24.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosNova cultivar de pessegueiro disponibiliza frutos fora de época

Nova cultivar de pessegueiro disponibiliza frutos fora de época

Com seu período de colheita estendido, garantindo frutas frescas para as festas de fim de ano, e seu delicioso sabor doce, essa variedade promete encantar produtores e consumidores. Saiba mais sobre suas características e vantagens!

Fotos: Francisco Lima

Maria do Carmo Bassols Raseira
Melhorista genética – Embrapa Clima Temperado, Pelotas/RS
clima-temperado.imprensa@embrapa.br

A nova cultivar de pêssegor, BRS Sarau, produz após as cultivares BRS Fascínio e PS tardio. A primeira, BRS Fascinio, é, talvez, a mais plantada no sudeste e a última, a mais plantada na Serra Gaúcha. Assim, BRS Sarau estende o período de safra.

Sua colheita praticamente, coincide com a colheita da antiga cultivar Chiripá que, por ter maior necessidade em frio hibernal, apresenta uma adaptação marginal às condições climáticas atuais e tem problemas de secamento de ramos e, por essas razões, deixou de ser plantada.

BRS Sarau inicia a colheita, geralmente, em meados de dezembro (estendendo-se por 15 dias), o que garante pêssegos frescos para as festas de fim de ano. Além disso, seu sabor doce e o fato de ter caroço solto aumentam sua aceitação pelo consumidor.

Características

As frutas são arredondadas, sem ponta e com sutura quase no plano. A epiderme (casca) tem cor creme esverdeada, com cerca de 40% da área coberta de vermelho claro. A polpa é branca, solta do caroço e com bastante vermelho ao redor do mesmo. O sabor é doce, com baixa acidez e leve adstringência.

A produtividade média da cultivar BRS Sarau está entre 20 e 30 t/ha, podendo ser maior, dependendo da região de cultivo e do manejo do pomar. Um outro ponto importante é a consistência de produção através dos anos, ou seja, não se constatou nenhum ano de frustração de safra.

Adaptação

Fotos: Francisco Lima

A cultivar BRS Sarau tem mostrado ampla faixa de adaptação, desde o sul do RS à Serra da Mantiqueira. Foi testada em Pelotas, Pinto Bandeira, RS; em Canoinhas, Videira e Petrolândia (SC); Araucária (PR); Atibaia, Jarinu e Pilar do Sul (SP), Barbacena (MG) e Venda Nova do Imigrante (ES).

Entretanto, salienta-se que deve ser evitado o plantio em topo de morros e montanhas e deve ser utilizada alguma forma de proteção contra vento (quebra-vento natural ou implantado), pois BRS Sarau é moderadamente suscetível à bacteriose (Xanthomonas arborícola pv. pruni).

Vale a pena?

As vantagens dessa cultivar para o produtor são sua alta produtividade, consistência de produção e época de colheita.

Para o consumidor, além da época de colheita no fim de ano, tem a vantagem de produzir frutas doces, com baixa acidez e com caroço solto.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivares de gergelim

Para cada real investido pelo Governo Federal, a Embrapa devolveu à sociedade ...

Embrapa apresenta Boletim com orientações sobre o raleio químico da macieira

A partir de hoje, 28 de setembro, técnicos e produtores poderão contar com uma nova ferramenta para a tomada de decisão em seus pomares, o Boletim sobre o Raleio Químico da Macieira.

Consórcio antiferrugem anuncia fungicidas mais eficientes

FUSÃO EC, da IHARA, lidera ranking de performance no combate à ferrugem asiática da soja em testes realizados por rede independente em todo o país.

Citricultura terá mapeamento de estoques de carbono

Pesquisa inédita estimará os estoques de carbono em mais de 600 mil hectares de pomares de citros e de vegetação nativa em propriedades brasileiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!