18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Novas cultivares de soja da Embrapa para o Centro-Norte

Novas cultivares de soja da Embrapa para o Centro-Norte

Soja – Foto: Fabiano Bastos

Uma nova cultivar de soja convencional (BRS 7582) e três novas transgênicas (BRS 7080IPRO, BRS 7482RR e BRS 8383IPRO) já podem ser utilizadas pelos produtores na próxima safra. As variedades apresentam elevado potencial produtivo, estabilidade de produção, ampla adaptabilidade e indicação para regiões produtoras do Brasil Central, incluindo Mato Grosso e o MATOPIBA, proporcionando rentabilidade para o produtor e sustentabilidade aos sistemas de produção.

Os materiais genéticos são, ainda, os primeiros selecionados em sistemas que utilizam bioinsumos e remineralizadores de solo. As cultivares foram lançadas pela Embrapa Cerrados (DF) e pela Embrapa Soja (Londrina, PR) em novembro do ano passado, em evento on-line transmitido pelo Canal da Embrapa no YouTube (assista aqui).

As sementes podem ser adquiridas junto a empresas sementeiras integrantes da Fundação Cerrados (61-99649-6967 / 3387-9219 / 3387-4175) e da Fundação Bahia (77-99822-8593), que já contam com as sementes básicas para multiplicação.

Sebastião Pedro, chefe geral da Embrapa Cerrados, destacou que o melhoramento genético é um trabalho de longo prazo, em que as variedades são desenvolvidas considerando as demandas de solo, de clima, de estresses bióticos e abióticos e, principalmente, de mercado, para o alcance da sustentabilidade no ponto futuro.

“E este é o ponto futuro para quatro materiais cuja genética começou a ser desenvolvida oito anos atrás, na Embrapa Soja, através de cruzamentos, continuou em Santo Antônio de Goiás (GO) e, depois, em 45 pontos em todo o Bioma Cerrado pela equipe da Embrapa Cerrados e as fundações parceiras – Fundação Cerrados e Fundação Bahia”, afirmou. 

Alexandre Nepomuceno, chefe geral da Embrapa Soja, agradeceu à histórica parceria com a Embrapa Cerrados, a Fundação Cerrados e a Fundação Bahia para o desenvolvimento das cultivares para o Brasil. Ele lembrou que o País é líder mundial na produção de soja, principal fonte de proteína barata.

“É estratégico, não só para o Brasil, mas para o planeta, mantermos os níveis de produção e conseguirmos produzir cada vez mais nos mesmos locais. E aí vem a importância das parcerias da pesquisa pública com o setor privado”, disse, salientando a necessidade de desenvolvimento de materiais mais eficientes no uso da água e no aproveitamento dos insumos.

Em depoimento gravado, Luiz Fiorese, presidente da Fundação Cerrados, lembrou que a Embrapa é a única empresa que ainda desenvolve variedades de soja convencional. “O País está evoluindo econômica e socialmente com as tecnologias e soluções que a Embrapa tem trazido para a toda a sociedade”, disse, agradecendo pela parceria e aos associados da fundação, que vão multiplicar e disponibilizar as sementes aos produtores.

Zirlene Pinheiro, presidente da Fundação Bahia, ressaltou que as pesquisas da Embrapa, da qual a entidade é parceira há mais de 20 anos, atendem aos anseios dos produtores de soja, com ganhos em produtividade, e que a Empresa busca resultados para enfrentar desafios como questões climáticas, nematoides, pragas e doenças.

“Temos grande orgulho de ter a Embrapa como principal parceira intelectual e de poder contribuir para o desenvolvimento da BRS 8383IPRO. Juntos, desenvolvemos outras variedades que têm nos atendido comercialmente aqui no Oeste da Bahia e em todo o MATOPIBA e que são destaque nos nossos ensaios em rede”.

Variedades resistentes ao estresse hídrico e adaptadas insumos regionais

“Nosso maior desafio é garantir a sustentabilidade do agricultor da porteira para dentro e contribuir com a sociedade brasileira, gerando divisas. Isso tudo por meio da ciência e do melhoramento genético”, afirmou Sebastião Pedro. Também pesquisador em melhoramento genético de soja, o chefe geral da Embrapa Cerrados apresentou as características das novas cultivares, que têm em comum eficiência fisiológica, estabilidade de produção, sanidade, resistência aos nematoides de galhas (Meloidogyne javanica e M. incognita) e de cisto (Heterodera glycines) e resistência à seca e a altas temperaturas.

Testada nas macrorregiões sojícolas 3 e 4 (Centro-Oeste, Rondônia, Minas Gerais, Sul de Tocantins e Oeste da Bahia), a cultivar convencional BRS 7582 apresenta ciclo de 103 a 113 dias, sendo considerada precoce, o que permite a safrinha de algodão no Mato Grosso e de milho no Planalto Central.

Nos ensaios de competição, foi vitoriosa em 62% das vezes, apresentando média de produtividade 5,7% acima dos padrões. De boa sanidade foliar, tem resistência ao acamamento, altura média de planta de 80 cm e é responsiva à fertilidade do solo.

Com ciclo superprecoce – de 95 dias no Oeste da Bahia a 105 dias –, a BRS 7080IPRO é tolerante ao nematoide de galhas M. javanica. Pode ser plantada com densidade de plantas mais elevada para aproveitamento da fertilidade disponível. Obteve vitória em 59% dos ensaios de competição, com produtividade 4,8% superior à média dos padrões.

Já a cultivar BRS 7482RR foi selecionada em condição de estresse hídrico no Oeste baiano e apresenta elevado teto produtivo. O ciclo varia de 102 a 114 dias. Alia os benefícios da tecnologia Roundup Ready® (RR) à resistência ao nematoide de cisto (H. glycines) raças 1 e 3. Pode ser usada no plantio de áreas de refúgio para a tecnologia Bt (composta pela inserção de genes da bactéria Bacillus thuringiensis, que produz uma proteína tóxica para alguns insetos). 

Por ser do grupo de maturidade 7.4, desenvolve-se bem em todas as áreas de produção das macrorregiões sojícolas 3 e 4, sendo relativamente precoce no Oeste da Bahia e no Mato Grosso. E como pode ser plantada de modo antecipado em setembro, permite a segunda safra.

Além disso, tem alta resistência ao estresse hídrico (quando a planta demanda mais água que a quantidade disponível). Nos ensaios de competição, obteve 70% de vitórias, com produtividade 7,3% acima da média dos padrões. Na safra 2020/21, em áreas de Goiás, Distrito Federal e Oeste da Bahia, obteve rendimento diário médio de 43 kg/ha/dia, de acordo com dados de empresas de consultoria.

Também selecionada em condição de estresse hídrico, a BRS 8383IPRO é uma variedade de ciclo médio (108 a 135 dias) com alto teto produtivo (potencial acima de 5 mil kg/ha nas regiões de adaptação) e estabilidade de produção mesmo em condições de seca e elevadas temperaturas, demonstrando grande rusticidade.

A resistência ao M. incognita é uma característica estratégica no Oeste da Bahia e no Mato Grosso, regiões onde o sistema produtivo normalmente envolve a cultura do algodão, que também é afetada pelo nematoide das galhas M. incognita. Nos ensaios de competição, obteve 69% de vitórias, tendo sido 3,9% mais produtiva que a média dos padrões. De acordo com empresas de consultoria do Oeste da Bahia, obteve rendimento diário médio de 42 kg/ha/dia nas médias dos ensaios conduzidos pela Embrapa e parceiros na safra 2020/21.

Sebastião Pedro lembrou que um grande desafio na região é o estresse hídrico, fator que mais retira produtividade das lavouras. “No nosso programa de melhoramento genético, testamos na Embrapa Cerrados todos os materiais com metodologias que nos permitem diagnosticar a resistência ao estresse hídrico”, informou o chefe geral, acrescentando que as quatro novas cultivares foram aprovadas nesses testes com grau satisfatório, garantindo a produtividade nessa condição adversa.

Ele informou que as novas cultivares são as primeiras selecionadas em ambientes tratados com novos insumos agrícolas, como remineralizadores de solos e bioinsumos, tecnologias que têm sido desenvolvidas pela Embrapa, respectivamente, para melhorar a eficiência das plantas no uso dos fertilizantes e no controle de pragas e doenças, além de diminuírem a dependência tecnológica do Brasil em relação a insumos sintéticos importados. 

“Gerenciar os custos é um grande desafio para o agricultor hoje. Esses quatro novos materiais foram submetidos à produção utilizando bioinsumos e remineralizadores de solo, garantindo um custo em torno de 20% a 30% menor. Então, eles já saem adaptados a essas tecnologias, que são cada vez mais adotadas pelos agricultores”, explicou.

Aproveitar a oferta ambiental do Bioma Cerrado, que tem períodos de seca e de chuva bem definidos, é outro importante desafios dos produtores. As quatro cultivares foram avaliadas quanto à eficiência (medida pela produção diária) por kg/ha/dia, visando ao melhor aproveitamento das condições ambientais. A ideia é que, além de soja, uma mesma área possa produzir uma segunda safra de algodão ou de milho e uma terceira safra com forrageiras para alimentar o gado e formar biomassa suficiente para a realização do plantio direto na palha.

Desenvolvimento inicial dos materiais genéticos

O pesquisador Carlos Arrabal Arias, da Embrapa Soja, fez uma apresentação sobre os recursos genéticos e as bases tecnológicas do programa nacional de melhoramento genético de soja da Embrapa, do qual é líder. Ele explicou o funcionamento do programa, abordando a estrutura, os projetos componentes, a equipe e a infraestrutura.

A produtividade e a estabilidade, não só para a cultura da soja, mas para todo o sistema de produção, são os principais objetivos gerais do programa, que também busca ciclo adequado, tipo de planta adequado, resistência às doenças e aos nematoides e resistência a insetos-pragas. Entre os diversos objetivos específicos, está a obtenção de materiais com alto teor de proteína e qualidade e quantidade do óleo. 

“O melhorista busca variedades BRS com plantas compactas, com entrenós curtos e grande capacidade produtiva. E uma estrutura de planta mais arejada, com folhas mais estreitas, o que vai ajudar a reduzir os problemas fitossanitários e facilitar o controle químico quando ele for necessário”, completou Arias.

Como base para o melhoramento genético, a Embrapa conta com o maior Banco Ativo de Germoplasma (BAG) em variabilidade genética de soja do mundo, com mais de 55 mil acessos convencionais e transgênicos. Em vídeo apresentado no evento, o pesquisador Marcelo de Oliveira, curador do BAG, localizado na Embrapa Soja, mostra o trabalho de conservação da diversidade genética da soja.

Arias falou sobre as plataformas de melhoramento genético da soja em andamento na Embrapa – soja convencional (desde 1973), Roundup Ready® (desde 1997), Intacta RR2 PRO® (desde 2010), Roundup Ready 2 Xtend (desde 2018) e Intacta 2 Xtend (desde 2018) –, bem como as demandas atuais e futuras, como resistência a doenças e tolerância a pragas, a nematoides, à seca e a altas temperaturas; teor de proteína acima de 39%; alto teor oleico e baixo teor linolênico.

Ferramentas de biotecnologia têm sido associadas a técnicas de melhoramento genético clássico nas plataformas de melhoramento genético da Embrapa. A pesquisadora Francismar Marcelino-Guimarães, da Embrapa Soja, explica em vídeo o trabalho do laboratório de genética molecular e seleção assistida e a contribuição das estratégias moleculares para acelerar o desenvolvimento das cultivares e para a qualidade genética dos materiais.

Entre 2015 e 2020, a Embrapa e parceiros lançaram 50 cultivares de soja, sendo 16 convencionais, 22 RR e 12 IPRO. Todas apresentam resistências obrigatórias a doenças (cancro da haste, mancha olho-de-rã, pústula bacteriana e podridão radicular fitóftora). Arias destacou variedades que agregam outras características desejáveis, como resistência à ferrugem asiática (tecnologia Shield), tolerância aos percevejos (tecnologia Block), alta produtividade e estabilidade, além de resistência a nematoides. 

Como perspectiva futura para o programa de melhoramento genético de soja da Embrapa, o pesquisador citou a parceria com a empresa Alvaz Agritech para fenotipagem em larga escala.

Seleção e avanço de geração no campo

Após o desenvolvimento inicial na Embrapa Soja, as variedades indicadas para o Centro-Norte do Brasil são testadas em diversos pontos antes de serem disponibilizadas ao setor produtivo. Líder do projeto de melhoramento genético de soja da Embrapa para a região, o pesquisador André Ferreira, da Embrapa Cerrados, fez uma apresentação sobre o trabalho, focado na busca de cultivares adaptadas e com altas produtividades, conforme as demandas do setor produtivo.

“Há uma certa estagnação da produtividade média da soja. Temos o desafio de aumentar produtividade e área em função da demanda mundial dessa proteína. Os novos desafios vão surgindo e o nosso papel é trazer variedades que tragam resistências múltiplas a doenças, aos nematoides e aos insetos-praga”, afirmou Ferreira, acrescentando o desafio de trabalhar com novas biotecnologias como a Roundup Ready 2 Xtend e a Intacta 2 Xtend.

Ele apontou que ainda há um número limitado de cultivares com resistências múltiplas a pragas e doenças e adaptadas às condições edafoclimáticas do Centro-Norte brasileiro. Além disso, os crescentes problemas fitossanitários com pragas (sobretudo nematoides, percevejos e lagartas), doenças (principalmente a ferrugem asiática) e plantas daninhas colocam em risco a sustentabilidade da cadeia produtiva nacional de soja.

Para a obtenção de variedades superiores, são observados a variabilidade genética, o número de progênies avaliados, a qualidade da pesquisa, a capacidade e a abrangência dos testes e a equipe de pesquisa. “Além do conhecimento, o trabalho envolve uma certa arte na observação das cultivares linhagens que têm características importantes e serão futuras cultivares”, explicou o pesquisador.

Ao mostrar o esquema em funil do melhoramento genético, ele acrescentou que todos os testes são feitos para garantir que um determinado material é distinguível, homogêneo, estável, tem características importantes nas macrorregiões sojícolas onde se pretende lançá-lo.

Diversos centros de pesquisa – Embrapa Roraima, Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Meio-Norte, Embrapa Amapá, Embrapa Amazônia Oriental, Embrapa Rondônia e Embrapa Cocais – no Centro-Norte do Brasil atuam em conjunto com a Embrapa Cerrados e a Embrapa Soja nos 45 pontos de testes na região, além das fundações e dos produtores, que encaminham as demandas à pesquisa.

“É importante que tenhamos essa conversa direta com o produtor para que o planejamento dos cruzamentos seja sólido e em função das necessidades que ele apresenta agora, para que possamos assim lançar cultivares com segurança e alta qualidade”, comentou Ferreira.

O pesquisador anunciou que algumas variedades com a tecnologia Shield serão lançadas em 2022. “O produtor deixará de fazer talvez uma a duas entradas (com fungicida) na área. Isso significa redução de custo na produção de soja. É uma tecnologia prioritária na Embrapa e temos nos dedicado a isso”, afirmou. Também apontou que algumas linhagens com a tecnologia Block, que confere tolerância aos percevejos, estão sendo testadas, e que possivelmente alguma variedade poderá ser lançada para o Centro-Norte no próximo ano.

Ferreira também abordou a instalação dos ensaios, os testes de progênies e os ensaios de valor de cultivo e uso (ou finais) realizados tanto na Embrapa como em fazendas de produtores parceiros, seguindo o manejo adotado nas propriedades nas regiões produtoras.

As ações locais de pesquisa, seleção e recombinação gênica baseadas nas condições dos diferentes ambientes de produção de soja do Centro-Norte foram apresentadas em depoimentos gravados pelos pesquisadores da Embrapa Soja Odilon de Mello e Roberto Zito (Goiás); pelo técnico da Nilton Almeida (Planalto Central) e pelo pesquisador Geraldo Carneiro (MATOPIBA), ambos da Embrapa Cerrados; e pelo pesquisador da Embrapa Roraima (Boa Vista, RR), Vicente Gianluppi (Cerrado de Roraima). No encerramento do evento, o chefe geral da Embrapa Cerrados destacou a importância da conexão da Embrapa com o agricultor brasileiro tanto na percepção das demandas como na busca de soluções tecnológicas. “Falamos como pesquisadores, com base em números e dados da pesquisa científica. Mas o mais importante é o agricultor plantar os materiais e observar por ele mesmo o resultado, as soluções que eles trazem da porteira para dentro e, depois, da porteira para fora, na economia brasileira”, finalizou Sebastião Pedro.

Inicio Revistas Grãos Novas cultivares de soja da Embrapa para o Centro-Norte