19.6 C
Uberlândia
domingo, junho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasO real preço pago pela soja

O real preço pago pela soja

Soja – Crédito Shutterstock

O último informe técnico divulgado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS), apresentou cotações superiores a R$ 150, enquanto que, no início da comercialização da safra 2020/2021 o preço cotado era de R$ 75,43. Segundo a Associação ambas as cotações não representam o real valor pago pela saca de 60 quilos de soja, uma vez que o agricultor comercializa sua produção ao longo de toda a safra, iniciando antes mesmo do processo de semeadura.

“O produtor de grãos faz média de preço, de acordo com suas travas (barter) e as oportunidades de mercado. Por enquanto, o preço médio obtido pelo produtor, está por volta de R$98,77 por saca de soja, nesta safra 2020/2021”, explica o presidente da Aprosoja/MS, André Dobashi.

De acordo com a Associação os agricultores geralmente comercializam mais de 50% da safra futura, de forma antecipada. E até o final da primeira quinzena de fevereiro de 2021, 61% da safra já havia sido comercializada, antes mesmo do início efetivo da colheita.

Nos primeiros 3 meses de 2020 os agricultores sul-mato-grossense comercializaram mais de 30% do atual ciclo, por preços abaixo de R$ 85. “Isso impacta, de forma significativa, na composição do preço médio da soja”, explica Dobashi.

Nos meses seguintes a comercialização diminuiu o ritmo e ao iniciar 2021, o agricultor optou por esperar a colheita para seguir com segurança nas negociações, já que elas ultrapassam a casa dos 60% da safra comercializada. 

A Associação ressalta a importância dessa correlação entre os dados, a fim de verificar o porcentual comercializado e o preço em cada período, pois esse fator impacta no momento de conferir o custo de produção. 

Segundo o departamento econômico da Aprosoja/MS esse estudo reforça a correlação entre o percentual comercializado na safra 20/21 e o preço obtido em cada praça, levantados diariamente e ainda lembra que os maiores volumes de comercialização do ciclo atual, ocorreram em fevereiro e março de 2020, com 13% e 12%, respectivamente, em ambos meses a saca do grão foi negociada abaixo de R$ 84.

ARTIGOS RELACIONADOS

Melancia: Brasil é o quarto maior produtor

A melancia (Citrullus lanatus), pertencente à família Cucurbitaceae e ...

Alface: semeio de verão se aproxima e os desafios para o produtor aumentam

O cultivo de alface na estação mais quente do ano pode ser um problema, pois é um período em que as chuvas provocam perdas e a temperatura elevada causa pendoamento precoce nas plantas.

Cana-de-açúcar deve ter aumento de produção na safra 2022/2023

A primeira estimativa da safra de cana-de-açúcar 2022/23, divulgada nesta quarta-feira (27) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), indica que o Brasil deve produzir...

Trigo alcança preços recordes

O mercado do trigo tem sido impulsionado devido à redução da produção em meio ao tempo seco nos principais países exportadores, em particular os EUA, a Rússia e a Ucrânia, enquanto a demanda permanece forte, especialmente da China

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!