð Rotação de culturas;

ð Eliminação de restos de culturas anteriores;

ð Evitar o plantio em terrenos mal drenados;

ð Manejo adequado da irrigação para evitar o excesso de umidade;

ð Não fazer plantios adensados.

Recomendações

O uso de agrotóxicos deve ser realizado quando extremamente necessário, ou seja, quando as demais medidas de manejo não reduzirem a quantidade da doença ao nível de não causar dano econômico ao produtor.

→ Uso de produtos registrados para cultura. Como exemplo, podemos citar alguns fungicidas à base de cobre:mancozeb e oxicloreto de cobre (ingredientes ativos);

→Indicado para controle de alternariose e registrado para a cultura do repolho;

→ Período de proteção na planta: de seis a oito dias, em média;

→ Intervalos de aplicação de, no mínimo, sete dias;

→ Uso da dose recomendada na bula;

→ Número de aplicações recomendado;

→ Respeitar o período de carência do produto (período entre a aplicação do agrotóxico e a colheita do produto a ser destinado ao consumo).

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

 

SEM COMENTÁRIO