27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiNovidades em mudas de banana nanica

Novidades em mudas de banana nanica

Autor

Evaldo Tadeu Melo
Gestor de Agronegócio, mestre e doutor em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) e servidor público federal evaldo.melo@dag.ufla.br
Crédito: Miriam Lins

As bananas nanicas pertencem ao subgrupo Cavendish. Elas são mais doces comparadas às do grupo prata e são as únicas exportadas pelo Brasil e as mais aceitas pelo mercado internacional. As principais cultivares plantadas deste subgrupo no Brasil são: Nanica, Nanicão, Grande Naine e Williams.

Essas cultivares são resistentes às raças 1 e 2 do Fusarium oxysporum, patógeno que causa o mal-do-panamá. As cultivares Nanica, Nanicão, Grande Naine e Williams não são só resistentes ao mal-do-panamá, como têm menor porte.

Em vista de suportarem plantios mais adensados, são mais precoces e muito utilizadas nas regiões de maior ocorrência de chuva. No entanto, são muito exigentes em termos de nutrientes, disponibilidade de água e técnicas de cultivo, quando se objetiva maior produtividade e qualidade do produto.

Seus frutos apresentam ponta ou ápice em forma de gargalo pouco acentuado e são delgados, longos, encurvados e, quando maduros, muito doces e verde-amarelados. Além de exportáveis, são bastante utilizados no processamento industrial.

Propagação

A propagação das mudas de bananeira do sub grupo Cavendish não diferem do processo das demais variedades. Há duas formas mais comuns para a obtenção de mudas de bananeira: no campo e in vitro.  A técnica de hidroponia também começou a ser utilizada em mudas de bananeira, porém, só na fase de aclimatização.

 A propagação no campo consiste basicamente na retirada de perfilhos (brotações), conhecidos popularmente como chifre, chifrinho ou chifrão, dependendo do porte, variando de 0,20 a 1,50 m de altura. Essas mudas apresentam folhas lanceoladas e um grande rizoma, o que proporciona boa reserva para o início do desenvolvimento a campo.

Também pode ser utilizado o rizoma de bananeiras adultas, que são fracionados em até seis partes, aumentando se assim o número de mudas, visto que na base de cada folha existe uma gema dormente, que é estimulada a brotar quando se faz este fracionamento (Santos-Serejo et al., 2016).

Entretanto, estas formas de propagação não produzem um grande número de mudas, sendo bastante utilizada apenas por pequenos produtores. Além disto, se o bananal que fornece as mudas estiver com alguma praga ou doença, estas serão transmitidas ao novo plantio.

Sendo assim, atualmente a maioria dos bananais tem sido implantados com mudas provenientes da propagação in vitro, ou micropropagação. Esta técnica possibilita a produção em larga escala, além de as mudas serem isentas de pragas e doenças.

Neste sistema, as matrizes que fornecerão as mudas são indexadas, ou seja, testadas para garantir sua sanidade. Após este teste é retirada uma gema do rizoma e levada para o laboratório, onde após seu estabelecimento in vitro são utilizados fitorreguladores à base de citocinina para estimular uma superbrotação.

Então, é feita a separação destes brotos e cada um será uma nova muda que voltará a se multiplicar, repetindo esse processo por até cinco ciclos. Em seguida, esses brotos são estimulados com fitorreguladores à base de auxina a emitirem raízes.

A próxima fase

Após a multiplicação em laboratório, as mudas são transferidas para bandejas com substrato esterilizado para aclimatização, onde permanecem por aproximadamente 40 dias, até atingirem cerca de 30 cm, quando são enviadas aos produtores.

Os laboratórios que produzem estas mudas, também chamados de “biofábricas”, devem possuir Renasem (Registro Nacional de Sementes e Mudas) e são fiscalizados pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

 Com o intuito de reduzir o tempo de produção e o custo das mudas micropropagadas, novas tecnologias têm sido avaliadas na fase de aclimatização. O sistema hidropônico apresentou bons resultados, reduzindo o tempo de aclimatização para 18 dias, e com isso mais ciclos podem ser produzidos com a mesma estrutura, o que reduz o custo de produção.

Neste sistema, a fertilização das mudas é feita via solução nutritiva, que é bombeada para as bancadas, circula pelas raízes e volta por gravidade para o reservatório, circulação que ocorre a cada 15 minutos (Toyosumi 2019).

Custo envolvido

Estas mudas, inicialmente apresentam um custo maior para o produtor, em torno de R$ 2,10/muda, visto que as oriundas de perfilho podem ser produzidas na propriedade, praticamente sem custo.

No entanto, em longo prazo as mudas micropropagadas apresentam um custo-benefício melhor, devido à uniformidade e sanidade que proporcionam ao bananal.

As mudas são a base do plantio, carregando todo o potencial produtivo da lavoura, assim, todo esforço deve ser feito pelo produtor para adquirir mudas saudáveis e vigorosas, que possam garantir um bom retorno financeiro à sua atividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Escolha da variedade de cebola resistente às doenças foliares

  Douglas José Marques Professor de Olericultura, Genética e Melhoramento Vegetal " Unifenas douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo - Unifenas Fábio Augusto Ishimoto Graduando em Agronomia O panorama...

Gergelim – Panorama atual, perspectivas e avanços tecnológicos

O gergelim tem grande potencial no mercado internacional, visto que os preços para grãos giram em torno de U$ 1.674,00 por tonelada, e o...

Viveiro Ponte Alta – Bandejas e máquinas para viveiristas

  A Ponte Alta - Mecanização Para Viveiros esteve presente pelo segundo ano na Hortitec, neste ano em parceria com a Tropical Estufas. Seu foco,...

Híbrido de tomate grape: Recordista em teor de licopeno

AutoresHerika Paula Pessoa Engenheira agrônoma, mestra em Fitotecnia e doutoranda em Fitotecnia – Universidade Federal de Viçosa (UFV) herika.paula@ufv.br  Ronaldo Machado Junior...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!