17.7 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioLançamentosNovo inseticida híbrido da Adama ajuda produtores a controlar pragas resistentes às...

Novo inseticida híbrido da Adama ajuda produtores a controlar pragas resistentes às tecnologias Bt

 Lançamento do Voraz® ocorre em janeiro, no Brasil, após empresa investir cinco anos em pesquisa e desenvolvimento

Helicoverpa - Crédito Baltazar Fiomari
Helicoverpa – Crédito Baltazar Fiomari

As lagartas são consideradas um dos maiores problemas da agricultura brasileira no que se refere à dificuldade e custos de controle, levando toda a cadeia produtiva do agronegócio a investir US$ 7,5 bilhões por ano com defensivos agrícolas e desenvolvimento de sementes só para combater esse tipo de praga no campo, de acordo com a Crop Life Latin América. Embora o produtor tenha acesso à solução da soja Intacta RR2 PRO, já existem espécies resistentes a ela e, para simplificar o manejo nas lavouras, a empresa global do setor de agroquímicos Adama (leia-se Adamá) lança, após cinco anos de investimentos em pesquisa e desenvolvimento, o inseticida Voraz®, solução elaborada para as tecnologias Bt, que estará à venda a partir de janeiro.

Segundo o gerente de Portfólio da Adama, Pedro Singer, algumas técnicas agrícolas comuns no Brasil, como a sucessão das culturas de soja, milho, trigo e algodão, com o tempo, fizeram com que as lagartas, conhecidas por atacarem apenas uma cultura, dessem lugar a outras espécies, que se adaptaram e passaram a ameaçar todo o sistema de produção agrícola pela falta de ferramentas eficazes no controle simultâneo de diferentes pragas. Ou seja, algumas lagartas atacam diferentes culturas e já são resistentes às tecnologias Bt.

Diante desta gravidade, Singer explica como o novo inseticida da Adama poderá ajudar os agricultores nas lavouras. “O Voraz® atua de forma híbrida por trazer em um único produto a combinação inédita de diferentes mecanismos de ação, que, juntos, combatem lagartas, mesmo as complexas, nas mais diversas culturas, inclusive aquelas que apresentam alguma resistência aos genes Bt, entre elas a Helicoverpa e a Spodoptera, esta segunda vista por especialistas como a mais predominante nos próximos cinco anos. Isso significa simplicidade, mais eficiência das ferramentas Bt’s e uma economia de até 50% ao somar os gastos com combustível e aplicação de defensivos, sem contar os ganhos com produtividade e otimização de tempo“.


ARTIGOS RELACIONADOS

Mato Grosso atinge mais de 83% das áreas semeadas com soja

De acordo com o mais recente boletim atualizado do Instituto Mato Grossense de ...

O manejo das ervas aromáticas

  Luciana Marques de Carvalho Bióloga, doutora em Fitotecnia e pesquisadora da Embrapa Tabuleiros Costeiros luciana.carvalho@embrapa.br A crescente preocupação mundial com saúde e dieta saudável tem gerado...

Produtora de grãos e fibras passa a monitorar pulverização de defensivos

Sustentabilidade é a palavra de ordem no campo. Por isso, é cada vez maior o número de empresas que buscam ferramentas que otimizam as operações e...

IPESA oferece qualidade total em armazenagem

  A IPESA participou da Jornada de Atualização em Manejo da Pós-colheita de Precisão, realizada em Uberlândia (MG), no dia 27 de novembro. Para o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!