26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosMilho 2ª safra: Crescimento em área e rentabilidade

Milho 2ª safra: Crescimento em área e rentabilidade

No mês de outubro, o milho chegou a R$ 81,48, preço nunca atingido na história na agricultura brasileira

Talis Melo ClaudinoEngenheiro agrônomo e mestrando em Agronomia – UNESP-FCA de Botucatut.claudino@unesp.br

Soja – Créditos: shurtterstock

Conhecido como safrinha, o cultivo de milho após a soja é uma modalidade que traz ao empresário rural maiores rentabilidades em um ano agrícola. No mês de outubro, o milho chegou a R$ 81,48 pelos indicadores Esalq/BMF&Bovespa, preço nunca atingido na história na agricultura brasileira. Este valor é 81% maior do que o encontrado na mesma data no ano de 2019.

Desta forma, o cenário é extremamente favorável para a safrinha de 2021, devido ao aquecimento da demanda nacional e internacional, preços e possível produção recorde.

Oferta x demanda

A China tem grande demanda nesta commodity. Visto isso, ao final do primeiro semestre do ano de 2020, 40% da safrinha de 2021 do maior Estado produtor brasileiro, o Mato Grosso, já estava comercializada. Em anos anteriores, somente 10% da produção já tinha destinação e preços afirmados.

Altos valores oferecidos nos contratos de venda futura fazem com que os produtores rurais comercializem seus grãos na forma de barter. Desta forma, ficam obrigados a entregar o valor estipulado em contrato de sua produção aos compradores e, em troca, os insumos são fornecidos para o cultivo.

Ou seja, além de ser um seguro nos preços ao produtor rural, esta operação faz toda a economia agrícola ser influenciada, visto que as empresas comercializadoras de insumos iniciam suas comercializações mais cedo do que o previsto em relação aos demais anos.

Estímulo que faz a diferença

Estas altas dos preços estimulam os produtores a semearem o milho de segunda safra, aumentando sua área de cultivo e diminuindo possíveis áreas de adubação verde ou milheto.

Os cenários apresentados hoje são uma novidade aos agricultores, isto porque no ano de 2014, chegamos à comercialização de sacas de milho no valor de R$ 16,00, recuando o mercado devido ao investimento que é feito para esta cultura.

Para a CONAB (Companhia Nacional de abastecimento), a produção de milho safrinha deve chegar as 76,7 milhões de toneladas, 2,3% acima da safra 2020.

[rml_read_more]

Os anos de 2020/21 vêm sendo os melhores em relação ao valor de troca entre insumos e produtos agrícolas. Mesmo diante do crescente aumento do dólar, as influências políticas e a pandemia, os valores dos insumos não acompanharam a mesma curva exponencial que foram observadas nos preços das sacas de soja e milho.

Ou seja, mesmo o produtor investindo mais, a sua rentabilidade final será maior. E para esta segurança, o produtor realiza a venda de pelo menos o valor que ele irá gastar com os insumos.

Tecnologias e estratégias

Atualmente, diversas empresas trabalham com a comercialização de híbridos de milho de baixa, média e alta caixa produtiva, além de maiores diversidades de respostas ao ataque de pragas, doenças e resposta ao investimento.

Desta forma, o produtor rural tem mais opções para realizar uma boa estratégia de cultivo, e assim explorar o máximo que a terra pode lhe proporcionar, aproveitando anos agrícolas onde o cultivo de milho safrinha irá trazer ao produtor grandes ganhos, assim como pode ser visto na soja em anos típicos.

Já que área de cultivo será maior e o produtor terá bons preços de vendas, ele deve explorar o máximo possível seu cultivo para obter ganhos superiores aos já encontrados.

Atenção

Este é o momento de se atentar, juntamente à equipe técnica que lhe atende, ao melhor posicionamento do material que lhe trará maiores ganhos, assim como a adubação ser realizada da forma certa e em quantidade que chegue ao máximo potencial produtivo. Visto que a cultura do milho apresenta grande resposta à adubação nitrogenada, a utilização de fontes de nitrogênio no plantio e na cobertura são ótimas formas de investimento,

O alto custo dos insumos nitrogenados é uma realidade, mas no fator ‘troca’, foi o que apresentou a menor diferença. Contudo, ele ainda sim teve menor crescimento de custeio do que o aumento da saca de soja.

Outra fonte de extrema vantagem ao agricultor é manter sua lavoura sadia até o fim do cultivo. Para isso, aplicações corretas de fungicidas podem fazer com que a produtividade aumente.

Por fim, a utilização de manejos biológicos e com fitorreguladores pode fazer com que o teto produtivo seja alcançado.

De forma simples, são quatro os pilares da produtividade: a escolha do híbrido correto, a adubação forte e equilibrada, o trato de doenças e a utilização de fitorreguladores, que podem fazer com que o produtor chegue a altos níveis de produtividade na safrinha 2021.

Desta forma, podemos associar essas tecnologias com o aumento de área cultivada e à possível superprodução. Assim, teremos um ano recorde de produção de milho no Brasil e de rentabilidade ao agricultor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Atraso no plantio de soja da safra pode impactar safra de milho

Em relação à safra passada, a semeadura no estado está atrasada em 6,94 pontos percentuais.

Fertilizantes: a coisa está russa

Dentre alguns dos assuntos que unem Rússia e Brasil, o agronegócio está no centro da pauta e, mais ...

Produção de milho: quais as estratégias?

O milho é considerado uma cultura estratégica para o alicerce da agricultura brasileira.

Gestão da umidade faz a diferença na colheita do milho

Faltando poucos dias para finalizar a colheita do cereal no Brasil, produtora rural aposta em tecnologia para controle de umidade do grão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!