19 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosO solo ideal para o algodoeiro

O solo ideal para o algodoeiro

Gilvan Barbosa Ferreira

PhD em Solos e Nutrição de Plantas e pesquisador da Embrapa Algodão

gilvan.ferreira@embrapa.br

Fotos Shutterstock
Fotos Shutterstock

O algodoeiro é uma planta exigente em solos adequados para manifestar sua alta produtividade. Suas raízes são fortes, pivotantes e com muitas ramificações laterais. As raízes laterais podem alcançar 1,5 m de distância da planta, se ela estiver cultivada em condição isolada no campo.

Em geral, 70% dessas raízes estão concentradas a 30 cm do caule. A raiz pivotante pode alcançar mais de 2,5 m de profundidade, porém, mais de 80% das raízes estão concentradas entre 0 a 20 cm de profundidade, em solos argilosos, e de 0-40 cm em solos de textura média a arenosa.

Até os 50 dias da emergência, a raiz cresce cerca de três vezes mais que a parte aérea, podendo alcançar 90 cm de profundidade. Aos 122 dias após a emergência, quando a cultura abre o primeiro capulho e cessa o crescimento radicular, cada planta de algodão pode produzir até 422 m lineares de raízes.

Assim, a cultura exige um solo bem estruturado, poroso, profundo, fértil e livre de compactação ou de presença de alumínio tóxico em profundidade, para poder crescer e se desenvolver adequadamente.

Foto 02

Correção do solo

A correção da acidez superficial pode ser visualizada em dois momentos: a correção para implantação inicial da lavoura e a recorreção para corrigir o retorno da acidez do solo ao longo de vários anos de cultivo na mesma área.

A correção para implantação inicial da lavoura, seja em solos de áreas nativas recém-abertas para o cultivo agrícola, seja em solo de pastagens degradadas, deve prever a correção de um perfil mínimo de solo, não somente da camada arável. Isto é tão importante quanto mais arenoso for o solo e, especialmente, quando se cultiva em condição de cerrado, em transição ou tensão ecológica cerrado/caatinga, onde podem ocorrer fortes veranicos durante o período chuvoso.

A correção inicial também deve prever a instalação de sistemas sustentáveis de exploração agrícola, como o Sistema Plantio Direto (SPD), o Sistema Integração Lavoura-Pecuária (ILP) ou o Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Nesses casos, não deve haver movimentação de solo após a correção inicial e todo aporte de nutrientes deve ser feito posteriormente em superfície. Assim, a correção deve ser robusta.

 Gilvan Barbosa Ferreira, pesquisador da Embrapa Algodão - Crédito Arquivo pessoal
Gilvan Barbosa Ferreira, pesquisador da Embrapa Algodão – Crédito Arquivo pessoal

Foco

O foco da correção com calagem é a camada de solo de 0 a 40 cm de profundidade em solos arenosos e de textura média, e de 0 a 30 cm nos solos de textura argilosa e muito argilosa, para agricultores empresariais. Para os agricultores pequenos e médios, a correção deve ser feita na camada de 0 a 20 cm.

A análise de solo dessas duas camadas vai indicar o pH inicial em água ou CaCl-2 e os teores da soma de bases trocáveis (SB = Na++ K++ Ca2++ Mg2+, em mmolc dm-3), de alumínio trocável (Al3+, em mmolc dm-3), da acidez potencial (alumínio e hidrogênio ou Al+H, em mmolc dm-3) e a Capacidade de Troca de Cátions do solo a pH 7,0 (CTC ou T = SB + Al+H, em mmolc dm-3).

Daí se calcula a CTC efetiva (t = SB + Al, em mmolc dm-3), o volume de saturação por bases trocáveis (valor V = 100 SB/T) e o valor de saturação por alumínio (m = 100 Al/t). Os teores da matéria orgânica do solo (MOS), de fósforo disponível (observar sempre o extrator usado) e de micronutrientes (boro ” B, cobre ” Cu, ferro ” Fe, manganês ” Mn, molibdênio ” Mo e zinco ” Zn) também são importantes para controlar todos os critérios da fertilidade em valores adequados.

Gilvan Barbosa Ferreira, pesquisador da Embrapa Algodão - Crédito Arquivo pessoal
Gilvan Barbosa Ferreira, pesquisador da Embrapa Algodão – Crédito Arquivo pessoal

Solo

O solo ideal para o algodoeiro deve ter pH entre 6,0 e 6,5 (em água) e volume de saturação por bases trocáveis (V) entre 55 e 65% na camada de 0 a 20 cm do solo. Na camada de 20 a 40 cm, V maior que 40-45% e na camada de 40 a 60 cm, V > 35%.

Idealmente, até um metro de profundidade o teor de Ca deve ser maior que 5 mmolc dm-3 (ou maior que 40% na CTC efetiva) e o teor de Al3+ deve ser menor que 3 mmolc dm-3 (ou 30% da CTC efetiva).

A correção da acidez superficial é feita com o uso de calcário dolomítico (>12% de MgO) ou magnesiano (3 a 12% de MgO), tentando manter sempre o teor de Mg2+ superior a 1,0 mmolc dm-3. Para solos que já tenham esse teor de Mg, pode ser usado o calcário calcítico para correção do solo.

A fórmula básica usada para dimensionar a calagem, por camada de solo, é dada pelo critério da saturação por bases trocáveis:

Necessidade de calagem (NC, t ha-1) = T* (Vf ” Vi)/(10*PRNT),   Eq. 1

Onde:

T é a CTC a pH 7,0, em mmolc dm-3;

Vf e Vi são os valores dos volumes de saturações inicial (obtidos da análise de solo) e final desejadas (55 a 65%);

PRNT é o poder relativo de neutralização do calcário, fornecido pela mineradora ou no rótulo do produto. Os valores mais comuns estão entre 65 e 85%, porém, pode variar amplamente de 45 a 110%.

Os valores calculados em cada camada de 20 cm (Eq. 1) podem ser somados para determinar a quantidade de calcário a ser aplicada na área até a profundidade que se deseja, ou então se pode fazer as médias dos valores de Vi e Vf a se obter e usar a equação 2:

Necessidade Total de Calagem (NTC, t ha-1) = Tm * (Vfm ” Vim)/(10*PRNT)* p/20* n, Eq. 2

Foto 04

Essa matéria completa você encontra na edição de junho de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Crotalária reduz em até 80% população de nematoides

  A crotalária é uma ótima ferramenta para o controle de nematoides. Quem garante é a nematologista da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de...

Pesquisa utiliza irrigação com água salina para produção de minimelancias

É muito comum encontrar, nas regiões semiáridas, problemas relacionados à salinização de água e do solo. Com o objetivo de avaliar os efeitos da...

Cultivo protegido – Técnicas para inibir doenças

Rafael Campagnol Doutor e professor de Fitotecnia - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá rafcampagnol@hotmail.com Giovani de Oliveira Arieira Professor de Fitopatologia -  Universidade Federal de...

Desafios – ervas daninhas em algodão

Igor Botega Junqueira igorbotega@gmail.com Anna Carolina Abreu Francisco e Silva annacabreufs@gmail.com Graduandos em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA) Letícia Silva Pereira Basílio...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!