15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosManejos do trigo que você ainda não conhece

Manejos do trigo que você ainda não conhece

Crédito Shutterstock

Vinícius Ribeiro Rossignoli
vinicius.rossignoli@outlook.com
Natanael Motta Garcia
natanaelmottagarcia@outlook.com
Graduandos em Agronomia – Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (Unifio)
Aline Mendes de Sousa Gouveia
Engenheira agrônoma, doutora em Agronomia e professora – Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (Unifio)
aline.gouveia@unifio.edu.br

O desenvolvimento da planta de trigo se dá por cinco fases: germinação da semente; emergência da plântula; perfilhamento; alongamento; espigamento e maturação. Em cada fase fenológica, são fundamentais condições edafoclimáticas como temperatura, luz e água no condicionamento do trigo às diversas regiões de cultivo do nosso país. Em linhas gerais, as necessidades são:
Para as condições de solos, são ideais os de textura média (argilo arenosos), profundos, drenados, férteis, pH 6,0, com saturação de bases entre 40 e 60%, em áreas planas ou com pouco declive. Evitar solos cascalhentos e áreas sujeitas a encharcamento.
A cultura é relativamente exigente e requer, para sua nutrição, os elementos minerais nitrogênio (N), fósforo (P2O2) potássio (K2O), cálcio (CaO), magnésio (MgO), enxofre (S), boro (B), cloro (CI), cobre (Cu), ferro (Fe), manganês (Mn), molibdênio (Mo) e zinco (Zn). Os mais requeridos são nitrogênio e fósforo.
Por meio de resultados e recomendações da análise de solos, tem-se indicações para uso de corretivos de solo (calcário dolomíticos ou magnesianos) e adubos diversos. Os calcários são aplicados – metade da dose – antes da aração e a segunda metade antes da primeira gradagem.
O corretivo é aplicado a lanço sobre o solo, de maneira uniforme e incorporado em seguida, a pelo menos 20 cm de profundidade. Esta operação deve ser feita 60 dias antes do plantio.
De acordo com a análise de solo, algumas recomendações para a cultura podem ser observadas na literatura, como: misturas NPK com adubo orgânico – 4,0 m3 de esterco de aves ou 16 m3 de esterco de curral/ha e 350 kg da fórmula NPK 4 – 14 – 8 (com superfosfato simples) por hectare.
Já para suprir deficiências mais comuns de micronutrientes – boro, zinco e cobre -, utilizam-se 3,0 kg de zinco, 2,0 kg de boro e 2,0 kg de cobre no solo. Essas quantidades podem ser adicionadas ao solo misturadas ao NPK. O adubo é aplicado ao solo – a lanço – pouco antes do plantio e deve sofrer leve incorporação.

Correção de solo

No plantio, áreas corrigidas com calcário, bem adubadas e já cultivadas anteriormente com plantas leguminosas – soja, feijão e adubos verdes devem ser preferidas. Evitar o plantio em áreas com ervas daninhas e em solos com pH abaixo de 5,0 e saturação de bases abaixo de 20%.

Fitossanidade

As sementes devem estar isentas de pragas, doenças, serem vigorosas e com porcentagem de germinação elevada. Na semeadura, o espaçamento entre fileiras deve ser de 20 cm, profundidade do plantio entre 3,0 e 8,0 cm, com densidade de semeadura de 60 plantas por metro linear e 300 plantas por metro quadrado (levando-se em conta a porcentagem de germinação da semente).
Para prevenir doenças – na germinação e emergência – indica-se tratamento de semente pouco antes do plantio, com mistura de fungicidas à base de carboxin (93,7g) + thiuram (93,7g) de princípio ativo para 100 kg de sementes para prevenir o aparecimento de helmintosporiose, carvão e outras doenças.

Daninhas

O período crítico de competição entre trigo/daninhas é de 30 dias pós-emergência. O trigal precisa ser mantido no limpo até o início da fase de floração. Recomenda-se o uso de herbicidas à base de pendimethalin, para gramíneas, em pré-emergência; e bentazon ou 2,4 D-amina ou 2,4D – ester, para daninhas de folhas largas, em pós-emergência, durante o perfilhamento.

Pragas

As pragas mais comuns nesse tipo de culturas são a broca-do-colo ou lagarta-elasmo – Elasmopalpus lignosellus, Lepidoptera e Phycitidae. O cuidado inicial ocorre pelo tratamento de sementes com inseticidas que afastam as pragas de solo.
Os danos causados por insetos na lavoura podem ser evitados com o controle biológico, usando técnicas de manejo que preservam os predadores naturais, como sapos, vespas, quero-quero e tatus. Outras medidas de controle indicadas incluem rotação de culturas e uso de sementes sadias ou tratadas com agroquímicos registrados para a cultura.

Colheita

A colheita deve ser realizada por máquinas que colhem e descascam os grãos ao mesmo tempo. Depois de colhidos, os grãos devem ser armazenados adequadamente. O grão está preparado para a colheita após cerca de 110 a 120 dias do plantio. Isso ocorre quando a planta está com a coloração amarelada (típica de palha), a espiga dobrando e os grãos duros.
A trilha (debulha), ou separação dos grãos da palha, pode ser feita diretamente após a colheita em trilhadoras estacionárias manuais ou movidas à eletricidade, gasolina ou óleo diesel, com regulagens adequadas. Após a debulha, os grãos de trigo devem ser ‘abanados’ com uso de peneiras para eliminar palhas, pedras, paus, torrões e sementes estranhas.
Debulhados e limpos, os grãos de trigo devem ser secos até atingirem umidade inferior a 13%. Grãos secos podem ser armazenados por mais de 12 meses, tendo-se o cuidado frequente de verificar a presença de pragas como gorgulhos e traças.
Após a colheita, é importante atentar-se ao valor da saca do produto, que geralmente varia consideravelmente, fazendo o produtor escolher bem o momento mais propício para realizar a venda do cereal.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tecnologia traz mais eficiência com economia para o produtor

Claudinei Luiz Speggiorini, seu pai João Batista e seu irmão Sidney são produtores familiares em Estrela do Sul (MG). Eles trabalham em torno de...

Case de sucesso com recorde mundial de produtividade da soja será destaque da Brandt, durante o evento da Fundação ABC, em Ponta Grossa (PR)

A Brandt do Brasil participa da 21º edição do Show Tecnológico de Verão, realizado pela Fundação ABC, nos dias 21 e 22 de fevereiro...

Gestão do manejo é peça-chave no controle da matocompetição no canavial

Eficiência no processo vai além do investimento em herbicidas, segundo especialistas do setor.

Clima joga contra o plantio do trigo na região Sul

Principais produtores do cereal no país, Paraná e Rio Grande do Sul tiveram problemas com a semeadura por causa do tempo instável O excesso de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!