23.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 6, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Melancia híbrida - 50% mais produtiva

Melancia híbrida – 50% mais produtiva

Eduardo Suguino

Roberto Botelho Ferraz Branco

Pesquisadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) – Polo Centro Leste

Adriana Novais Martins

Rosemary Marques de Almeida Bertani

rosemary.bertani@apta.sp.gov.br

Pesquisadoras da APTA Polo Centro-oeste

Golbery Rudolf Oliveira Rodrigueiro

Estagiário da APTA Polo Centro-oeste

 

Destaque
Melancia híbrida – 50% mais produtiva – Fotos Shutterstock

Não só para as hortaliças, como é o caso da melancia, como também para outras culturas, o melhoramento genético visa aumentar a produtividade e qualidade do que é cultivado, oferecendo materiais com a vantagem de serem resistentes e/ou tolerantes a pragas e doenças que são comuns à cultura.

Em geral, buscam-se no melhoramento, materiais com as características desejadas pelo mercado consumidor, seja pelo formato do fruto, coloração da casca ou polpa, presença ou não de sementes e quantidade de açúcares.

 

Custos

A diminuição da produção de sementes destes híbridos aumenta os custos de produção, o que é repassado ao consumidor final. A diferença do preço comercial entre sementes de plantas de fácil multiplicação ditas “normais“ e de alguns híbridos (entendendo que nessa classe existem as melancias tradicionais com e sem sementes, e também as minimelancias com e sem sementes) pode chegar a mais 500%, sendo que ainda existe o problema de alguns tipos de sementes terem uma baixa taxa de germinação.

Então, dependendo de uma série de fatores, como a cultivar escolhida, proximidade de centros consumidores e a existência ou não daquele nicho de mercado, o retorno pode ou não ser rápido. Em geral, cultivos em ambiente protegido tendem a produzir materiais de melhor qualidade com maior valor agregado, como é o caso das minimelancias e das tradicionais sem sementes.

Tipos de melancias

Melancia globular

A cultivar típica é a Crimson Sweet, que produz melancias de casca rajada, de coloração verde clara e verde escura. Os frutos desse grupo pesam em média 10-13 kg, são globulares ou globular-alongados, com polpa de boa qualidade. Atualmente, o tipo globular é o preferido pela maioria das regiões produtoras e também pelo consumidor brasileiro.

Tipo alongado

A cultivar típica é Charleston Gray, que produz frutos cilíndricos, com casca verde clara e finas estrias verdes escuras. Os frutos são grandes, com 12-15 kg. Embora ainda exista um bom mercado, esse tipo de melancia vem perdendo espaço para o tipo globular aqui no Brasil.

Melancia sem semente

São híbridos autoestéreis, introduzidos a partir do início da década de 90, que produzem melancias globulares, de coloração verde escura ou rajada, em dois tons de verde. Os frutos praticamente não possuem sementes e quando presentes são diminutas que quase não se percebe como semente.

Minimelancia

São híbridos que produzem frutos de pequeno tamanho em relação aos híbridos convencionais, com peso médio de 1-3 kg. Existem híbridos desse tipo que podem ou não possuir sementes em sua polpa.

E agora, qual escolher?

No momento da escolha do híbrido ou variedade, o produtor deve levar em consideração a preferência do tipo de fruto do consumidor da região em que se pretende comercializar o fruto.

Posteriormente, o produtor tem que estar atento para a decisão de que híbrido cultivar, pois no mercado atual de sementes de melancia existe ampla disponibilidade de materiais de cada tipo de melancia.

No entanto, materiais que apresentem vigor, resistência a patógenos e a intempéries climáticas (rusticidade), precocidade e qualidade de frutos devem ser os preferidos. As qualidades de pós-colheita, como resistência ao transporte e longevidade de qualidade do fruto também são essenciais para a escolha do material a ser cultivado.

Existem vários tipos de melancia - Fotos Shutterstock
Existem vários tipos de melancia – Fotos Shutterstock

Nichos de mercado

Os nichos de mercado que surgiram nos últimos anos para a cultura da melancia são o da melancia sem semente e a minimelancia, que vieram para atender consumidores que recusam o consumo de melancia devido à presença de sementes em sua polpa, e consumidores com número reduzido de indivíduos no lar, que é um perfil atual das famílias modernas, posto que frutos de tamanho grande ocupem amplos espaços nas geladeiras e demoram para ser consumidos.

Processamento agrega valor

Atualmente, na culinária moderna existem possibilidades para melancia que até então não existiam, como a polpa de melancia processada em cubos prontos para o consumo e o preparo de molho de melancia, que se assemelha ao do tomate, utilizados no preparo de pratos especiais com sabor agridoce.

Chamamos atenção para a possibilidade de produção comercial de molho a partir de frutos descartados nas lavouras, que, diga-se de passagem, representam número expressivo de uma lavoura comercial.

Essa matéria completa você encontra na edição de abril da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua para leitura integral.

Inicio Revistas Hortifrúti Melancia híbrida - 50% mais produtiva