23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosNovo padrão chinês da soja

Novo padrão chinês da soja

Soja – Crédito da foto: Pixabay

Limite brasileiro é 14%, enquanto na China é de 13%; Brasil aguarda esclarecimentos da OMC sobre o novo padrão de importação da oleaginosa


A proposta do novo padrão chinês da soja, que está em discussão na Organização Mundial do Comércio (OMC), traz algumas diferenças que podem influenciar a classificação do grão, mas na avaliação do  Ministério da Agricultura a norma asiática é menos rigorosa em alguns parâmetros de qualidade, em relação a norma atual que é praticada desde 2009.

Entretanto, uma das questões que preocupa é a da umidade do grão. Atualmente, o limite no Brasil é 14%, enquanto na China é de 13%. Em relação à umidade, o Ministério da Agricultura  disse que o valor proposto no novo padrão chinês não deveria ser usado para classificar a soja por poder sofrer oscilações conforme a temperatura.

As normas brasileiras da soja no Brasil também estão sendo discutidas. O padrão brasileiro, de  2007, passa por mudanças nesse momento.”Enquanto discutimos o novo padrão nacional, não podemos ignorar o padrão do nosso maior mercado consumidor (a China)”, disse o diretor da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Glauco Bertoldo, em live promovida pela Embrapa na semana passada.
 
O novo padrão chinês irá determinar os termos e definições, classificações, requisitos de qualidade, métodos de teste, regras de inspeção, rótulos, empacotamento, estocagem e requisitos de transporte para a soja.

Para a diretora Comercial e de Marketing da LocSolution, empresa que trabalha com medidores de umidade de grãos da marca Motomco, Manoella Rodrigues da Silva,  num primeiro momento, o novo padrão não deve impactar de forma significativa o mercado brasileiro. Ela avalia como positivo se a intenção é melhorar a qualidade do grão.
 
Manoella observa, entretanto, que  apesar da capacidade produtiva do Brasil, as exigências do mercado internacional, quanto à qualidade do grão, tem se intensificado cada vez mais.  “Grãos de alta qualidade dependem basicamente de uma boa cultivar, condições ambientais durante o seu desenvolvimento, época certa e procedimento de colheita, método de secagem e práticas de armazenagem”, explica.
 
“Ainda assim, existe uma grande preocupação do produtor rural em saber exatamente o momento de colher. Isso é um fator primordial para se obter a qualidade do grão, que deve estar dentro dos parâmetros estipulados de umidade, que no Brasil é de 12% a 14%”.

Uma forma de determinar o teor exato da umidade do grão e o momento certo de colher, é fazendo um monitoramento da lavoura. Para isso, o produtor rural precisa ter acesso  às ferramentas existentes no mercado para obter o melhor resultado sobre a umidade do grão.

“Os medidores de umidade de grãos já são bastante usuais em propriedades rurais e permitem que o produtor saiba exatamente  o momento certo da colheita”, enfatiza a diretora.  

GRÃOS PERFEITOS: Nos padrões de qualidade chinês, a soja com menos de 75% de grãos perfeitos não tinha uma classificação e agora ela entra como “fora de tipo”. O padrão chinês aborda também a questão de grãos perfeitos, mas no Brasil não há uma definição para grãos perfeitos, só para grãos que sofreram alguns problemas, que têm alguma avaria, defeito. O Brasil aguarda os esclarecimentos para entender  as novas regras chinesas e como a regulamentação será implementada.

ARTIGOS RELACIONADOS

Leguminosas intercaladas com café

O gênero Coffea apresenta mais de 100 espécies, destacando-se a C. arabica e C. canephora ...

Com tecnologia de ordenha robotizada, fazenda no Paraná apresenta resultados expressivos

O Paraná é atualmente o segundo maior produtor de leite do Brasil, foram 4,4 bilhões de litros produzidos em 2018, como aponta o IBGE.

E se o Brasil produzisse 100 milhões de toneladas de grãos a menos?

Em plena pandemia do novo coronavírus, mais uma excelente notícia vem do campo. A safra brasileira de grãos que acaba de ser colhida foi recorde, atingindo 251,9 milhões de toneladas. Essa fantástica produção explica porque a oferta de alimentos mantém-se absolutamente normal num momento de extremo desafio para o país. Não só a disponibilidade interna segue no ritmo esperado, como as exportações do agronegócio continuam batendo recordes.

Fruit Attraction chega ao Brasil

Sucesso na Europa há 15 anos, evento desembarca no país com projeção de gerar mais de 250 milhões de dólares em transações comerciais às empresas nacionais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!