16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 20, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiNovidades no controle biológico do ácaro-rajado do morango

Novidades no controle biológico do ácaro-rajado do morango

Túlio Vieira Machado

Engenheiro agrônomo e mestrando em Fitotecnia – ICIAG-UFU

tuliovmachado@gmail.com

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Produção Vegetal

ernanelemes@yahoo.com.br

João Ricardo Rodrigues da Silva

Engenheiro agrônomo

joaoragr@hotmail.com

Diego Tolentino de Lima

Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal – ICIAG-UFU

diegotolentino10@hotmail.com

 

Crédito Alexandre Pinho de Moura
Crédito Alexandre Pinho de Moura

Presente em todo o território brasileiro, o ácaro-rajado (Tetranychus urticae), um aracnídeo pertencente à família Tetranychidae, é considerado um dos ácaros de maior importância econômica para diversas culturas agrícolas, como feijão, soja, algodão, mamão, roseiras e orquídeas, e é também a principal praga do morangueiro.

Este ácaro vive em colônias na parte inferior da folha do morangueiro, onde se alimenta da folha por meio de raspagem de sua superfície. Nestas colônias o ácaro é encontrado em diferentes estádios de desenvolvimento, desde ovos, que são fixados à folha por meio de suas teias, até adultos.

O ácaro-rajado causa sérios danos às culturas por danificar a folha, que é a fonte produtora de alimento para a planta. Os sintomas iniciais de uma infestação de ácaro-rajado no morangueiro são pequenas pontuações cloróticas na face superior da folha atacada e um bronzeamento na face inferior.

Plantas infestadas apresentam uma perda significativa no vigor, o que se reflete na redução do porte das plantas, amarelecimento e queda prematura das folhas, e a formação de frutos de pior qualidade e menor tamanho, que são malvistos pelo consumidor.

Em condições de alta infestação, o ácaro-rajado pode levar a planta à morte. Prejuízos causados por esta praga podem ocasionar uma redução de até 80% na produção de frutos.

O sucesso do controle do ácaro- rajado depende de um monitoramento preciso - Crédito Ana Maria Diniz
O sucesso do controle do ácaro- rajado depende de um monitoramento preciso – Crédito Ana Maria Diniz

Controle assertivo

Atualmente, os cultivos de morango vêm sofrendo demasiadamente com a grande infestação desta praga, sendo o controle químico uma prática comum que encarece os custos de produção e eleva o impacto ambiental da produção de morangos. Neste contexto, o controle biológico surge como uma alternativa a mais para auxiliar o produtor no combate ao ácaro rajado.

O uso dos ácaros predadores (ácaros das famílias Phytoseiidae, Erythraeidae, Cunaxidae e Stigmaeidae) como controle biológico do ácaro-rajado do morangueiro é uma realidade em vários países da Europa e na América do Norte e está se difundido cada vez mais no Brasil.

A maioria dos produtores de morango no Brasil faz o controle do ácaro-rajado por meio de acaricidas e inseticidas de largo espectro, que matam tanto essa praga como outras que possam estar presentes na área.

Em decorrência disso, dois fatores podem ser destacados. Primeiro, o fato de se fazer uso indiscriminado destes produtos contribui para a eliminação das pragas, mas também elimina os predadores destas – os seus inimigos naturais.

Segundo, o uso frequente destes produtos em intervalos curtos de tempo, e geralmente em doses maiores do que as recomendadas, vem contribuindo significativamente para que esta praga adquira resistência aos acaricidas mais comuns utilizados na cultura. É o que ocorre em algumas áreas com produtos que têm como ingrediente ativo a abamectina, a clofentezina ou o fenpiroximato.

Eficácia

O ácaro-rajado é uma praga com ciclo de vida bastante curto, podendo variar de 5 a 21 dias, de acordo com a temperatura do ambiente, e seu desenvolvimento máximo ocorre quando encontra condições de clima quente e seco (25ºC, e ausência de chuvas), que são condições encontradas em cultivos protegidos de morango.

É uma praga que se espalha rapidamente pela área, e após a seleção dos ácaros resistentes aos acaricidas, sua multiplicação também é extremamente rápida, dando origem a uma nova população resistente.

Os ácaros predadores mais utilizados e que apresentam melhores resultados são o Phytoseiulus macropilis e o Neoseiulus californicus. São ácaros que se movimentam muito rápido pela folha e adquirem a cor das presas, que são seu alimento. O ácaro predador ataca ovos, formas jovens e adultos do ácaro-rajado, mas tem preferência por ovos e chega a se alimentar de até 20 ovos por dia.

 

Essa matéria você encontra na edição de maio 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fundação MT em Campo  – Sempre ao lado do produtor rural

Pelo quarto ano consecutivo, evento da Fundação MT cumpre com a difusão de informações   A Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação...

Inseticida biológico tem eficiência de até 85% no controle da cigarrinha-do-milho

As condições climáticas e o histórico em temporadas anteriores indicam que a incidência da cigarrinha-do-milho deve ser alta no milho segunda safra 2020/21, que deve começar...

BASF apresenta novidades para as culturas de soja e algodão na Tecnoshow COMIGO

Fungicida multicultura para os cultivos de soja e algodão é lançamento da empresa na feira.

O sistema certo para produzir morangos

MichélAldrighi Gonçalves Engenheiro agrônomo, doutor em Fruticultura de Clima Temperado e bolsista Capes/Embrapa Gerson KleinickVignolo Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia e bolsista CNPp/Embrapa Luis Eduardo Corrêa Antunes...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!