31.9 C
Uberlândia
terça-feira, novembro 7, 2023
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiMosca-do-broto da mandioca - Reconhecer para manejar

Mosca-do-broto da mandioca – Reconhecer para manejar

Igor Souza Pereira

Fitopatologista do Instituto Federal do Triângulo Mineiro – campus Uberlândia (MG)

igor@iftm.edu.br

Marcia Toyota Pereira

Fitopatologista- Universidade Federal de Lavras

mtoyotap@gmail.com

 

Crédito-Igor-Pereira
Crédito-Igor-Pereira

Tradicionalmente, a mandioca é considerada uma planta rústica, tolerando bem o ataque de pragas e doenças. No entanto, quando cultivada em grandes áreas e sob condições favoráveis, algumas pragas podem acarretar redução na produtividade, como é o caso do ataque pela mosca-do-broto da mandioca (Neosilbaperezi).

Diferente de outras espécies desse gênero de mosca, que atacam diversas culturas, as larvas da mosca-do-broto da mandioca se alimentam exclusivamente das brotações da mandioca (Manihotesculenta).

As fêmeas efetuam a postura nas folhas apicais das brotações ou em pequenas cavidades feitas pelo ovipositor na parte mais tenra do broto. O dano ocasionado por esse inseto manifesta-se por uma exsudação amarelada (quando o ataque é recente) ou marrom (quando o ataque é mais velho), que pode ser vista no ponto de crescimento da planta afetada.

As larvas eclodem em cerca de quatro dias, perfurando o tecido tenro da planta e matando a gema apical, o que retarda o crescimento normal da planta afetada e induz o aparecimento de brotos laterais, que também podem ser atacados.

As plantas mais jovens são mais suscetíveis. Ataques repetidos podem ocasionar o nanismo das plantas. Plantas com até três meses de idade e sob ataque intenso podem adquirir aspecto de vassoura, com internódios curtos e nanismo.

Erroneamente, relata-se que os danos causados por essa praga são restritos à produção de manivas, com baixo impacto à produção de raízes. No entanto, estudos indicam que em plantas jovens, dependendo da variedade plantada, há queda de produtividade de raízes comerciais variando de 30 a 70%.

Manejo da mosca-do-broto da mandioca

 

O manejo da mosca-do-broto da mandioca é feito principalmente pelos métodos culturais, visto que há poucos agrotóxicos registrados no Ministério da Agricultura. Dentre os métodos culturais, destacam-se:

ÃœRetirada e destruição dos brotos atacados;

ÃœPlantio de mandioca fora da época de ataque (se realmente a praga é importante na região), evitando-se períodos de seca prolongados após o plantio;

ÃœPlantio intercalado da mandioca com outras culturas, como o milho, feijão e abóbora, para reduzir a incidência da praga e incrementar o controle natural.

Controle químico

As larvas da mosca-do-broto são difíceis de controlar, mas em casos em que ocorrem ataques severos em plantas com até dois meses de idade, é recomendado o uso de inseticidas. No Brasil, é registrado o inseticida de contato e ingestão do grupo das espinosinas – espinetoram.

Recomenda-se monitorar o cultivo/praga e aplicar o inseticida quando aparecerem os primeiros indícios de dano econômico pelo ataque da mosca-do-broto. Se necessário, repetir a aplicação. O intervalo entre as aplicações será determinado em função da reinfestação, devendo-se aplicar no máximo três vezes durante o ciclo da mandioca.

Outra alternativa é o uso de armadilhas confeccionadas com garrafas pet, feitas à base de substâncias açucaradas, como frutas em decomposição, caseína ou leveduras. As moscas-do-broto são atraídas para essas armadilhas, morrem por ficarem aprisionadas dentro das garrafas, reduzindo assim a população da praga.

Essa matéria você encontra na edição de dezembro 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Safra de uva é 16% maior em relação a 2014

  Na safra 2015, o Rio Grande do Sul, Estado que responde por cerca de 90% da produção de uva para processamento no País, produziu...

Como manter bananais livres de doenças?

AutoresGlaucio da Cruz Genuncio Doutor e professor de Fruticultura – Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) glauciogenuncio@gmail.com Elisamara Caldeira do Nascimento Doutora e professora...

Podas em ameixeiras – Por onde começar?

Camila Queiroz da Silva Sanfim de Sant'Anna Doutoranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro agro.camilaqs@gmail.com “Não faço podas nos meus pomares de...

Os desafios da sucessão familiar no campo

Sabe aquele momento da vida em que você precisa tomar uma atitude que pode mudar o rumo da sua história? Esta é a situação vivida por...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!