15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesO que fazer quando aparece na folha do limoeiro?

O que fazer quando aparece na folha do limoeiro?

Suzeth Carvalho Sousa Engenheira agrônoma, CTV Interna SulGoiano Agro suzecarvalho10@gmail.com

Folhas – Crédito Fundecitrus

Limoeiros de todas as regiões produtoras vêm apresentando um revestimento fúngico preto que recobre a superfície de folhas, ramos e frutos, dificultando o desempenho de suas funções normais.

Esse enegrecimento é provocado por um fungo conhecido como fumagina, cujo agente causal é o Capinodium citri. A doença surge logo após as plantas serem atacadas por insetos sugadores, como pulgões, cochinilhas, mosca-branca, entre outros.

Durante sua alimentação, esses insetos succionam a seiva da planta e liberam uma substância açucarada denominada honeydew, que serve como substrato para o desenvolvimento do fungo Capnodium, que por sua vez ocasiona a produção de fumagina sobre as partes da planta.

Ao contrário do que se pensa, a fumagina não se alimenta das plantas, mas sim dos excrementos ricos em açúcares liberados pelos insetos que estão atacando o vegetal. O fungo recobre a superfície de folhas, ramos e frutos, formando uma manta miceliana relativamente espessa sobre os mesmos.

Nas folhas, essa manta é mais espessa na parte superior do que na inferior, ocasionando assim uma redução da capacidade fotossintética da planta, devido à deposição de esporos do patógeno. Quando atacados severamente, os limoeiros podem ter seu desenvolvimento comprometido e um atraso na coloração dos frutos, por isso a importância do monitoramento e controle dos insetos-praga que incidem na cultura.

Controle

O controle dos insetos que favorecem o surgimento da fumagina deve ser iniciado por inspeções periódicas nas lavouras mediante a avaliação de folhas, ramos, brotações e frutos. Ao ser constatada a presença dos insetos nas plantas, deve-se realizar pulverizações com inseticidas dos grupos químicos neonicotinoides e piretroides, ambos com registro para citros.

[rml_read_more]

Ingredientes ativos como imidacloprido e tiametoxan+lambda-cialotrina têm apresentado bons resultados no combate a pulgões, cochonilhas e mosca-branca em citros, respeitando-se o número de aplicações e o intervalo de segurança de cada um.

Do mesmo modo, produtos à base de Azadirachta indica (óleo de neem) apresentam ação inseticida comprovada cientificamente, pois, além de agir por contato e ingestão, também atua em todas as fases de desenvolvimento dos insetos.

É um produto totalmente biodegradável, sendo inofensivo ao meio ambiente e à saúde humana. A pulverização com óleos minerais é uma opção que também apresenta eficácia no controle dos insetos associados à fumagina, devido a não possuir restrições.

Da mesma forma, é recomendada para afrouxar as mantas fúngicas sobre os órgãos revestidos, facilitando assim sua posterior remoção pelos ventos e água da chuva.

No mercado, estão disponíveis para comercialização produtos com diversos preços e formulações, os quais variam conforme a embalagem e o fabricante. Alguns dos inseticidas indicados custam, em média, R$ 42,00 o litro/ha e os óleos R$ 10,00 o litro/ha, todos encontrados em casas agropecuárias, possibilitando ao produtor a escolha do melhor custo-benefício para sua lavoura.


Atenção

A eficiência no combate à fumagina está atrelada ao controle dos insetos. Para isso, é necessário realizar as atividades de monitoramento constantemente e também as pulverizações com os produtos recomendados. No caso de dúvidas, procure sempre um engenheiro agrônomo para auxiliar na escolha do melhor método de controle.

ARTIGOS RELACIONADOS

Níquel ajuda no controle de doenças fúngicas da soja

Há alguns anos atrás o níquel ainda não era considerado um elemento essencial, sendo tido até mesmo como tóxico para algumas plantas. Contudo, nos últimos anos foi comprovado que ele atende aos critérios de essencialidade, pois é componente da enzima uréase e também pelo fato de algumas leguminosas não conseguirem concluir seu ciclo de vida sem ele.

Sclerotinia sclerotiorum é o terror da soja

O mofo-branco, causado pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, tem sido o terror de muitos sojicultores ...

Palavra de quem entende

Deborah Gaiotto é publicitária de formação e hoje empresária, proprietária da Fazenda Maria " Gastronomia Sustentável, uma empresa familiar formada por um engenheiro agrônomo,...

Algas otimizam frutificação

A agricultura brasileira evoluiu, por isso, para garantir maiores produtividades é ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!