26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiMinas pesquisa óleo de abacate

Minas pesquisa óleo de abacate

 

Produção de óleo de abacatePesquisadores da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) estudam a extração de óleo fino de abacate pelo sistema de centrifugação, o mesmo utilizado no processamento do azeite de oliva, no Campo Experimental da Empresa em Maria da Fé, no Sul de Minas Gerais.

A agroindústria do óleo de abacate apresenta boas perspectivas no Brasil, em função dos frutos de algumas variedades cultivadas, como Wagner, Hass, Fuerte, Linda e Margarida apresentarem quantidades consideráveis de lipídios, em média 20% de óleo na polpa úmida.

De acordo com o pesquisador da EPAMIG, Adelson de Oliveira, que coordena estudos pioneiros do óleo de abacate, outro aspecto a ser considerado é a disponibilidade de matéria-prima durante praticamente o ano todo, pois as variedades mais ricas em óleo têm um período de safra entre os meses de julho e novembro, enquanto que variedades com menos quantidade de óleo na polpa, em média 9% na polpa úmida, têm um período de safra entre os meses de janeiro e junho.

No período da safra, geralmente o preço do fruto no mercado interno atinge valores muito baixos em decorrência do volume produzido, o que sugere o uso do excedente na agroindústria.

Segundo Adelson de Oliveira, para a elaboração de óleo de abacate de alta qualidade é preciso observar fatores agronômicos que influenciam o resultado final, como a variedade, o manejo da cultura, a colheita, dentre outros.

Estudos mostram que as variedades Hass e Fuerte são as que apresentam maior rendimento, podendo ser extraído até 26% de óleo. “O óleo obtido da variedade Breda também é interessante, especialmente por apresentar um sabor ligeiramente picante”, informa. Ele explica ainda que é importante, por exemplo, que o fruto apresente maturação concluída, fase em que concentra maior conteúdo de óleo, mas não pode estar muito maduro.

Além da possibilidade de introduzir o óleo de abacate puro, extra virgem, para uso comestível como substituto ao azeite de oliva, poderia ser utilizado também para obtenção do composto, óleo de abacate e azeite de oliva, em substituição às misturas realizadas com outros óleos vegetais, principalmente óleo de soja.

Essa matéria você encontra na edição de novembro 2015  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Qualidade do café da próxima safra começa com planejamento

Para garantir a qualidade do café da próxima safra, alguns cuidados precisam ser planejados já nesta fase da expansão dos frutos. Há alguns anos, a Satis acompanha de...

Microverdes – Projeto inédito no Brasil

Microverdes, oumicrogreens, como também são conhecidos, é um projeto especializado na produção e comercialização de microlegumes ou ervas aromáticas e flores comestíveis. No ambiente...

Tecnologia Powercoreâ„¢ proporciona aos produtores resultados acima da média nacional

  Com objetivo de demonstrar ao campo o alto potencial produtivo de seus novos híbridos de milho, a Dow Sementes desenvolveu um programa de incentivo...

Dogal & Defensive – Parceria que deu certo!

  A Dogal é uma empresa com 22 anos de atuação na Turquia que disponibiliza 150 diferentes produtos, dentre eles o sombreamento para estufa. “Conhecemos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!