20.6 C
Uberlândia
terça-feira, julho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesMercado de bioinsumos cresce quase 70% na safra 2021-22

Mercado de bioinsumos cresce quase 70% na safra 2021-22

Divulgação

Defensivos agrícolas de base biológica e bioinoculantes movimentaram R$ 2,905 bilhões no Brasil na safra 2021-22. O levantamento FarmTrak, da Kynetec, recém-divulgado, aponta elevação de 67% no desempenho desses produtos frente ao ciclo anterior (R$ 1,744 bilhão). Segundo a consultoria, os biológicos também avançaram de 3% para 4% do total de transações realizadas pelo setor de defesa vegetal, que subiu de R$ 58,384 bilhões (2020-21) para R$ 78,247 bilhões, alta de 33%.

Conforme a Kynetec, na análise do estudo FarmTrak por categoria de produtos biológicos, os bionematicidas lideraram a comercialização ao longo da safra, com a participação de 39,6% (R$ 1,152 bilhão). Na segunda posição aparecem os bioinseticidas: 30,7% ou R$ 890 milhões. Bioinoculantes e biofungicidas completam o ranking do segmento, com 19,2% das vendas (R$ 557 milhões) e 10,5% (R$ 306 milhões). 

Tratamentos nos cultivos-chave

De acordo com a Kynetec, na safra 2021-22 os bioinsumos chegaram a 28% da área plantada de soja, ou 10,5 milhões de hectares, além de tratar 52% da cana-de-açúcar (4,74 milhões de hectares) e 26% do milho safrinha (3,8 milhões de hectares). Alcançaram ainda 638 mil hectares e 993 mil hectares de milho verão e algodão, 17% e 64% destes cultivos, respectivamente.

Divulgação

Conforme o gerente de contas da Kynetec, Lucas Alves, a área tratada com produtos biológicos apresentou crescimento relevante nas principais culturas da safra 2021-22, com destaque para o milho na safrinha. Neste, a utilização de bioinsumos saltou de 13% para 26% das lavouras. No milho verão, houve elevação de 4% para 17%. Na soja, o cultivo de maior importância econômica, esses produtos ocuparam 28% das áreas, ante 21% do período 2020-21.

Já a avaliação do mercado de biológicos atrelada à área potencial tratada (PAT), calculada com base no número de aplicações dos produtores, por área cultivada nas propriedades e por cultura, apurou crescimento de 29%. Por esse critério, ressalta a consultoria, bioinsumos trataram o equivalente a 92,521 milhões de hectares, nas principais regiões produtoras, no período 2021-22, ante 71,750 milhões de hectares.

Ainda segundo a Kynetec, a cultura da soja respondeu por 70% do total do PAT biológicos: 65,203 milhões de hectares. Atrás da oleaginosa, os indicadores mais relevantes foram medidos no milho safrinha, com 16% do total ou 15,151 milhões de hectares e na cana-de-açúcar, com 7% ou 6,807 milhões de hectares. Fecham a relação cultivos de algodão, café, HF, arroz, amendoim e outros.

Diretor da Kynetec para a América Latina, o engenheiro agrônomo André Dias salienta que o mercado de biológicos tende a se manter em alta nos próximos ciclos. “Há crescente oferta de inovação. Um dos fatores centrais a impulsionar bioinsumos é a necessidade de aplicar defensivos com diferentes modos de ação, para conter a resistência de fungos e pragas a ingredientes ativos químicos. Exigências por uma agricultura mais sustentável também pesam em favor dos biológicos”, conclui Dias.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bioinoculante eleva a produtividade

Biofree, desenvolvido pela Biotrop, é o único a combinar a mobilização de fósforo ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!