23.3 C
São Paulo
terça-feira, julho 5, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Mulching plástico - A evolução da horticultura

Mulching plástico – A evolução da horticultura

 

Flavio Akira Tamaoki

Engenheiro agrônomo da Isaflora e representante Electroplastic em Biritiba Mirim e região

DestaquePode-se considerar que a consolidação do emprego do mulching plástico na olericultura da região do Alto Tietê corresponde ao principal salto tecnológico ocorrido nos últimos anos. Tal qual foi o advento do atual sistema de produção de mudas em bandejas com substrato, a tecnologia de cobertura do solo com filme de polietileno surge como um divisor de águas que revolucionou o cultivo das hortaliças folhosas nos “cinturões“ da capital paulista.

Apesar de conhecida de longa data (primeiras verificações datam da década de 70, na cultura do morango), a tecnologia passou a crescer a passos largos na região de Biritiba Mirim (SP) a partir de meados da última década, apresentando-se aos produtores como a principal alternativa para viabilização econômica do cultivo da alface e, posteriormente, de outras folhosas, como brássicas e aromáticas.

É possível enumerar uma série de incontestáveis benefícios que a técnica proporciona à cadeia produtiva (agricultor, produto, meio ambiente e consumidor), entretanto, todos convergem para um único objetivo: “Melhoria da eficiência da produção“. Em síntese primordialmente busca-se:

– A maximização da produtividade, ou seja, obter o máximo de produção por área. Nesse caso, o mulching plástico evita o contato das folhas com o solo, reduzindo drasticamente a incidência de doenças como Rizoctonia e bacterioses no verão e esclerotínia no inverno.

Evita, também, a perda de plantas por ferimentos durante a capina, pela competição com as plantas daninhas e fitotoxicidez por herbicida. Reduz o ciclo das culturas e o intervalo necessário entre um ciclo e outro, pois dispensa o preparo mecânico do solo;

– A melhoria da qualidade, isto é, atender as expectativas do exigente mercado consumidor por meio da oferta de produtos mais limpos, com melhor sanidade, com excelentes propriedades organolépticas e altamente seguros;

– A redução dos custos de produção pela economia de insumos, como fertilizantes, devido à menor lixiviação dos defensivos pela supressão dos agentes bióticos (pragas, doenças e plantas daninhas), da mão de obra, pela redução das operações e otimização do espaço, da água, pela conservação da umidade do solo, da energia e do desgaste das máquinas e implementos.

A maximização da produtividade está entre os benefícios do mulching plástico
A maximização da produtividade está entre os benefícios do mulching plástico

Evolução

A propagação da técnica do mulching plástico foi acelerada por uma série de tecnologias que se desenvolveram concomitantemente a ela. A mais importante delas certamente foi a que possibilitou a oferta de mulching previamente perfurado, poupando os produtores desse dispendioso trabalho que até então se apresentava como principal fator limitante.

Nesse contexto, teve destaque a parceria entre a empresa ElectroPlastic e a Isaflora (Biritiba Mirim/SP) que, entendendo as necessidades do mercado, foram pioneiras em disponibilizar o mulchingAgroplás perfurado aos produtores.

Atualmente, tecnologias como grampos de fixação plásticos e metálicos, implementos tratorizados para aplicação do filme, fertilizantes e substratos especiais de reposição e preenchimento dos furos, sistemas de irrigação de baixa vazão, produtos biológicos, entre outros, compõem um amplo pacote tecnológico desenvolvido em torno desse inovador sistema.

Cuidados na aplicação e manejo do mulching

A atenção para alguns detalhes pode fazer a diferença na implantação e manejo dessa tecnologia para cultivo de folhosas:

üPreparação dos canteiros: os canteiros devem ser preparados de forma a evitar torrões e depressões que possam dificultar o assentamento do filme plástico na superfície dos canteiros.

Nos pontos de ocorrência das irregularidades surgirá uma camada vazia entre o filme e a superfície do solo, fazendo com que os furos fiquem muito profundos. Recomenda-se preencher tais furos com terra ou outro substrato antes do transplante das mudas, caso contrário, o aquecimento do ar em torno das mudas pode prejudicar o pegamento delas e, em situações, extremas causar a morte da planta.

Recomenda-se corrigir e adubar o solo conforme manda a análise deste, antes da aplicação do mulching. O uso de matéria orgânica (adubação verde, composto orgânico e condicionadores) incorporada ao solo auxilia na manutenção da qualidade e uniformidade das plantas nos sucessivos ciclos, além de reduzir a compactação e melhorar a retenção de água e nutrientes.

üAplicação do filme: antes da aplicação do mulching, caso se utilize exclusivamente aspersão, é importante irrigar os canteiros, pois após a aplicação o filme reduzirá drasticamente a infiltração de água no solo.

Recomenda-se tensionar o filme em, no máximo, 1% no momento da aplicação, ou seja, 1 metro a cada 100 metros de canteiro. Portanto,devem-se evitar horários excessivamente quentes, pois o calor pode favorecer a dilatação do filme e consequente tensionamento exagerado, que acarreta na diminuição da vida útil do filme.

Costuma-se recorrer aos grampos plásticos ou metálicos (arame galvanizado) para fixação do filme. Em média, usa-se um grampo a cada 1,5 a 2m nas duas bordas do filme, resultando em um consumo aproximado de 1.000 a 1.300 grampos para cada 1.000 metros lineares de mulching.

üLongevidade do filme: os mulchingAgroplás são fabricados com matérias-primas de alta tecnologia e qualidade e são aditivados para suportar a exposição ao sol. Em média, os produtores da região têm utilizado o mulching por um período de 12 meses.

O principal fator que motiva a substituição, além da necessidade de novo revolvimento e preparo do solo, são os danos mecânicos causados por pisoteio, choque e arraste de engradados, cortes no momento da colheita, granizo, animais domésticos e silvestres, entre outros.

Tendências

Apesar do predomínio do mulching preto, observa-se uma tendência na região de gradativa substituição deste pelo mulchingAgroplás de dupla face Preto e Branco (MPB) ou Preto e Prata (MPP), muito comumente utilizados em regiões de clima quente.

Nas condições severas do verão, os mulchingAgroplás de dupla face têm se apresentado mais vantajosos devido ao menor aquecimento em relação ao mulching preto. Nota-se a redução das perdas por queima das folhas, melhor pegamento das mudas e desenvolvimento das plantas, além da economia de água pela menor necessidade de irrigação.

Em alguns casos em que se preza a maior resistência e durabilidade, torna-se interessante o uso do AgroplásEcomulching, que traz consigo o benefício da maior espessura,maior aditivação, promovendo maior resistência e longevidade, além de possibilitar a reciclagem após a utilização adequada.

Essa matéria completa você encontra na edição de maio da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua para leitura integral!

Inicio Revistas Hortifrúti Mulching plástico - A evolução da horticultura