29.3 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosNitrogênio líquido de liberação lenta mostra maior eficiência

Nitrogênio líquido de liberação lenta mostra maior eficiência

 

 

Diego Henriques Santos

Engenheiro agrônomo da CODASP – Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo/Regional Noroeste

dihens@bol.com.br

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

O milho é considerado uma das principais espécies cultivadas no País, visto que, anualmente, são cultivados cerca de 15 milhões de hectares, os quais contribuem para a produção de mais de 80 milhões de toneladas do grão.

O nitrogênio é um dos nutrientes que apresentam os efeitos mais expressivos no aumento da produção, com grande importância como constituinte de moléculas de proteínas, enzimas, coenzimas, ácidos nucleicos e citocromos, além de sua importante função como integrante da molécula de clorofila.

A forma de aplicação do nitrogênio pode influenciar o seu aproveitamento pelas plantas. A aplicação de ureia a lanço sobre o solo, por exemplo, que é a forma comumente usada pelos produtores devido à maior facilidade de aplicação e ao rendimento operacional, pode resultar em grandes perdas de nitrogênio, por volatilização e danos foliares, bem como imobilização do nitrogênio mineral pelos microrganismos quimiorganotróficos, para a decomposição dos resíduos vegetais presentes no solo.

Já o nitrogênio líquido de liberação lenta apresenta vantagens como economia, praticidade e rendimento. Este evita requeima e as folhas se mantêm sadias. Há, ainda, vantagens na otimização das operações agrícolas, já que a aplicação do nitrogênio líquido pode ser realizada junto com outros defensivos. Isso significa que não é necessário criar uma nova operação com máquinas e implementos pesados na lavoura, que acarretam em mais horas de trabalho, maior consumo de óleo diesel e maior compactação do solo.

Na hora certa

Os adubos nitrogenados líquidos devem ser pulverizados no momento de maior demanda do milho - Crédito Shutterstock
Os adubos nitrogenados líquidos devem ser pulverizados no momento de maior demanda do milho – Crédito Shutterstock

Os adubos nitrogenados líquidos devem ser pulverizados no momento de maior demanda do milho, do estádio V10 até o estádio de pré-pendoamento.

Produtores de milho safrinha no Estado de São Paulo estão relatando bons resultados obtidos com o uso de adubos líquidos à base de nitrogênio. Por estar na forma líquida e em composição, que faz o nutriente se fixar nas folhas, a liberação do nitrogênio é gradativa.

Dentro da planta, aproximadamente 70% é prontamente disponível, enquanto os 30% estão em moléculas maiores que vão sendo disponibilizadas para as plantas gradativamente, proporcionando ganhos de 15 a 30%.

Dosagem recomendada

O produto pode ser aplicado por meio de pulverizações foliares. A dosagem depende do produto comercial, devendo ser consultado o rótulo e as indicações do produto. No geral, variam de três a cinco litros por hectare, com duas a três aplicações durante o desenvolvimento vegetativo e pré-pendoamento.

Um engenheiro agrônomo ou técnico responsável deve sempre ser consultado para melhor aproveitamento do potencial dos produtos.

Investimento x retorno

Em função da redução do trânsito de máquinas na área, com economia de combustível, redução da mão deobra em relação à aplicação tradicional, redução dos custos com estrutura de armazenamento para fertilizantes e de perdas por lixiviação e volatilização, os adubos líquidos de liberação lenta à base de nitrogênio possuem excelente relação custo-benefício.

Essa matéria você encontra na edição de janeiro 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Milho safrinha deve sofrer pressão de insetos no outono 

Por Leandro Valerim, engenheiro agrônomo, mestre em fitotecnia pela Universidade de São Paulo (USP) e gerente de inseticidas da UPL Brasil. 

Cálcio favorece enchimento do abacate?

AutoresMarcela Caetano Lopes Bióloga e doutoranda em Agronomia/Horticultura – UNESP/Botucatu macaetano20@hotmail.com Saulo Strazeio Cardoso Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia/Produção Vegetal – FCAV/UNESP/Jaboticabal e professor...

Tudo que a floresta produz

As florestas plantadas ocupam uma área de 10 milhões de hectares (IBGE). O Brasil lidera o ranking global de produtividade florestal, com uma média de 35,7 m³/ha/ ano para os plantios de eucalipto e 30,5 m³/ha/ano de pinus (Indústria Brasileira de Árvores, 2016).

Inoculação beneficia cultura atual e subsequente

Solon Cordeiro de Araujo Engenheiro agrônomo, consultor da Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII) solon@scaconsultoria.com.br   Desde longa data, mais precisamente desde os tempos da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!