31.9 C
Uberlândia
terça-feira, novembro 7, 2023
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiOídio na cenoura - Não dá para descuidar

Oídio na cenoura – Não dá para descuidar

Igor Souza Pereira

Fitopatologista do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) – campus Uberlândia

igor@iftm.edu.br

Marcia Toyota Pereira

Fitopatologista autônoma

mtoyotap@gmail.com

Créditos Igor Souza Pereira
Créditos Igor Souza Pereira

O oídio na cenoura foi observado no Brasil em 2008 e surtos recentes dessa doença ocorreram na cultura nas safras de inverno, com maior intensidade em Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo e Goiás.

De acordo com estudos feitos por meio de técnicas moleculares e morfológicas, o agente causal da doença foi identificado como sendo o fungo Erysiphe heraclei, já registrado causando danos em salsa no Brasil.

Agente causal da doença

Erysiphe heraclei é um patógeno da cenoura (Daucus carotae), do funcho (Foeniculum vulgare) e da salsa (Petroselinum crispum), não sendo, porém, relacionado a essa segunda espécie no País, de acordo com pesquisas mais recentes, indicando uma especialização ao hospedeiro.

O patógeno sobrevive, sobretudo, sobre tecidos vivos, podendo produzir estruturas de sobrevivência chamadas de cleistotécios.

Sinais e sintomas

As folhas, pecíolos e umbelas das plantas de cenoura infectadas tornam-se esbranquiçadas devido à presença do crescimento do próprio fungo sobre o tecido. Há redução na área fotossinteticamente ativa pelo recobrimento fúngico e consequente redução na produtividade, porém, com menor intensidade do que outras doenças foliares comuns nessa cultura.

Outro problema está relacionado com a colheita mecanizada, já que há uma redução na área foliar, dificultando o arranquio. Há uma maior intensidade nos sinais e sintomas quando o patógeno ataca precocemente, somado ao avanço dos estádios fenológicos da cultura.

Ocorre diferenciação na intensidade da doença de acordo com a cultivar plantada.

Condições favoráveis e disseminação

As condições mais favoráveis à doença ocorrem nos períodos de inverno caracterizados pela menor precipitação na região do cerrado. A disseminação dos esporos ocorre a partir de plantações mais velhas para as mais novas, sendo estes facilmente carregados pelo vento, associado ou não à água, podendo mover-se a longas distâncias.

Manejo

Ãœ Monitoramento das lavouras, ficando atento aos sinais iniciais da presença do patógeno;

Ãœ Fornecimento adequado de nutrientes e da irrigação para otimização do enfolhamento;

Ãœ Evitar o plantio em regiões e/ou nas épocas mais secas do ano. Essa prática torna-se inviável para a maioria dos agricultores especializados na produção de cenoura no País, que faz com que sejam necessárias outras práticas, como a aplicação de lâminas de irrigação mais pesadas;

Ãœ Uso de fungicidas. No Brasil não há fungicidas registrados para essa doença, porém, nos Estados Unidos e Austrália os agricultores lançam mão do uso de fungicidas de contato como clorotalonil (isoftalonitrila) e de fungicidas sistêmicos como a azoxistrobina (estrobilurina), trifloxistrobina (estrobilurina), piraclostrobina (estrobilurina), piraclostrobina (estrobilurina) + boscalida (anilida), boscalida (anilida) e propriconazole (triazol). Os fungicidas são recomendados em aplicação foliar no início do aparecimento da doença, realizando-se a rotação de grupos químicos. A escolha do fungicida depende das outras doenças foliares na cultura, como a Alternaria;

Ãœ Uso de cultivares que suportem melhor a doença.

Essa matéria você encontra na edição de junho da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Uso de Trichoderma no controle de Pythium na alface

  Elisa Adriano Aline José Maia Leandro Alvarenga Santos Doutores e pesquisadores da Universidade Estadual do Centro Oeste - PR Cacilda Márcia Duarte Rios Faria Doutora e professora da Universidade...

Fungicidas da DuPont têm registro ampliado para controle de bactérias em batata e tomate

Equation® também age com eficácia no manejo das doenças requeima e pinta-preta, em ambas as culturas Midas® controla as doenças requeima e alternária e...

Manejo integrado de plantas daninhas em bananais

Liliane Rocha Pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental  A cultura da bananeira é vulnerável à interferência negativa das plantas daninhas, que provoca sérios prejuízos, sobretudo redução...

Como preparar-se para o cultivo de abacate

Mariana Freire Alberti Mestranda PPG Fitotecnia " ESALQ/USP mariana.falberti@gmail.com Edypol Guilherme Baptista Mestre em Fitotecnia " ESALQ/USP   Para a maioria das espécies frutíferas, a aquisição ou preparo...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!