22 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiNutrientes na cebola

Nutrientes na cebola

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)idalinepessoa@hotmail.com

Anne Carolline Maia Linhares Licenciada em Ciência Agrárias e doutoranda em Ciência do Solo – UFPBanemaia-16@hotmail.com

Cebola – Crédito Embrapa Hortaliças

A quantidade de nutrientes absorvida por uma cultura é função da concentração do nutriente na matéria seca e da produção de matéria seca de cada órgão da planta por unidade de área. As doses de fertilizantes aplicadas devem ser determinadas em função da quantidade de nutriente extraída pela cultura e da eficiência de recuperação de cada nutriente aplicado (Mendes et al 2008).

Com relação à nutrição da cebola, o nitrogênio e o potássio destacam-se. O N é o segundo nutriente, em quantidade, presente na planta; superado apenas pelo K (Vidigal, 2000; Pôrto et al., 2007).

O crescimento da cebola é lento até próximo à metade do ciclo (Porto et al., 2007). A partir daí, iniciam-se a bulbificação e a translocação de fotoassimilados e outros compostos para o bulbo. Nessa fase, há um rápido acúmulo de matéria seca no bulbo Gamiely et al. (1991).

Benefícios

O efeito benéfico do potássio se faz sentir em diferentes componentes dos produtos agrícolas, como cor, acidez, resistência ao transporte, manuseio e armazenamento, valor nutritivo e qualidades industriais, assim como a adequada nutrição potássica tem sido associada com aumento de rendimento, cor e tamanho de fruto, acréscimo de sólidos solúveis e ácido ascórbico, conservação e qualidade pós-colheita, de muitas hortícolas.

A deficiência de potássio na planta de cebola é caracterizada por amarelecimento das folhas velhas, secamento da ponta foliar e reduzido crescimento do bulbo (Resende & Costa, 2013).

O potássio está fortemente associado com a assimilação de nitrogênio, atua em processos osmóticos, na síntese de proteínas e na manutenção de sua estabilidade, na abertura e fechamento de estômatos, na permeabilidade da membrana e no controle de pH.

A necessidade de K para um ótimo crescimento da cebola é de cerca de 40 g kg-1 da matéria seca da parte vegetativa da planta. A ausência desse nutriente se caracteriza por murchamento das folhas; as mais velhas apresentam coloração amarelada, progredindo para o secamento nas pontas e reduzindo o desenvolvimento dos bulbos (Mendes et al 2008). Portanto, o potássio tem influência na produção, no transporte e no armazenamento do carboidrato.

Como implantar a técnica

Uma alternativa a ser utilizada são as curvas de absorção e acúmulo de nutrientes e de matéria seca, que possibilitam determinar as épocas de maior exigência dos nutrientes, prevenir deficiências, estimar a exportação e o retorno de nutrientes ao solo (May et al., 2008), proporcionando recomendação de adubação com eficiência agronômica e minimização dos riscos ambientais (Villas Boas et al., 2001; Furlani & Purqueiro, 2010).

As exigências nutricionais podem variar entre cultivares de cebola e a extração de nutrientes e sua relação com o crescimento pode ser diferente em razão do tipo de solo, do sistema de cultivo, e ainda, variar segundo a produtividade e o ciclo da cultura (Vidigal et al., 2003).

Portanto, a utilização de curvas de acúmulo de nutrientes é uma ferramenta imprescindível para auxiliar nos programas de adubação e manejo de fertilizantes das lavouras (Martins et al 2017).

Visto de perto

Kurtz et al (2016), ao avaliarem o crescimento e absorção de nutrientes pela cultivar de cebola Bola Precoce, observaram que do total acumulado de K ao final do ciclo da cultura, o bulbo contribuiu com 53%, (182,7 mg/planta).

A absorção de K foi concentrada no período de bulbificação com 87% do total acumulado nessa fase. A taxa máxima de absorção pela planta toda foi aos 80 DAT, com 7,38 mg/planta/dia, o equivalente a 1,84 kg/dia de K. Para o bulbo, a taxa máxima de alocação ocorreu 17 dias mais tarde aos 97 DAT.

Os autores afirmam que tal processo provavelmente explica a grande demanda de K na bulbificação, quando promove a redução do potencial osmótico favorecendo a entrada de água e de fotoassimilados, contribuindo para o enchimento dos bulbos, uma vez que, segundo Taiz & Zeiger (2009), o potássio desempenha um importante papel na abertura dos estômatos e regulação do potencial osmótico das células vegetais.

Relação com a nutrição da cebola

[rml_read_more]

Vidigal et al (2010) ao avaliarem o crescimento e absorção de nutrientes pela planta cebola cultivada no verão por semeadura direta e por transplantio de mudas, observaram que, independente do sistema de cultivo, o crescimento inicial foi lento, intensificando a partir dos 56 e 74 dias após a semeadura, para o cultivo em semeadura direta e transplantio de mudas, respectivamente, e os nutrientes foram absorvidos pela cebola na seguinte ordem: K > N > Ca > S > P > Mg e Fe > Mn > Cu > Zn.

Martins et al (2017) observaram, ao avaliar a marcha de absorção de nutrientes para recomendação de adubação no cultivo da cebola, que diferentemente do nitrogênio e do fósforo, o aumento na demanda por potássio iniciou aos 78 Dias Após a Semeadura (DAS), com intensa exigência no período dos 79 aos 163 DAS, que coincide com formação dos bulbos, tendo em vista que o potássio desempenha a função de ativador enzimático, está envolvido na fotossíntese, no transporte de carboidratos, na síntese de proteínas, na expansão celular e no movimento estomático (Marschner, 2012).

Boa resposta

A cultura da cebola é altamente responsiva à aplicação de nutrientes, que influencia diretamente a produtividade, sanidade e a qualidade dos bulbos. Contudo, a adubação excessiva, principalmente com N, P e K e o uso indiscriminado de corretivos de acidez acarretam prejuízos à cultura, que muitas vezes passam despercebidos, como o aumento de doenças foliares, estresse salino que afeta a produtividade, perda de nutrientes no solo por lixiviação e o desbalanço de nutrientes, gerando problemas fisiológicos e nutricionais (Kurtz & Ernani, 2010; Aguiar Neto et al., 2014).

O excesso de potássio pode desequilibrar a nutrição da planta, dificultando a absorção de cálcio e magnésio. Além disso, doses acima da necessária para o satisfatório crescimento e desenvolvimento das plantas podem reduzir a produção, além de elevar os custos e causar impactos ambientais (Resende & Costa, 2003).

Artigo anterior
Próximo artigo
ARTIGOS RELACIONADOS

Orgânicos – Consórcio de alface com cebola

Autores Rhaiana Oliveira de Aviz rhaianaoliveiradeaviz@gmail.com Luana Keslley Nascimento Casais luana.casais@gmail.com Emanoel dos Santos Vasconcelos manoeldsvogm@gmail.com Graduandos em Agronomia - Universidade Federal Rural da...

Resistência dos pomares de citros depende do equilíbrio nutricional

  Indução natural dos mecanismos de defesa da planta auxilia no desenvolvimento do cultivo     Os pomares de citros estão constantemente submetidos a fatores estressantes (clima, temperatura,...

Cobre é benéfico para a cultura da cebola

  Claudinei Kurtz Engenheiro agrônomo, doutor em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas e pesquisador da Epagri " EE Ituporanga kurtz@epagri.sc.gov.br   O cobre é um micronutriente...

Liberação lenta: nutrição mais eficiente para a cenoura

Descubra como essa estratégia revolucionária pode impulsionar sua colheita de cenouras, economizando recursos e otimizando a qualidade do produto final

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!