25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosNitrato de cálcio e MAP no feijoeiro irrigado

Nitrato de cálcio e MAP no feijoeiro irrigado

Autores

Arnon Higor Leitãoarnonhigorleitao2@gmail.com

Gabriel Antônio Camargo de Moura gacmagronomia@hotmail.com

Graduandos em Engenharia Agronômica – Centro Universitário Sudoeste Paulista (UNIFSP)

Bruno Novaes Menezes MartinsEngenheiro agrônomo, doutor em Horticultura e professor – UNIFSP brunonovaes17@hotmail.com

O maior consumo de água no ciclo do feijoeiro é na fase de floração e enchimento de vagens – Crédito: Luize Hess

A cultura do feijoeiro apresenta grande importância econômica no cenário agrícola brasileiro. Entretanto, as produtividades estão bem abaixo do potencial expresso da cultura. Diante desse panorama, inúmeras tecnologias têm sido desenvolvidas com o intuito de alcançar ganhos expressivos de produtividade, a maior parte direcionada à nutrição mineral e fisiologia vegetal.

O cultivo de feijão irrigado apresenta como vantagens, entre outras, a alta produtividade das lavouras, a redução de riscos, a colocação do produto no mercado em épocas não convencionais, além de possibilitar a produção de sementes de melhor qualidade.

Na implantação da cultura, alguns requisitos devem ser levados em consideração, como clima e solo, fatores esses que podem limitar a produção em determinadas regiões. Locais com temperaturas médias fora da faixa de 18 – 30°C e solos com excesso de umidade são exemplos dessas limitações.

Interferência hídrica

A cultura pode ser afetada tanto pela deficiência hídrica como pelo excesso de água no solo. Todas as fases de desenvolvimento da planta são sensíveis a estes estresses, os quais comprometem o rendimento da lavoura. Vale ressaltar que a planta possui um sistema radicular superficial, sendo considerada, para a irrigação, a profundidade de 60 cm de solo.

O consumo de água da cultura varia com o estádio de desenvolvimento, cultivar e com as condições climáticas locais. Nos Estados de GO, MG, SP, ES e RJ o consumo total de água pela planta varia de 300 a 500 mm por ciclo. O maior consumo diário no ciclo do feijoeiro é na fase de floração e enchimento de vagens, e chega a 6 mm/dia em alguns destes estádios.

No feijoeiro, o momento de fazer a irrigação e a quantidade de água a aplicar devem ser determinados pelo irrigante para melhor manejo. Isto possibilita alcançar melhor rendimento da cultura e, em algumas vezes, diminuir o custo de produção.

Adubação foliar

Além disso, a produtividade da cultura pode ser incrementada com a adubação foliar de nutrientes, que são elementos requeridos em pequena quantidade e, em caso de possível deficiência na cultura, pode limitar a produtividade.

Em trabalhos preliminares realizados na Embrapa Cerrados, Embrapa Arroz e Feijão e fazendas, em parceria com consultores e produtores na região do Cerrado, a adubação foliar com cálcio, nitrogênio e fósforo (nitrato de cálcio e MAP) para a cultura do feijão tem se mostrado bastante promissora. O objetivo principal é a suplementação nos estádios vegetativos e a complementação no estádio reprodutivo.

Nitrato de cálcio

O nitrato de cálcio é a fonte de cálcio mais solúvel e prontamente disponível para as plantas, sendo uma das principais justificativas para o seu uso. Este fertilizante não perde nitrogênio por volatilização da amônia, nem acidifica o solo, pois já é o produto final da transformação do nitrogênio (ureia → amônio NH4 + → nitrato NO3-).

[rml_read_more]

Entretanto, poderá perder nitrogênio por volatilização em condição de falta de oxigênio no solo, onde ocorre saturação hídrica, seja por efeito de chuvas ou irrigação. Essa perda ocorre pelo processo denominado de desnitrificação, no qual o nitrato é reduzido por meio da ação de microrganismos a N2O ou N2, que são gases perdidos para a atmosfera, sendo o primeiro considerado um dos gases responsáveis pelo efeito estufa.

No entanto, a maior fonte de perdas de nitrato (NO3-) é caracterizada pelo processo de lixiviação, devido à maioria dos solos brasileiros apresentarem mais cargas negativas do que cargas positivas. A retenção do NO3- nos solos ocorre por ligação eletrostática, ou seja, carga positiva atrai carga negativa, ou vice-versa.

Caso o balanço de cargas seja negativo, podemos concluir que existem poucas cargas positivas para que o NO3- se ligue, o que irá favorecer a perda por lixiviação. Além disso, o adubo fornece uma quantidade considerável de cálcio, sendo o elemento responsável por diversas funções na planta, dentre elas:

Œ Participa da divisão celular, portanto, apresenta interferência direta no crescimento de meristemas apicais, desenvolvimento de raiz, germinação do grão de pólen e crescimento do tubo polínico.

 É componente estrutural da lamela média, na forma de pectatos de Ca, os quais possuem ação cimentante, unindo firmemente as paredes celulares. Portanto, possui influência na integridade da membrana e proteção do conteúdo celular.

Ž Melhora a nodulação na fixação biológica de N, pois está ligado ao encurvamento do pelo radicular por meio da indução à divisão celular juntamente com o ácido indol-acético na parte superior do pelo radicular, o que faz com que este se curve e facilite a infecção pelas bactérias fixadoras.

MAP

Um dos principais problemas do fósforo nos solos brasileiros é a formação do fósforo não-lábil (não disponível), responsável pela maior parte do fósforo inorgânico do solo. É representado por compostos insolúveis e que só lentamente podem se transformar em fosfatos lábeis.

As plantas absorvem fósforo da solução do solo. Sob esse ponto de vista, o único fósforo imediatamente disponível, a um dado momento, seria aquele em solução. No entanto, os teores de fósforo existentes na solução do solo são, frequentemente, muito baixos.

De qualquer maneira, é bastante claro que deve haver constante reposição do fósforo em solução, o que se dá por meio da dissolução do fosfato lábil, que está em equilíbrio com o fosfato em solução. O fósforo solúvel, de fertilizante ou exposição natural ao tempo, reage com argila, ferro e componentes de alumínio no solo e é convertido em formas menos disponíveis pelo processo de fixação do fósforo.

Em decorrência desse processo de fixação, as plantações raramente absorvem mais de 20% do fósforo do fertilizante durante a primeira estação de plantação após a aplicação. Este fósforo fixo residual permanece na zona de raízes e vai estar disponível de forma lenta para as futuras plantações.

Vários fatores podem influenciar na eficácia do fósforo aplicado ao solo, como o tipo de fertilizante, o método de aplicação, a quantidade, atributos referentes ao solo, como o pH, umidade, teor de argila, teor de cálcio e formas de Fe.

Com base na necessidade requerida pela cultura se estabelece a fonte a ser utilizada. Por exemplo, se há necessidade de aplicação de N para cultura, o MAP (fosfato monoamônico) é uma fonte interessante a ser usada, devido conter (11%) de nitrogênio na sua composição. 

Por outro lado, a aplicação de MAP é mais vantajosa por ter uma concentração de P2O5 elevado, quando comparado à maioria dos outros fertilizantes fosfatados, necessitando de uma menor dose a ser aplicada por área, otimizando a prática operacional. Financeiramente, oferece uma maior concentração do nutriente por um menor valor.

Ressalta-se, ainda, que o fósforo é o nutriente responsável pelo metabolismo da planta, dinâmica energética, constituinte das moléculas de ATP (molécula responsável pela transferência energética dentro da planta) e constituinte também dos fosfolipídeos que compõem a membrana plasmática das células (Taiz; Zeiger, 2006). Diante do exposto, sua aplicação no solo é muito importante para manutenção de altas produtividades da cultura do feijão.

Manejo

O feijoeiro é uma cultura exigente em termos nutricionais e bastante eficiente em absorver e utilizar os nutrientes contidos no solo, principalmente nitrogênio, potássio, cálcio, fósforo e magnésio.

Segundo Rosolem e Marubayashi (1994), a absorção de nitrogênio ocorre praticamente durante todo o ciclo da cultura, mas a época de maior exigência ocorre dos 35 aos 50 dias da emergência da planta, coincidindo com a época do florescimento.

Já a época de maior velocidade de absorção de fósforo está entre 30 até os 55 dias da emergência, ou seja, desde o estádio fisiológico anterior ao aparecimento dos botões florais até o final do florescimento, quando já existem algumas vagens formadas.

 Portanto, com base na análise do solo, recomenda-se a quantidade de fertilizante necessário. O modo mais tradicional da aplicação da adubação é via solo, utilizando adubos sólidos ou em aplicações via fertirrigação. Como a parte aérea das plantas tem a capacidade de absorver água e nutrientes, a prática da adubação foliar se torna viável e eficiente. Caso a planta mostre deficiência após o florescimento, a aplicação via foliar se justificaria.

Resultados reais

A utilização do nitrato de cálcio e MAP tem garantindo ganhos produtivos expressivos para a cultura do feijoeiro da ordem de 15 a 50% na sua produtividade. Muitas experiências demonstram que a adubação de solo é mais lenta, e a adubação foliar, ao contrário, é mais rápida. Em geral, os nutrientes aplicados às folhas são absorvidos com muita rapidez, assim como também são translocados para todas as partes do vegetal.

Os nutrientes disponibilizados atuam de duas formas: a primeira é na suplementação nos estádios vegetativos, promovendo o aumento da absorção do nutriente no solo por meio de estímulos com as adubações foliares, adquirindo maior desenvolvimento das raízes.

A segunda forma de atuação se dá no início do estádio reprodutivo até a maturação, promovendo a diminuição da atividade radicular e a absorção do nutriente, havendo uma grande translocação da folha para a semente na sua formação. Portanto, a adubação via foliar poderá repor os nutrientes nas folhas, mantendo por maior tempo a taxa de fotossíntese, refletindo de forma positiva na produtividade do feijão. 

A velocidade de absorção foliar de nutrientes é variável de nutriente para nutriente. O insucesso da prática não se deve aos problemas relacionados à penetração cuticular e utilização do nutriente pela planta, mas sim às quantidades que devem ser aplicadas, o que inviabiliza o processo. As aplicações foliares devem ser realizadas com muito cuidado para evitar injúrias, de modo que o nutriente seja bem aproveitado pela planta.

Devem ser evitadas as aspersões grosseiras que formam gotículas grandes, de modo que não ocorra escorrimento da solução, desperdiçando nutrientes e promovendo a lavagem que retira os nutrientes das folhas. Portanto, as pulverizações devem ser uniformes, em pequenas gotículas, garantindo um melhor recobrimento.

Uma das estratégias que se pode utilizar é o equipamento correto, como o uso de bicos que apresentam um pequeno espectro de gotas, permitindo um bom recobrimento da superfície foliar, evitando assim o escorrimento que, além da perda do produto, pode causar fitotoxidez.

Aplicação de doses erradas de fertilizantes

Provavelmente, este erro é um dos mais periódicos e costuma ocorrer tanto no excesso quanto na falta, que certamente causarão problemas ao desenvolvimento da cultura. É preciso ressaltar que, na planta, existem três tipos de interações entre os nutrientes: antagonismo (efeito negativo), inibição (efeito negativo) e sinergismo (efeito positivo).

O antagonismo pode ocorrer pela presença de um nutriente que diminui a absorção de outro, gerando prejuízo à planta, enquanto, a inibição ocorre quando a presença de um nutriente em excesso diminui (inibe) a absorção de outro. Já o sinergismo representa a presença de um elemento químico que favorece a absorção de um outro, proporcionando efeito benéfico para a planta.

Por isso, por muitas vezes o produtor aplica mais fertilizante que o necessário em busca de maior produção, mas o excesso de alguns nutrientes pode diminuir a absorção de outro, que inclusive já pode estar presente no solo.

Além disso, o uso em excesso de adubos, principalmente com N, P e K e o uso indiscriminado de corretivos de acidez acarretam prejuízos à cultura, que muitas vezes passam despercebidos, como o aumento de doenças foliares, estresse salino que afeta a produtividade, perda de nutrientes no solo por lixiviação e o desbalanço de nutrientes, gerando problemas fisiológicos e nutricionais.

Aplicar fertilizantes sem se preocupar com a fase da cultura

Em muitos sistemas de produção são aplicadas as mesmas fórmulas de fertilizantes nos diferentes estádios de desenvolvimento da cultura, sem nenhuma preocupação com as necessidades específicas da planta.

A exigência nutricional da cultura varia ao longo do ciclo, intensificando-se no florescimento, seguida pela formação e crescimento dos frutos. O conhecimento da marcha de absorção de nutrientes pelas culturas pode fornecer subsídios para uma aplicação racional de fertilizantes, implicando na redução dos custos de produção e melhor aproveitamento dos fertilizantes pela planta, podendo gerar também aumento de produtividade.

Além disso, com o uso da marcha de absorção evita-se uma possível deficiência ou consumo de luxo de algum nutriente pela planta. Portanto, é importante sabermos que cada fase de desenvolvimento da planta precisa de um conjunto de nutrientes em específico.

Custo-benefício

O custo da técnica dependerá da fonte a ser empregada e da quantidade necessária para suprir a exigência nutricional da cultura, levando-se em conta as perdas no ambiente de cultivo. Dentre as áreas que o produtor tende a economizar está a adubação – quando isso não é feito com critérios rigorosos, resulta em queda na produtividade, o que leva ao aumento no custo de produção. 

Neste sentido, pode-se utilizar como complemento o material orgânico disponível nas proximidades da área de produção, tanto de origem vegetal como animal.

ARTIGOS RELACIONADOS

Brix e alta produtividade

Autores Herika Paula Pessoa herika.paula@ufv.br Françoise Dalprá Dariva fran_dariva@hotmail.com Engenheiras agrônomas, mestras e doutorandas em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV) Ronaldo...

Adubação verde beneficia viticultura em solos arenosos

Givago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com A viticultura constitui uma atividade altamente rentável e que vem ganhando significativa...

Oxiquímica oferece proteção e nutrição de plantas

A Oxiquímica é uma empresa de proteção e nutrição de plantas e esteve presente no 42º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras especialmente para fazer...

Vitrines Tecnológicas reúnem as últimas novidades para a lavoura arrozeira

Vinte e oito estações de 16 empresas e instituições estarão mostrando seu trabalho na Abertura Oficial da Colheita do Arroz no mês de fevereiro...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!