23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Florestas Maturidade financeira da floresta: A hora do corte

Maturidade financeira da floresta: A hora do corte

 

Arthur Netto

Consultor Florestal InvestAgro

arthur@investagro.com.br

 

A escolha de uma determinada idade de corte pode maximizar a produção anual média de uma floresta, mas não necessariamente o resultado econômico - Crédito Shutterstock
A escolha de uma determinada idade de corte pode maximizar a produção anual média de uma floresta, mas não necessariamente o resultado econômico – Crédito Shutterstock

Atualmente, existe um grande enfoque para que a administração florestal seja conduzida dentro de uma eficiência no uso dos recursos e ao mesmo tempo para que os problemas ambientais sejam atendidos. Essa forma de gerir deve levar em consideração as variáveis econômicas.

A decisão pode ser tomada dentro da esfera política, técnica, ambiental ou mesmo social. No entanto, o produtor florestal deve ter em mente as repercussões econômicas de sua decisão.

Rentabilidade

Um dos assuntos de maior interesse na economia florestal diz respeito ao valor de uma floresta, como determinar o momento do corte para se obter uma melhor rentabilidade.

A escolha de uma determinada idade de corte pode maximizar a produção anual média de uma floresta, mas não necessariamente o resultado econômico. Assim, há dois conceitos relacionados à idade ótima de corte: aquele que maximiza a produção anual média (maximização do incremento médio anual) e aquele que maximiza o resultado econômico da floresta (maturidade financeira).

Maximização do Incremento Médio Anual (IMA)

Para se avaliar a idade ótima de corte por meio deste conceito, é preciso acompanhar dois indicadores de crescimento da floresta: o Incremento Corrente Anual (ICA), que mede o quanto a floresta cresceu em volume no último ano, e o Incremento Médio Anual (IMA), que mede o crescimento médio da floresta até aquela idade.

Desta forma, a idade ótima de corte neste conceito é quando o valor do IMA iguala-se ao valor do ICA, o que significa que a floresta atingiu o valor máximo de produção de volume de madeira por unidade de área por ano.

Veja o exemplo abaixo:

Idade (anos) VT (m3/ha) ICA (m3/ha) IMA (m3/ha)

3

0,7

0,2

4

10,9

20,2

5,2

5

20,5

29,6

10,1

6

88,0

37,4

14,7

7

131,5

43,6

18,8

8

179,5

48,0

22,4

9

230,2

50,7

25,6

10

282,0

51,8

28,2

11

333,1

51,1

30,3

12

382,0

48,8

31,8

13

426,8

44,8

32,8

14

466,0

39,1

33,3

15

497,7

31,8

33,2

16

520,4

22,7

32,5

17

532,4

12,0

31,3

18

532,4

0,0

29,6

VT = Volume Total de madeira aproveitável

ICA = Incremento Corrente Anual

IMA = Incremento Médio Anual

Observa-se que a árvore para de crescer do 17º para o 18º ano, que o maior ICA ocorre do 9º para o 10º ano e que com 14 anos a árvore apresenta o maior IMA. Entretanto, a idade que maximiza o IMA está entre 14 e 15 anos, pois enquanto o ICA for maior que o IMA a árvore não terá atingido o máximo IMA. Este critério recomendaria o corte quando a floresta estivesse com 14 a 15 anos de idade.

Para regimes de manejos mais complexos, em que o objetivo final da floresta é a obtenção de multiprodutos, nem sempre é fácil se determinar a idade ótima de corte pela maximização do Incremento Médio Anual. Nestes casos, o melhor é determinar a maturidade financeira, avaliando vários regimes diferentes de manejo e identificando aquele que possibilita o maior retorno líquido equivalente por unidade de área por ano.

Maturidade financeira

A determinação da maturidade financeira de uma floresta apresenta um momento cujo custo de mantê-la em pé por mais um ano é igual ao benefício econômico da espera. Manter por mais um ano a floresta em pé inclui o custo de ocupação do solo por mais um ano (renda da terra) e os juros que seriam pagos sobre o capital proveniente da exploração da floresta, caso não se prolongasse mais a sua existência (custo de oportunidade do capital florestal).

Diante dessa observação, pode-se tomar como regra de decisão o seguinte: um povoamento florestal está financeiramente maduro quando a sua taxa anual de incremento em valor se torna igual à taxa anual de juros paga pela melhor opção alternativa.

Veja o exemplo abaixo:

Idade (anos) VF (R$/ha) IVF (R$/ha) Variação (%)

3

7,40

4

208,90

201,5

2.723,0

5

505,30

296,4

141,9

6

879,70

374,4

74,1

7

1.315,20

435,5

49,5

8

1.795,00

479,8

36,5

9

2.302,20

507,2

28,3

10

2.820,00

517,8

22,5

11

3.331,50

511,5

18,1

12

3.819,80

488,3

14,7

13

4.268,10

448,3

11,7

14

4.659,50

391,4

9,2

15

4.977,20

317,7

6,8

16

5.204,30

227,1

4,6

17

5.323,90

119,6

2,3

18

5.323,90

VF = Valor da Floresta

IVF = Incremento no Valor da Floresta

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Floresta. Clique aqui e adquira já a sua.

 

Inicio Revistas Florestas Maturidade financeira da floresta: A hora do corte