15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiNutrição equilibrada do pepineiro

Nutrição equilibrada do pepineiro

Douglas José Marques

Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas)

douglas.marques@unifenas.br

Hudson Carvalho Bianchini

Professor de Fertilidade do Solo da Unifenas

Crédito Valter Arthur
Crédito Valter Arthur

Como qualquer planta, o pepineiro exige um suprimento contínuo de nutrientes para o seu desenvolvimento, sendo que a quantidade varia em função dos teores existentes na matéria seca produzida pela planta inteira (raízes, caule, ramos, frutos, etc.).

Portanto, a sua nutrição equilibrada depende de uma série de fatores que afeta a passagem do nutriente para a solução do solo e sua consequente absorção pelas raízes. Assim, deve-se, preferencialmente, implantar a cultura de pepino em solos areno-argilosos, ricos em matéria orgânica, bem drenados e sem acidez excessiva.

Se houver necessidade de calagem, ela deve ser feita para elevar a saturação de bases a 75% e o teor de magnésio deve ser de 1cmolc dm-3. A adubação orgânica deve ser aplicada aos 30 a 40 dias antes da semeadura ou do plantio das mudas, misturando bem 10 a 20 t ha-1 de esterco bovino curtido ou composto orgânico, ou 1/4 dessas doses de esterco de galinha, suínos, caprinos, ovinos, equinos.

A adubação pode ser feita em sulcos ou covas, sempre baseada no resultado da análise da fertilidade do solo.

Adubação mineral

A adubação mineral de plantio no campo e sob cultivo protegido deve ser aplicada cerca de sete a 10 dias antes do plantio, misturando os fertilizantes com a terra dos sulcos, utilizando por hectare 40 kg de N; 200 a 400 kg de P2O5 e 100 a 200 kg de K2O.

Em solos deficientes, acrescentar por hectare 1kg de boro, 3 kg de zinco e 2 a 4 kg de cobre. De acordo com a variedade, adensamento populacional e a produtividade esperada, a adubação mineral de cobertura por hectare deve ser de 80 a 100 kg de N; 20 a 40 de P2O5 e 60 a 100 de K2O, parcelados em três a quatro aplicações, a primeira aos 10 a 15 dias após a germinação ou o pegamento das mudas e as demais adubações a cada 10 a 15 dias.

Recomenda-se irrigar logo após a adubação de cobertura, para que os nutrientes sejam rapidamente disponibilizados para as plantas.

A nutrição adequada contribui para o aumento da resistência das plantas a doenças e pragas - Crédito Claudinei Kappes
A nutrição adequada contribui para o aumento da resistência das plantas a doenças e pragas – Crédito Claudinei Kappes

Importante saber

A respeito da nutrição da cultura do pepineiro, é importante lembrar que uma das principais causas para a ocorrência e predisposição das plantas a doenças e pragas é o desequilíbrio nutricional (carência ou excesso de adubação), tendo em vista que a nutrição equilibrada irá favorecer os mecanismos de defesa das plantas.

A influência do nitrogênio, do fósforo, do potássio e dos micronutrientes merece destaque neste contexto. O excesso de nitrogênio na planta pode favorecer a germinação de esporos de fungos e a atividade dos insetos.

Deve-se evitar a aplicação foliar indiscriminada de fertilizantes nitrogenados, especialmente na forma de ureia, nas hortaliças em geral, principalmente se os teores de Mo e Mn forem inadequados. Teores adequados de P e K favorecem o decréscimo no ataque de fungos e reduzem a suscetibilidade às doenças e pragas, de forma geral.

O adequado fornecimento de micronutrientes em muito pode contribuir para o aumento da resistência das plantas a doenças e pragas, devido a sua participação num número grande de compostos e reações.

Dentre os micronutrientes, o Cu, o B e o Mn, que às vezes são negligenciados em sistemas de produção, são importantes para a formação de vários compostos que favorecem a defesa vegetal. O boro, devido a sua dinâmica no solo, deve ser fornecido via solo, em pré-semeadura (ou na semeadura), mediante o uso de fontes de solubilidade média; ao passo que o Cu e o Mn deverão ser aplicados via foliar, no início da fase de franco crescimento vegetal e no início do florescimento da maioria das espécies cultivadas.

O Zn, cuja deficiência é bastante comum na agricultura brasileira, quando fornecido em doses elevadas e sem critério técnico definido, poderá interferir no aproveitamento e metabolização de outros nutrientes, bem como favorecer a proliferação de fungos.

CréditoShutterstock
CréditoShutterstock

Demanda nutricional

A cultura do pepino, por ter o sistema radicular mais superficial, apresenta sensibilidade ao excesso de sais, por isso, o produtor deve tomar muito cuidado com a adubação, principalmente na fase inicial de desenvolvimento, para não prejudicar o desenvolvimento das plantas com adubações em excesso.

No plantio da cultura tutorada, geralmente é recomendada a aplicação de 50 kg ha-1 de N, 250-400 kg ha-1 deP2O5 e 100-180 kg ha1deK2O. Quando se utiliza a fertirrigação, é recomendado o maior número de parcelamento da adubação para as doses de nitrogênio e potássio, e a dose de fósforo deve ser toda aplicada no plantio, optando sempre por fertilizantes com índice salino menor.

As cultivares que são conduzidas em cultura rasteira exigem menos nutrientes, sugerindo-se aplicar no plantio metade das doses recomendadas para as culturas tutoradas.

A adubação em cobertura deve ser parcelada em três ou mais aplicações, utilizando 100-150 kg ha-1 e 50-80 kg ha-1de K2O. A primeira adubação em cobertura deve ser feita no início do crescimento da planta, após o desbaste ou transplante da muda, sem aplicação de K. A segunda adubação de cobertura ocorre no início da floração, incluindo a aplicação com K e as demais durante o período de colheita, também incluindo o K.

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Batata-doce – Por onde começar?

Carla Verônica Corrêa Doutoranda em Agronomia pela UNESP cvcorrea1509@gmail.com Luís Paulo Benetti Mantoan Doutorando em Ciências Biológicas (Botânica) pela UNESP   De ciclo curto e baixo investimento, a batata-doce (Ipomoea...

Praga invasora resiste a inseticidas

Estudo desenvolvido no PPG Entomologia da Esalq alerta para a resistência da praga invasora a inseticidas no Brasil Originária do Velho Mundo, a Helicoverpaarmigera é...

Palha de café: potencialize a adubação do seu cafezal

O que fazer com a palha de café? Quais os nutrientes? Como adubar? E os benefícios? Confira.

Como tirar proveito da adubação nitrogenada em folhosas

  Carla Verônica Corrêa Doutoranda em Agronomia/Fisiologia Vegetal e Metabolismo Mineral - UNESP cvcorrea1509@gmail.com Luís Paulo Benetti Mantoan Doutorando em Ciências Biológicas/Fisiologia Vegetal - UNESP O nitrogênio é...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!