23.1 C
São Paulo
quinta-feira, janeiro 27, 2022
- Publicidade -
- Publicidade -
Inicio Revistas Florestas Não deixe que as formigas devorem seu lucro

Não deixe que as formigas devorem seu lucro

Daniele Ukan

Engenheira Florestal, doutora em Entomologia Florestal e Controle de Pragas Florestais e professora da Universidade Estadual do Centro-Oeste

daniukan@yahoo.com.br

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

As formigas cortadeiras do gênero Atta (saúvas) e Acromyrmex (quenquéns) são as mais importantes em cultivos florestais. O ataque realizado por essas formigas pode ocasionar danos em qualquer fase do crescimento ou desenvolvimento da planta, em decorrência de cortes em folhas, flores, brotos e ramos finos, os quais são carregados para o interior de ninhos subterrâneos.

Estima-se que plantas de Eucalyptus spp., quando totalmente desfolhadas até aos seis meses de idade, têm a altura reduzida em aproximadamente 30% e a produção de madeira reduzida em até 60%, em relação às árvores que não sofreram desfolhamentos por insetos.

Portanto, os prejuízos provocados pelas formigas cortadeiras não significa somente gastos com controle, mas também a redução da produtividade, ocasionado pela desfolha das plantas, além de deixar as plantas atacadas menos resistentes e torná-las mais suscetíveis ao ataque de outras pragas e doenças.

Como localizar os formigueiros?

Um sauveiro pode ser localizado no solo em virtude da presença de terra solta em volta do furo de penetração das formigas, que transportam a terra para fora formando um monte de terra solta. Já os ninhos de quenquéns são mais difíceis de identificar, pois formam seus ninhos embaixo de troncos de raízes, folhas e galhos.

Prevenção

Antes de iniciar um plantio florestal o produtor deve fazer uma inspeção da área para verificar a quantidade e quais as espécies de formigueiros presentes, para programar o controle deste inseto-praga.

O método mais eficiente de controle utilizado atualmente são as iscas granuladas, podendo ser compradas a granel ou em embalagens chamadas de MIPI (micro-porta-iscas).

Os MIPIs possuem algumas vantagens em relação ao granel, como: facilidade de distribuição no campo (feita a lanço); não tem necessidade de localizar o formigueiro (possui um atrativo que faz com que a formiga procure a isca); pode ser comprado pronto, dispensando mão de obra e protege as iscas no campo contra chuva.

Porém, apresenta um custo mais elevado que a isca a granel. As moléculas químicas que produzem o efeito desejado no controle das formigas cortadeiras são a Sulfluramida e o Fipronil. A isca, depois de aplicada no campo e carregada pelas formigas para dentro do formigueiro, o tornará inativo em aproximadamente 10 dias.

Indicação: Deve-se aplicar 10 gramas de iscas granuladas para cada m2 de formigueiro de saúva ou 5 gramas de iscas granuladas para cada m2 de formigueiro de quenquém. Este controle com iscas granuladas deve ser realizado antes do plantio, no repasse ou ronda após o plantio das mudas e para efeito de monitoramento da praga durante o desenvolvimento da cultura plantada.

Termonebulização

Em casos emergenciais em que o plantio já foi realizado e notou-se a ocorrência de um formigueiro causando danos às mudas/árvores, pode-se utilizar um termonebulizador, equipamento que aplica uma névoa + o produto químico, que são injetados para dentro do formigueiro.

Iscas

Com as iscas, o controle pode ser sistemático, ou seja, faz-se um levantamento prévio da quantidade de formigueiros presentes na área e a espécie de ocorrência e aplica-se a quantidade de isca com base nesta informação. Durante a aplicação das iscas, quando um formigueiro é identificado, deve-se medir o tamanho do formigueiro (comprimento x largura) e multiplicar estes valores.

Por exemplo, um formigueiro com três metros de largura e dois metros de comprimento apresenta uma área de 6 m2. Se for sauveiro, deve-se aplicar 60 gramas, ou seja, 10 gramas de iscas granuladas para cada m2 de formigueiro de saúva.

Se for quenquenzeiro deve-se aplicar 30 gramas, ou seja 5 gramas de iscas granuladas para cada m2 de formigueiro de quenquém. O ideal é colocar as iscas ao lado dos carreiros de formigas, 30 a 40 cm dos olheiros de forrageamento e de preferência antes das 10h e após as 16h.

Época de controlar

Quando for feita a condução da rebrota, deve-se aplicar a isca com no mínimo 15 dias antes do corte raso, para evitar danos às novas cepas. Quando for área de plantio novo, deve-se preparar o solo, aguardar 15 dias, para que os formigueiros que possam ter sido amuados na atividade de preparo do solo tornem-se visíveis.

Após este período, aplicar a isca e esperar mais 15 dias para fazer o efetivo plantio. Desta forma, a isca já terá surtido efeito sobre os formigueiros. Assim, quando ocorrer o plantio, os formigueiros já estarão inativos (mortos).

No dia seguinte ao plantio, faz-se um repasse (ronda pela área) para avaliar se houve algum corte das mudas e, se necessário, aplica-se mais isca granulada. Não se deve aplicar a isca em dias chuvosos. Portanto, para obter-se um bom controle dos formigueiros, evitando perda das mudas e cepas, deve-se fazer um planejamento das operações florestais.

Inicio Revistas Florestas Não deixe que as formigas devorem seu lucro