26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiManejo nutricional da pimenta-do-reino

Manejo nutricional da pimenta-do-reino

Fábio Luiz Partelli

Engenheiro agrônomo, doutor em Produção Vegetal e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

partelli@yahoo.com.br

Crédito Fábio Luiz Partelli
Crédito Fábio Luiz Partelli

A pimenta-do-reino (Piper nigrum L.) é uma das principais especiarias do mundo, servindo no preparo de alimentos industrializados (salame, salsicha, mortadela, fiambre, presunto, paio), temperos verdes, indústria farmacêutica, de cosméticos e perfumaria e também como inseticida natural. É comercializada na forma de grãos ou moída em pequenas embalagens nos diferentes mercados e feiras do Brasil e do mundo.

Na década atual, a produção mundial de pimenta-do-reino tem sido sempre superior a 400 mil toneladas, sendo aproximadamente 80% de pimenta preta e os outros 20% de pimenta branca e uma pequena quantidade de pimenta verde em conserva.

Portanto, a pimenta-do-reino é um dos condimentos mais valorizados do mundo, com grande valor econômico. Nos últimos anos, o Brasil tem produzido mais de 40 mil toneladas por ano (aproximadamente 10% da produção mundial), com exportações superiores a 30 mil toneladas. Atualmente, o Brasil apresenta uma área cultivada acima de 20 mil hectares, com uma produtividade média em torno de 2,1 toneladas por hectare por ano.

Condições de plantio

A pimenta-do-reino é uma planta de regiões com clima quente e úmido. No Brasil grande parte dos cultivos é realizada em regiões com altitude de até 300 m e umidade relativa entre 60 e 85%.

As duas principais regiões produtoras apresentam suas particularidades; no Estado do Pará (região norte – Amazônica) os plantios estão localizados em áreas onde a precipitação fica em torno de 2.000 mm por ano e temperaturas médias entre 26 a 28ºC.

Já no Espírito Santo (região sudeste ” Mata Atlântica) é plantada em áreas com precipitação em torno de 1.200 mm por ano e temperaturas médias de 23ºC, sendo característico o cultivo irrigado, observado em mais de 80% das lavouras.

Nos últimos anos, o Brasil produziu mais de 40 mil toneladas de pimenta-do-reino por ano - Crédito Gilberto Fraife
Nos últimos anos, o Brasil produziu mais de 40 mil toneladas de pimenta-do-reino por ano – Crédito Gilberto Fraife

Solo

A correção do solo e a prática da adubação são manejos fundamentais para aumentar a produtividade. A correta interpretação de resultados de análises de solo e de folha gera informações que auxiliam no uso racional de insumos, no equilíbrio nutricional das plantas e, consequentemente, no aumento da produtividade.

Portanto, preconiza-se a utilização de métodos que favoreçam subsídios para um diagnóstico nutricional eficiente e prático, a partir de resultados analíticos do solo e das folhas de uma planta ou lavoura, para a obtenção de uma elevada produtividade, associada ao uso correto de adubos, proporcionando uma atividade mais sustentável em termos econômicos e até mesmo ambientais (evitar excesso ” contaminação de lençol freático).

Entretanto, são escassos trabalhos sobre a nutrição que representam a atualidade do manejo da pimenta-do-reino. Neste sentido, há uma real necessidade de realização de pesquisas na área, atendendo uma demanda do setor.

Análise de solo

Para realizar as adubações, leva-se em consideração os resultados obtidos das análises químicas e físicas do solo. No plantio é recomendado o uso de 03 a 15 litros de esterco curtido por cova, fertilizantes fosfatado, potássico e fonte de micronutrientes. Geralmente, se a análise de solo indicar baixas concentrações de micronutrientes, recomenda-se aplicar fertilizantes com esses minerais.

Com base em tabelas, pode-se sugerir se a concentração do nutriente é adequada, baixa ou aula, e recomendar a adubação de plantio, formação e produção. Contudo, a quantidade de fertilizante pode variar conforme a região, nível de produtividade desejada e outras particularidades. Registra-se que o agricultor pode usar adubação orgânica e cultivo de plantas de cobertura.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Adubação ideal

O nutriente mais contido no tecido vegetal (folhas e frutos) da pimenta-do-reino é o nitrogênio (Tabela 1). O K apresenta quantidades relativamente altas, à semelhança do Ca.

As quantidades de Mg contidas na pimenta-do-reino são superiores apenas às quantidades de P, apresentando maiores quantidades nas folhas. Os dados permitem concluir que o N é o nutriente mais extraído numa lavoura de pimenta-do-reino (com a retirada dos frutos), seguido pelo K, Ca, Mg e P.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como ter maior produtividade e rentabilidade com o cultivo de tomate?

O Engenheiro Agrônomo e Gerente de Vendas da Horticeres Sementes, Ricardo Mikami, listou 7 dicas que aumentarão as chances de sucesso na atividade Com demanda certa no mercado,...

Especialistas confirmam presença no VI Fórum e Exposição Abisolo

  Evento está marcado para 15 e 16 de abril, em Ribeirão Preto/SP, promoverá novo patamar da produtividade agrícola e reunirá técnicos, empresários e lideranças...

Adubação orgânica na produção de hortaliças

Joara Secchi Candian Bacharel em Agroecologia, doutoranda em Agronomia (Horticultura) Antonio Ismael Inácio Cardoso Doutor e professor da UNESP/FCA " Departamento de Horticultura, Botucatu (SP) ismaeldh@fca.unesp.br Ainda que predomine...

Fósforo a lanço concentra nutrientes na camada de 0 a 20 cm de profundidade

Eduardo Zavaschi Ítalo Pinho Bruno Loman Estagiários do GAPE (Grupo de Apoio à Pesquisa e Extensão) da ESALQ-USP (Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz")   Resultados de pesquisas...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!