26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosNovidade - Cultivares de sojas resistentes a nematoides

Novidade – Cultivares de sojas resistentes a nematoides

Lavoura de soja - Crédito Shutterstock
Lavoura de soja – Crédito Shutterstock

A Embrapa Cerrados e a Fundação Bahia lançaram cultivares de soja BRS 7980, BRS 8180RR e BRS 8280RR. Adaptados para o oeste baiano e outras regiões agrícolas do cerrado, os novos materiais aliam múltiplas resistências a nematoides com alto potencial de produtividade, além de poderem ser utilizados em áreas de refúgio para a soja Bt.

Representante da chefia da Embrapa Cerrados, o supervisor de Implementação da Programação de Transferência de Tecnologia da Unidade, Sérgio Abud, observou que o fortalecimento da parceria com a Fundação tem viabilizado o portfólio de materiais de ciclos superprecoce a médio, que atendem de São Paulo ao Norte do país. “Hoje, conseguimos oferecer ao oeste da Bahia três variedades resistentes a nematoide de galha, com ampla adaptabilidade às regiões de cerrado e alta estabilidade“, diz.

Refúgio

Sérgio Abud também falou sobre a possibilidade de uso dos cultivares para o refúgio estruturado em lavouras de soja Bt. “A área de refúgio é muito importante para a produção de mariposas não resistentes à tecnologia Bt. Essas variedades possibilitam o refúgio, fazendo com que essa tecnologia se mantenha por um período maior, garantindo a sustentabilidade dos sistemas produtivos“, expõe.

Materiais

O pesquisador André Pereira, da Embrapa Cerrados, falou sobre a preocupação que o setor produtivo deve ter com os problemas fitossanitários, a exemplo dos nematoides que atacam as culturas agrícolas. “A questão dos fitonematoides aumentou com a expansão da soja. É um problema silencioso, mas que tira o sono do produtor“, aponta, lembrando que a soja e o milho são componentes de sistemas de produção do algodão, importante para o oeste da Bahia.

Segundo o pesquisador, o único caminho para enfrentar o problema é o desenvolvimento, por meio do melhoramento genético, de materiais resistentes e tolerantes. O cultivar BRS 8180RR tem ciclo de 107 a 136 dias e apresenta resistência aos nematoides de galha Meloidogyne incognita e a Meloidogyne javanica. Possibilita safrinha no Mato Grosso, sendo tolerante ao vírus da necrose da haste e à chuva na colheita. Na Passarela da Soja 2014, obteve produtividade média de 74,8 sacas/hectare. O material pode ser utilizado no refúgio para materiais Bt do grupo de maturidade 8.1.

Com ciclo de 108 a 126 dias, o cultivar BRS 8280RR apresentou produtividade média de 65,6 sacas/hectare na última Passarela da Soja. Também resistente a M. javanica e a M. incognita, pode ser inserido no refúgio para materiais Bt dos grupos de maturidade 8.2 e 8.3.

Mas o material destacado por Pereira é o cultivar BRS 7980, que tem resistência aos nematoides de cisto Heterodera glycines (raças 1, 3 e 5), de galha M. javanica e M. incognita, e, a campo, apresenta baixo fator de multiplicação do nematoide das lesões radiculares (Pratylenchus spp.). Também é resistente à podridão radicular de fitóftora (Phytophthora sojae). O material permite safrinha de milho e algodão no Mato Grosso.

“Supondo que um caractere é expresso por 22 genes, temos 2,3 bilhões de possibilidades. Esse material é realmente um achado, e foi possível porque pudemos testar muitas linhagens quanto a características de resistência“, explica o pesquisador. Ele também destacou o potencial de produtividade do material, que já chegou a produzir 73 sacas/hectare.

Aprovação

Produtores e representantes de empresas sementeiras da região de Correntina (BA) já testaram os novos cultivares e aprovaram a experiência com os materiais, cujas sementes estão disponíveis no mercado para a safra 2014/15. Elas são comercializadas pelas empresas-membros da Fundação Bahia.

Cesar Poczwardowski é gerente da Fazenda Paraná, que produz soja, milheto e sorgo em 900 hectares. Na safra 2013/14, ele plantou 70 hectares da soja BRS 7980 numa área onde não havia conseguido colher nada no ano anterior. “O estande (número de plantas por hectare) foi baixo e colhemos entre 55 e 58 sacas/hectare, o que foi uma evolução satisfatória“, considera.

Poczwardowski também salientou algumas características do material: “A arquitetura de planta boa, é bem galhada, sem problema de acamamento. Fizemos o manejo de lagartas e não tivemos problema“, observa.

Essa matéria completa você encontra na edição de Julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui e faça sua assinatura agora.
 

ARTIGOS RELACIONADOS

A maturação ideal do pêssego

Pedro Augusto Silva Fernandes Graduando em Engenharia Agronômica pela UFSJ - Campus Sete Lagoas e integrante do GEFIT - Grupo de Estudos em Fitotecnia É importante...

É hora de colher café

Autores Otávio Vitor Souza Andrade - Graduando em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) - otaviovsandrade@gmail.com Cássio Pereira Honda Filho - Doutorando em Fitotecnia -...

Produtores de cana-de-açúcar de Uberaba recebem capacitação sobre controle de nematoides

  O projeto Comando Nematoide, idealizado pela FMC Agricultural Solutions, continua seu percurso e tem como destinos cidades de São Paulo, Minas Gerais e Mato...

Boro e gesso fazem a diferença na silvicultura

Maria Ligia de Souza Silva Doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora da Universidade Federal de Lavras - UFLA mlsousi@hotmail.com O Brasil se destaca na...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!