16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosMofo branco atinge seis milhões de hectares e causa perdas de até...

Mofo branco atinge seis milhões de hectares e causa perdas de até 30%

O avanço da doença preocupa os agricultores, que têm relatado dificuldade para controlar a doença

 

Apotécio - Crédito Nédio Tormen
Apotécio – Crédito Nédio Tormen

Escleródio - Crédito Nédio Tormen
Escleródio – Crédito Nédio Tormen

Pétala do feijão infectada por ascósporo - Crédito Nédio Tormen
Pétala do feijão infectada por ascósporo – Crédito Nédio Tormen

Sintoma do mofo branco na haste do feijão - Crédito Nédio Tormen
Sintoma do mofo branco na haste do feijão – Crédito Nédio Tormen

Sintoma do mofo branco na haste da soja - Crédito Nédio Tormen
Sintoma do mofo branco na haste da soja – Crédito Nédio Tormen

De acordo com a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), nada menos que seis milhões de hectares (de um total de 70 milhões de áreas cultivadas) apresentam mofo branco no Brasil. O número aponta que aproximadamente 9% das áreas estão sofrendo com o patógeno, que ataca feijão, soja e algodão em quase todos os estados, com destaque para Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Apesar de 19 fungicidas já estarem registrados apenas para o feijoeiro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o avanço da doença preocupa. Os agricultores relatam dificuldade para controlar a doença, que é causada pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum.

Regiões mais atacadas

Regiões de altitude elevada (geralmente acima de 800 m), que apresentam temperaturas amenas principalmente durante a noite e que possuem elevada precipitação ou cultivo em áreas irrigadas, são as mais atacadas.

A região oeste da Bahia, a região do Programa de Assentamento Dirigido do Distrito Federal (PAD/DF) e o município de Cristalina (GO) (que possui o maior PIB agrícola do Brasil) são bons exemplos. Neles, quando o cultivo é realizado em épocas com elevada precipitação ou irrigação, a doença inevitavelmente ocorre.

A disseminação se dá, principalmente, pelas sementes, que podem estar infectadas com o micélio do fungo, ou por meio da contaminação, devido à presença de estruturas de sobrevivência denominadas de escleródios.

Na ausência de hospedeiro suscetível, o fungo pode persistir por um longo período no solo por meio das suas estruturas de resistência (escleródios), caracterizadas pela sua dureza e coloração escura, com forma semelhante a fezes de rato, que sobrevivem imersos no solo por um período médio de cinco anos ou mais, podendo chegar até 10 anos.

Como diagnosticar a doença

Os sintomas iniciais da doença são lesões encharcadas nas folhas ou qualquer outro tecido da parte aérea que normalmente tenha tido contato com as flores infectadas. As lesões espalham-se rapidamente para as hastes, ramos e vagens. Nos tecidos infectados aparece uma eflorescência branca que lembra algodão, constituindo os sinais característicos da doença.

Até a cultura chegar ao florescimneto, dificilmente a doença torna-se importante. Após este período, a doença é disseminada rapidamente porque a flor é fonte primária de energia, servindo de alimento para o fungo iniciar novas infecções.

Quando a cultura é colhida, os escleródios formados nos tecidos vegetais podem cair ao solo e novamente tornarem-se fonte de inóculo para a cultura subsequente e irem assim se multiplicando sucessivamente, enquanto houver plantas hospedeiras.

 
Essa matéria completa você encontra na edição de Junho da revista Campo & Negócios Grãos. Faça sua assinatura agora.Capa Grãos Junho
 

ARTIGOS RELACIONADOS

Tratamento eletromagnético da água apresenta resultados no controle dos nematoides no cultivo do tomate

  George Hércules de Melo Engenheiro agrônomo e consultor técnico Aqua-4D melo@aqua-4D.com   Presente em mais de 40 países, inclusive no Brasil, a Aqua-4D vem comprovando os benefícios da...

Tigre participa da Agrishow 2022 com soluções para irrigação

Empresa apresenta suas soluções para irrigação na Feira Internacional

UPL apresenta suas tecnologias e inovações no XV Encontro Nacional da Batata

Nos dias 25 e 26 a empresa apresenta seu lançamento Unizeb Glory para Batata, em Holambra (SP) Pensando nos desafios encontrados no campo pelos produtores...

Manejo para a cultura da melancia do plantio a colheita

Roberto Dantas de Medeiros Engenheiro agrônomo, doutor em Fitotecnia e pesquisador da Embrapa Roraima Admar Bezerra Alves Engenheiro agrônomo, mestre em Agronegócio e pesquisador da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!