Mercado de defensivos para milho tem alta de 8%

0
98

Levantamento BIP – Business Inteligence Panel registra movimentação de US$ 312 milhões no período; plantio de sementes Bt+RR teve salto de 4% e controle de pragas sugadoras ocorreu em quase a metade da área do grão 

Milho – Crédito: Shutterstock

A consultoria Spark Inteligência Estratégica divulgou seu estudo anual BIP Milho – Business Inteligence Panel. O estudo avaliou o comportamento do mercado de defensivos agrícolas para a cultura na safra de verão 2019/20. Conforme a empresa, o tratamento com agroquímicos movimentou US$ 312 milhões no período, uma alta de 8% ante a safra anterior.

De acordo com o sócio diretor da Spark, André Dias, esse crescimento veio ancorado no aumento de 10% da taxa de adesão de produtores ao controle de pragas, doenças e invasoras. Conforme Dias, a média de tratamentos apurada pelo BIP na safra foi de 11,2 por área plantada. O executivo também considera relevante a elevação de 4% medida no plantio de sementes com a tecnologia Bt+RR. Tais cultivares, informa ele, preencheram 78% das áreas de milho, equivalentes a 2,647 milhões de hectares.

O coordenador de projetos da Spark, Lucas Alves, acrescenta que as sementes Bt+RR absorveram 74% das vendas de defensivos para a cultura, correspondentes a US$ 232 milhões. Na safra 2018-19, compara ele, as mesmas cultivares ocuparam, proporcionalmente à área então plantada, 71% das lavouras, movimentando US$ 191 milhões.

De acordo com o levamento da Spark, os herbicidas seguem na dianteira entre os agroquímicos do milho. Os produtos tiveram participação de 38%, com vendas de US$ 118 milhões. O glifosato permanece o principal ingrediente ativo, com 44% do segmento (US$ 52 milhões). A atrazina deteve 1/4 da categoria (US$ 25 milhões) e os ativos tembotrione, atrazina + simazina, clethodim e mesotrione, entre outros, totalizaram US$ 41 milhões.

Segmento vice-líder na cultura, o manejo de tratamento de sementes totalizou 22% das vendas (US$ 68 milhões). A Spark destaca que o tratamento de sementes com inseticidas movimentou US$ 63 milhões, equivalentes a 93% da categoria, um crescimento de 17% frente ao ciclo 2018-19. Já o tratamento de sementes por fungicidas, conforme a Spark, mostrou estabilidade nas vendas de US$ 5 milhões (7%).

Pressão das sugadoras – Os números da Spark revelam ainda que os inseticidas tiveram 20% de participação entre os defensivos para milho, totalizando US$ 63 milhões. Quase a metade do resultado obtido na categoria, a terceira mais importante para a indústria na cultura, foi puxado pelo controle de lagartas, que atingiu US$ 31 milhões em vendas (49%). Igualmente representativos, os inseticidas para controle de sugadoras, como a cigarrinha e o percevejo-barriga-verde, totalizaram US$ 30 milhões ou 48% do segmento.

Lucas Alves enfatiza que o BIP Milho constatou forte pressão das pragas sugadoras durante a safra, fator que resultou no aumento, de 39% para 47% da área cultivada, na adoção de inseticidas para controle desses insetos“A ausência de chuvas e as altas temperaturas, predominantes nas principais regiões produtoras, trouxeram condições ideais à proliferação das sugadoras”, frisa Alves.

Quarta categoria em vendas, com 17% de participação, os fungicidas para milho movimentaram US$ 53 milhões. Produtos do grupo estrobilurina + triazol atingiram US$ 29 milhões, seguidos dos ‘premium’ (US$ 10 milhões) e protetores (US$ 10 milhões). Os produtos adjuvantes, segmento com menor participação na agricultura em geral, fecharam a safra com 3% das vendas (US$ 9 milhões).

Entre os estados produtores, o BIP Milho da Spark traz o Rio Grande do Sul na liderança em área cultivada, com 28% do total (939 mil hectares). Minas Gerais é vice-líder com 23% (774 mil ha). Na terceira e quarta posições aparecem Santa Catarina e Paraná, que plantaram 548 mil ha (16%) e 462 mil ha (14%), respectivamente. Quinto maior produtor, São Paulo concentrou 8% (273 mil ha) das lavouras. Goiás e Bahia fecham o ranking, com 233 mil ha (7%) e 166 mil ha (5%).

Sobre a Spark Inteligência Estratégica

A credibilidade e os diferenciais competitivos conquistados pela Spark Inteligência Estratégica resultam de um intenso trabalho em nível de campo, realizado nas últimas cinco safras, envolvendo milhares de produtores-chave dos principais cultivos do País. A Spark reúne hoje um amplo e diversificado acervo de informações quantitativas e qualitativas sobre os mercados de defensivos agrícolas e sementes. Em seis anos de atividades, a Spark concluiu mais de 160 estudos especiais e 300 cotas de estudos painel. Nesse período, os profissionais da empresa aplicaram mais de 130 mil entrevistas e percorreram em torno de 4,5 milhões de quilômetros no território nacional.

Mais informaçõeshttp://spark-ie.com.br/