22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasNutrição e adubação com boro em eucalipto

Nutrição e adubação com boro em eucalipto

A redução de produtividade devido à deficiência de boro (B) pode alcançar valores da ordem de 30% (13,5 m3/ha/ano), conforme resultados obtidos em diversas empresas florestais localizadas em Minas Gerais.

Nesse contexto, a aplicação do boro juntamente com as adubações de cobertura ou na forma isolada via solo ao final das chuvas não é suficiente para atender à demanda do elemento em condições de intenso crescimento. Nesse caso, é necessária a correção preventiva foliar, que deve ser realizada nas regiões de cerrado nos meses de maio/junho a julho/agosto, de acordo com o regime hídrico.

Em alguns anos mais críticos de chuva, com déficit hídrico prolongado, o consultor da RR Agroflorestal, Daniel Farias Bianchini, recomenda fazer duas aplicações, uma em maio/junho e outra em julho/agosto.

Função do boro

Bianchini comenta que pouco se conhece sobre a função exata do boro no metabolismo das plantas. Afirma-se que suas funções estão relacionadas ao transporte de açúcares das folhas para os demais órgãos da planta, à formação da parede celular, à divisão celular (formação de gemas apicais, axilares e radiculares), à síntese de lignina e celulose, ao balanço hormonal, à síntese de ácidos nucleicos e proteínas, ao metabolismo dos fenóis e à absorção radicular.

“O boro, de modo geral, é transportado somente no xilema, sendo praticamente imóvel no floema. Essa imobilidade na redistribuição do elemento faz com que os sintomas de deficiência apareçam nos órgãos mais novos e nas regiões de crescimento“, explica o consultor.

Nesses termos, os sintomas em eucalipto caracterizam-se por folhas novas cloróticas (Figura 1A), pequenas e mal formadas, com aspecto de “falta de pedaços“; encarquilhadas e coriáceas, com nervuras extremamente salientes com posterior necrose, dando aspecto de “costelamento“ (Figura 1B); morte da gema apical e seca de ponteiro, seguida de brotações das gemas axilares (Figura 1C), com posterior bifurcação do tronco; caules e ramos retorcidos devido à falta de lignina; rachaduras da casca com presença de goma e necrose dos tecidos; morte descendente do ramo; e achatamento do caule devido à morte do câmbio.

Manejo

A quantidade do nutriente a ser aplicado ao eucalipto deve ter como ponto de partida o conhecimento da fertilidade do solo da região, bem como o seu regime climático.

Com isso, a distribuição deve ser feita de forma equilibrada durante as adubações sólidas de plantio e coberturas ao longo dos primeiros dois anos da floresta. Além disso, são necessárias pulverizações foliares nos meses de déficit hídrico até o terceiro ano de idade da floresta.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fósforo aumenta a produtividade da batata

  Gustavo Antonio Faria Rabêlo Técnico em Agricultura e Zootecnia " IFMG- campus Bambuí, Graduando em Agronomia na Universidade Federal de Lavras (UFLA), membro do grupo...

Substrato + fertilizantes de liberação lenta na produção de mudas

  Giovani BeluttiVoltolini Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras " UFLA, membro do Grupo de Estudos em Herbicidas, Plantas Daninhas e Alelopatia " GHPD...

Magnésio é esquecido nos programas nutricionais no cafeeiro

Renato Passos Brandão Engenheiro Agrônomo, Mestre em Solos e Nutrição de Plantas e Gestor Agronômico do Grupo Bio Soja O magnésio é o quarto nutriente mais...

Boro: Pesquisa alerta para necessidade desse nutriente

As plantas têm em sua composição mais de 60 elementos químicos, mas somente 17 deles são atualmente considerados essenciais. Estes são classificados como macro ou micronutrientes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!