O cooperativismo em Minas Gerais movimenta a cadeia produtiva do café

0
30
Café – Créditos: shurtterstock

A cada 10 xícaras de café consumidas no Brasil, 3 são de cooperativas

Em 1o de outubro é celebrado o Dia Internacional do Café. A data foi escolhida, em 2015, pela Organização Internacional do Café (OIC), com o objetivo de unificar as comemorações de apaixonados por café espalhados pelo mundo e valorizar a força da indústria cafeeira, a versatilidade e o impacto positivo gerado pelo produto.

O café é a 2ª bebida mais consumida no mundo, ficando atrás apenas da água. Além disso, economicamente, o café também possui um papel bastante expressivo. E as cooperativas são parte essencial do segmento cafeeiro no Brasil e em Minas Gerais, conforme atestam dados da 16a edição do Anuário de Informações Econômicas e Sociais do Cooperativismo Mineiro, publicado pelo Sistema Ocemg.

Se Minas Gerais fosse um país seria o maior produtor de café do mundo. O Estado é o maior produtor de café do Brasil, representando 54,9%, com importante participação das cooperativas nessa cadeia produtiva. Em 2020, de todo o café produzido no país 31,2% passaram por uma cooperativa mineira, sendo que essa representatividade sobe para 56,8% em relação ao café produzido no Estado de Minas Gerais (Dados da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab). Ou seja, de cada 10 xícaras de café consumidas no Brasil, 3 são de cooperativas. E de cada 10 xícaras de café consumidas em Minas, 6 são produzidas pelo segmento cooperativista.

E as cooperativas mineiras, além de terem forte participação no mercado interno, exercem importante papel nas exportações. Em 2020, 20 cooperativas mineiras exportaram para 54 países em 2020 e a exportação de café do cooperativismo mineiro alcançou a marca de 369,4 mil toneladas.

Além disso, Minas Gerais abriga a maior cooperativa de cafeicultores do mundo: a Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé – Cooxupé. A empresa possui 15.943 de cooperados, gera emprego para 2.381 profissionais e teve uma movimentação financeira, em 2020, de R$7.237.286.588,00, o que corresponde a um crescimento de 37,9% em relação à 2019.

Em prol da cafeicultura mineira

Para apoiar o crescimento do setor, a profissionalização e a excelência da gestão das cooperativas agropecuárias, o Sistema Ocemg realiza várias ações de acompanhamento e monitoramento das cooperativas cafeeiras. E para apresentar para as cooperativas tecnologias de ponta, viabilizar o network e a prospecção de novos mercados, a organização promove ainda missões internacionais para feiras e eventos.

Para Ronaldo Scucato, presidente do Sistema Ocemg, “as cooperativas agropecuárias de Minas Gerais têm papel essencial para ampliar a participação de pequenos e microprodutores no mercado”. Scucato salienta ainda a importância do setor para a economia do Estado e do País. “Nós nos orgulhamos em contribuir com o cooperativismo de café mineiro, este que é um dos pilares que sustenta o equilíbrio da balança comercial do Brasil”.

Sistema Ocemg

O Sistema Ocemg é formado pela junção de duas instituições: o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg), órgão de representação política, sindical-patronal e de defesa do cooperativismo no Estado; e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo de Minas Gerais (Sescoop-MG), responsável pelas atividades de formação profissional, monitoramento e promoção social das diversas cooperativas de Minas. A Ocemg ainda integra a Federação dos Sindicatos das Cooperativas dos Estados de Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais e Santa Catarina (Fecoop-Sulene). Pronto para atuar em benefício do crescimento e desenvolvimento do cooperativismo mineiro, o Sistema proporciona orientação e apoio para a gestão eficiente do setor, oferecendo cursos, treinamentos, palestras e seminários que integram e fortalecem as sociedades cooperativas.