Marcha de absorção no tomateiro

0
32
Crédito Ana Maria Diniz

Rilner Alves Flores
Doutor e professor adjunto do Setor de Solos da Escola de Agronomia – Universidade Federal de Goiás (EA/UFG)
rilner@ufg.br

A exigência nutricional do tomate é dependente da variedade que está sendo cultivada, uma vez que temos materiais mais eficientes quanto ao uso de nutrientes e outras mais exigentes, demandando um maior volume de nutrientes disponíveis para sua absorção e, consequentemente, conversão em biomassa e produção de frutos.
Por exemplo, um híbrido de tomate acumula cerca de 8.000 kg de matéria seca por hectare plantado e, ao fim do seu ciclo (± 110 dias após o transplantio), apresenta como consumo médio 170, 34 e 310 kg ha-1 de N, P e K, respectivamente (Fontes, 2000).
De modo semelhante, Ferreira (2005) relata a ordem de extração de nutrientes pelo tomate para processamento da seguinte forma: N>K>Ca>S>P>Mg>Cu>Mn>Fe>Zn>B. Neste estudo não foram avaliados a extração de outros micronutrientes, tais como Cl, Mo e Ni. Ainda segundo esses autores, para cada tonelada de frutos colhidos são acumulados, em média, 3,0 kg de N; 0,5 kg de P; 5 kg de K; 0,8 kg de Ca; 0,2 kg de Mg; 0,7 kg de S; 5 g de B; 25 g de Zn; 10 g de Cu; 25 g de Mn e 25 g de Fe.
Em outro estudo realizado por Haag et al. (1978), verificaram as seguintes exigências nutricionais para micronutrientes: 290, 607, 619, 1539, 821 e 1588 g/ha de B, Cu, Fe, Mn, Mo e Zn, respectivamente. Fayad et al. (2002) avaliaram a marcha de absorção de nutrientes no tomateiro para indústria, e observaram uma extração nas seguintes proporções: 3415, 2173, 1967 e 500 g/ha de Cu, Mn, Fe e Zn, respectivamente.
As diferenças nas exigências nutricionais entre esses dois estudos estão relacionadas, também, com a produção de frutos obtidos, sendo para o primeiro uma produção média de 50 t/ha de frutos, enquanto que no segundo trabalho, a produção de frutos maduros foi de 115,4 t/ha.
Portanto, o ideal é que se tenha o conhecimento sobre a marcha de absorção de nutrientes para cada variedade disponível. Caso esta informação não esteja disponível, um estudo com o híbrido a ser cultivado é indicado, principalmente com o propósito de ajustes no programa de adubação a ser realizado visando maiores índices de eficiência quanto ao aproveitamento do nutriente aplicado.

Como deve ser o manejo nutricional

O princípio básico do manejo nutricional inicia-se pela análise prévia do solo, para o conhecimento sobre os teores de nutrientes disponíveis, bem como da exigência nutricional da cultura para a expressão do seu potencial genético.
Com essas informações é possível determinar a necessidade de correção do solo, bem como da adubação visando altos índices produtivos. Contudo, o incremento na qualidade da adubação passa pelo conhecimento da interação adubação-genótipo-ambiente (Cecílio Filho e Nowaki, 2016).
Como a produção do tomate para processamento industrial é regionalizada, os produtores e técnicos devem unir esforços na avaliação de cultivares mais adequadas a cada região e sua resposta ao ambiente. Para se ter noção, estudos realizados por Oliveira et al. (2009) com 29 linhagens de tomate para processamento foram observados diferentes respostas em função do maior fornecimento de nutrientes.
Como conclusão deste trabalho, os autores classificaram as linhagens em quatro grupos: 1 – linhagens eficientes na absorção de nutrientes e responsivos à adubação; 2 – linhagens eficientes na absorção de nutrientes e não responsivos à adubação; 3 – linhagens não eficientes na absorção de nutrientes e responsivos à adubação; e 4 – linhagens não eficientes na absorção de nutrientes e não responsivos à adubação.
Em resumo, não existe uma receita/recomendação que contemple todas as linhagens disponíveis, todas as condições do ambiente e tipos de solos, o que deve ser feito é um estudo e monitoramento em cada situação de cultivo.

Marcha de absorção de nutrientes

O estudo da marcha de absorção dos nutrientes dá uma informação muito importante, indicando os períodos de maior exigência dos mesmos. Conhecidas essas épocas, tem-se um guia para a adubação no que tange aos momentos em que se deve empregar um ou outro nutriente.
Cada espécie, variedade ou cultivar apresenta a sua própria marcha de absorção e este conhecimento poderá aumentar a eficiência quanto ao adequado manejo nutricional voltado para a maior expressão do potencial genético da cultura em produtividade.
Em relação aos processos de absorção de nutrientes, existem duas formas, uma via radicular e outra via foliar. No que diz respeito à absorção via radicular, esta poderá acontecer após o contato entre o elemento químico (nutriente) e a raiz, a qual pode acontecer de três formas: interceptação radicular (quando a raiz chega até o nutriente), difusão (quando um nutriente se move no solo de uma região menos concentrada para uma de alta concentração) e fluxo de massa (quando o nutriente é absorvido em função da taxa transpiratória da planta).
O processo de absorção de nutrientes via radicular é regulado por fatores internos e externos das plantas. Os fatores internos são: potencial genético da planta, estado iônico interno da planta, teor de carboidratos presente nas plantas, intensidade transpiratória da planta e a idade das plantas (raiz).
Já os fatores internos são: formas preferenciais de absorção dos nutrientes presente no solo, km da planta (concentração mínima necessária para que ocorra 50% da velocidade máxima de absorção dos nutrientes pela planta), pH do solo, porosidade (aeração do solo – fluxo de O2), umidade e temperatura do solo, bem como a atuação do ambiente rizosférico (exudatos radiculares, exoenzimas, microrganismos não patogênicos e fungos micorrízicos) e a interação entre os nutrientes (sinergismos ou antagonismo).
Já em relação à absorção via foliar, esta é semelhante à absorção radicular, diferindo-se pela presença da cutícula na folha. Do mesmo modo, existem fatores externos e internos à planta que influenciam a eficiência da absorção foliar. Os fatores internos são: umidade da cutícula, superfície da folha (abertura e fechamento dos estômatos), idade da folha (maior desenvolvimento da cutícula com o aumento da idade), estado iônico interno da folha (quanto maior a concentração interna, maior será a dificuldade na absorção de novos elementos) e fator genético.
Já os fatores externos são: ângulo de contato da folha, temperatura e umidade do ar (combinação de baixa umidade e altas temperaturas promovem rápido secamento da solução, podendo promover o efeito “herbicida”, porque os sais dos nutrientes se concentram e necrosam a planta), composição da solução (formas de nutrientes aplicadas e íons acompanhantes podem influenciar a velocidade de absorção), pH da solução e luminosidade no momento da aplicação.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.