21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiNova técnica visa combater doença do maracujá

Nova técnica visa combater doença do maracujá

Autores

Gabriella Queiroz de Almeida
Engenheira agrônoma e doutoranda em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV)
gabriellaqueirozalmeida@hotmail.com
Ronaldo Machado Junior
Engenheiro agrônomo, mestre em Fitotecnia e doutorando em Genética e Melhoramento – UFV ronaldo.juniior@ufv.br
Crédito Addolorata Colariccio

O vírus do mosaico do caupi é a doença que mais preocupa os produtores de maracujá no Brasil. A técnica mais recomendada é a erradicação sistemática das plantas com sintomas, que deve ser feita durante toda a produção, por todos os produtores, em escala regional. Para essa técnica funcionar corretamente a inspeção da plantação deve ocorrer semanalmente.

Pesquisas realizadas para comparar a eficiência da erradicação aos sistemas convencionais encontraram que: em plantios sem erradicação o vírus tomou conta de todas as plantas em 120 dias, enquanto em plantios com erradicação, após 180 dias, apenas 8% estavam infectadas e obviamente foram erradicadas.

Associado a essa técnica da erradicação, pode-se pegar um ponto muito positivo da técnica do IAPAR, que é o uso de mudas comprovadamente saudáveis. 

Nova técnica

O Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) lançou um boletim técnico que mostra uma nova técnica para o cultivo de maracujá-amarelo, desenvolvida com o objetivo de viabilizar a produção em áreas onde ocorre o vírus do mosaico do caupi (CABMV).

A recomendação é o plantio das mudas após o risco de geadas, entre a segunda quinzena de agosto e a primeira de setembro. O período de colheita ocorre entre os meses de janeiro a julho. Após a colheita, todas as plantas são eliminadas para um período de vazio sanitário, no mês de agosto.

O objetivo dessa estratégia é reduzir a incidência do vírus nos primeiros meses após a implantação do pomar. O novo modelo ainda utiliza mudas maiores, com cerca de dois metros, que são produzidas de março a agosto em ambiente protegido (telado) para evitar a presença dos pulgões – vetores que transmitem a doença – e a consequente contaminação pelo vírus.

Sintomas e prejuízos

Os sintomas de CABMV são observados inicialmente nas extremidades dos ramos em crescimento. Nas folhas, eles são caracterizados pela presença de mosaico, às vezes acompanhado de bolhas, enrugamento e deformação do limbo.

As plantas têm seu crescimento prejudicado, com encurtamento de entrenós dos ramos e drástica redução da produção de frutos. Os frutos ficam endurecidos, de menor tamanho, deformados, com aumento da espessura do albedo (parte branca interna da casca) e baixo rendimento em polpa, tornando-se impróprios para comercialização.

As plantas doentes de maracujá servem como fonte do vírus, que é transportado pela saliva do pulgão e, em poucos meses, toma conta de toda a plantação. Como o inseto não coloniza as plantas, apenas passa por elas, o uso de inseticidas não é eficiente para o controle.

O inseticida afeta o sistema nervoso do pulgão, mas demora horas para matá-lo. Quando atingido, o inseto é estimulado a se alimentar de mais plantas, espalhando o vírus mais rápido. Logo, ao invés de combater o vetor, o inseticida estimula a propagação do vírus.

Assim, pomares antigos e abandonados devem ser eliminados, assim como variedades selvagens de maracujá e outras plantas hospedeiras.

ARTIGOS RELACIONADOS

Produtores do Hortifruti Legal escolhem o repolho como renda extra e driblam crise econômica

  Experiência foi feita por quatro agricultores familiares de Paranaíba que conseguiram colher quatro toneladas no primeiro plantio   Enquanto a atual conjuntura econômica compromete o orçamento...

Microaspersão – Soluções para a crise hídrica

As mangueiras Santeno são planas, feitas com polietileno linear perfuradas a raio laser (maior precisão) para garantir a uniformidade dos emissores e a eficiência...

Beauveria + neem controlam pulgão e mosca-branca

Richard Ian Samuels Doutor e professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Campos dos Goytacazes (RJ) richardiansamuels@gmail.com Thalles Cardoso Mattoso Doutor e pesquisador da UENF   O fungo...

Fertilizantes organominerais – Mitos e verdades

De acordo com a Instrução Normativa nº 25, de 23 de julho de 2009, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), fertilizante organomineral é a mistura física ou combinação de fertilizantes minerais e orgânicos. Os fertilizantes organominerais devem respeitar especificações e garantias exigidas pelo MAPA, sendo que para produtos sólidos são estabelecidos os seguintes parâmetros: mínimo de 8% de carbono orgânico, máximo de 30% de umidade, capacidade de troca de cátions (CTC) mínima de 80 mmolc kg-1 e no mínimo 10% de macronutrientes declarados para os produtos com macronutrientes primários.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!