18.1 C
São Paulo
quarta-feira, agosto 10, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Mutação autofértil é opção para produtores de ameixas

Mutação autofértil é opção para produtores de ameixas

Ameixas – Foto: Divulgação

O fruticultor Hermes Coser, de Videira, identificou uma mutação da cultivar de ameixa Letícia que não necessita de polinização cruzada e aparenta ter vantagens significativas em relação ao cultivar original. A nova cultivar está registrada com o nome de Letícia AF (o AF vem de autofértil) e o processo de proteção está em andamento. “No entanto, já deverão existir mudas disponíveis para plantio no próximo ano”, prevê Marco Antonio Dalbó, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Videira.

O produtor que identificou a Letícia AF já instalou um pomar comercial e está produzindo sem nenhum outro cultivar polinizador. A nova cultivar também já foi introduzida na Estação Experimental da Epagri em Videira e está sendo comparada com a Letícia original.

“As plantas são jovens, ainda em crescimento. Porém, já se observa um expressivo pegamento de frutos nas plantas de Letícia AF, ao passo que na Letícia original, isso não ocorreu”, contextualiza Dalbó. Ele explica que a autocompatibilidade, ou seja, a capacidade de se autopolinizar e produzir frutos, traz uma série de vantagens para os produtores. “De cara, elimina-se necessidade de ter de 10 a 15% das plantas do pomar de cultivares polinizadoras, que geralmente não têm valor comercial”, relata.

Vantagem

Dalbó diz que, no caso da Letícia, há uma vantagem ainda maior, que é proporcionar mais estabilidade da produção, por reduzir os efeitos de eventos climáticos desfavoráveis no período de floração. “É muito comum nesse cultivar haver perdas de produção em razão de que o período de floração ocorreu em condições desfavoráveis aos insetos polinizadores, como excesso de chuva ou frio. Também, em função da floração tardia da Letícia, podem ocorrer períodos de calor seco na floração, principalmente em anos sob efeito do evento climático conhecido como ‘La niña’. Nesse caso, o pegamento de frutos é baixo mesmo que as abelhas consigam trabalhar adequadamente”, relata o pesquisador.

Dalbó conta que, embora se tenham poucos anos de observação, a Letícia AF parece ser menos afetada por efeitos climáticos desfavoráveis na floração. “Nas safras 2018/19 e 2019/20, foram comuns as reclamações de baixa frutificação por parte de produtores de Letícia. No caso da Letícia AF, não só a produção foi normal, como houve necessidade de raleio”, descreve o pesquisador.

Ele explica que é provável que a Letícia AF necessite de raleio químico, para diminuir a mão de obra demandada pelo raleio manual. “Para isso, mais alguns estudos são necessários para o estabelecimento de doses. O produtor que identificou a mutação já vem trabalhando nesse sentido”, revela Dalbó.

Segundo o pesquisador, apesar dos poucos anos de observação, ainda não foi possível encontrar outras alterações na Letícia mutante, além da característica de autofertilidade. “Assim, as características de cultivo que são conhecidas para a Letícia original também são aplicáveis para a Letícia AF”.

Aceitação

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Mutação autofértil é opção para produtores de ameixas