23.3 C
São Paulo
quinta-feira, junho 30, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Manejo nutricional foliar do feijoeiro

Manejo nutricional foliar do feijoeiro

Daniela Vitti

Coordenadora técnica Brasil

Maickon Fernando Balator

Coordenador técnico Brasil

Renato Passos Brandão

Gestor agronômico

Marcelo Ferreira

Trainee do Deptº Agronômico

 

Bio Soja  - Crédito Cristiano Soares de Oliveira
Bio Soja – Crédito Cristiano Soares de Oliveira

A aplicação adequada de fertilizantes pode ser considerada uma das estratégias para aumentar a produtividade e a eficiência no uso dos mesmos. A resposta da aplicação de fertilizantes difere de acordo com o solo e o cultivo a ser adubado.

Recentemente, as pesquisas relacionaram o papel dos micronutrientes com a eficiência no uso de água por meio do aumento da resistência ao estresse hídrico e outros tipos de estresses, fator de extrema importância nas atuais mudanças climáticas.

Desta forma, o conhecimento das épocas adequadas de uso de determinados micronutrientes, nas fontes e doses adequadas, garantirá ao feijoeiro o funcionamento pleno de seu metabolismo, levando-o a atingir a produtividade máxima.

Bio-Soja-O-manejo-nutricional-melhora-a-germinação-e-a-uniformidade-de-estande-Crédito-Nilton-Jaime
Bio-Soja-O-manejo-nutricional-melhora-a-germinação-e-a-uniformidade-de-estande-Crédito-Nilton-Jaime

Aplicação foliar

A aplicação foliar é considerada o melhor método para a aplicação dos micronutrientes, tanto para a correção de deficiências quanto para o rápido fornecimento destes fundamentais elementos.

Para a maioria das leguminosas (família Fabaceae), o período de enchimento de grãos pode ser considerado o estádio mais crítico, podendo conduzir à consideráveis perdas na produtividade.

A forma de aplicação foliar é mais efetiva quando as raízes são incapazes de absorver as quantidades necessárias de nutrientes do solo devido a algumas razões, como alto grau de fixação, falta de umidade no solo, perdas por lixiviação e baixa temperatura do solo. Como o ciclo do feijão é curto, de 65 a 110 dias, a rápida correção de possíveis deficiências nutricionais, além da aplicação de micronutrientes nas épocas onde a demanda é maior para aquela fase específica da cultura, são fatores fundamentais para se garantir a máxima expressão do potencial produtivo.

Além disso, o feijoeiro é uma planta exigente do ponto de vista nutricional, sensível a fatores climáticos extremos, a pragas e doenças; sendo considerado, também, uma espécie com pouca tolerância a estresses hídricos severos, além da própria arquitetura da planta ser deficiente, apresentando um sistema radicular limitado.

Bio Soja - As aplicações foliares feitas no início do florescimento reduzema queda dos botões - Crédito Shutterstock
Bio Soja – As aplicações foliares feitas no início do florescimento reduzema queda dos botões – Crédito Shutterstock

Pesquisas

Em ensaios com a adubação foliar feita por aplicações de NPK + micronutrientes quelatizados, verificou-se aumento na produção de feijão da ordem de 24% quando em ausência de adubação radicular (solo).

Nas aplicações foliares feitas no início do florescimento, os nutrientes mostram-se capazes de reduzir a queda dos botões florais. Ao repetir-se a aplicação 2-3 semanas depois, houve o desenvolvimento de todas as sementes da vagem. O feijão responde muito bem ao zinco, cálcio, boro, manganês, molibdênio e ao nitrogênio, quando aplicado via foliar.

Necessidades nutricionais do cultivo

Nas tabelas seguintes são demonstrados os níveis adequados de nutrientes nas folhas e as quantidades de macro e micronutrientes exigidos para a produção de uma tonelada de grãos.

Tabela 1. Interpretação dos teores dos nutrientes nas folhas do feijoeiro

Nutrientes

Níveis dos nutrientes no feijoeiro
Baixo Adequado Excessivo
Macronutrientes

————g/kg———–

Nitrogênio (N)

<28

28 a 60

>60

Fósforo (P)

<2

2 a 5

>5

Potássio (K)

<18

18 a 25

>25

Cálcio (Ca)

<10

10 a 30

>30

Magnésio (Mg)

<2,5

2,5 a 7

>7

Enxofre (S)

<2

2 a 10

>10

Micronutrientes

————g/kg———–

Boro (B)

<15

15 a 60

>60

Cobre (Cu)

<4

4 a 20

>20

Ferro (Fe)

<40

40 a 450

>450

Manganês (Mn)

<15

15 a 300

>300

Molibdênio (Mo)

<0,4

0,4 a 1,5

>1,5

Zinco (Zn)

<18

18-100

>100

Fonte: Malavolta et al., 1997; Ambrosano et al., 1996; COAMO, 1998; EMBRAPA, 1998.

Tabela 2. Quantidade de macro e micronutrientes absorvido e exportado pela cultura do feijão para uma expectativa de produtividade de uma tonelada de grãos.

Partes da planta

N

P

K

Ca

Mg

S

B

Cu

Fe

Mn

Mo

Zn

———kg/ha———–

———–mg/kg———–

Grãos

21

11,5

9,6

4,2

3,0

6,0

36

12

80

35

2

50

Restos culturais

24

9,1

36,2

31,8

9,0

10

56

18

1.870

340

2

100

Total

45

20,6

45,8

36

12

16

92

30

1.950

375

4

150

% exportada

47

55

21

12

25

38

39

40

4,1

9,3

50

33

Fonte: Adaptado de Fancelli (2010).

Benefícios do manejo nutricional

“¢ Melhor germinação e maior uniformidade de estande.

“¢ Maior fixação biológica do nitrogênio.

“¢ Nutrição mais balanceada e equilibrada.

“¢ Maior tolerância aos estresses ambientais e dos defensivos agrícolas.

“¢ Maior desenvolvimento radicular e vegetativo.

“¢ Maior produtividade e rentabilidade ao produtor.

Essa matéria completa você encontra na edição de março da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua para leitura completa.

 

Inicio Revistas Grãos Manejo nutricional foliar do feijoeiro