27.7 C
São Paulo
sexta-feira, maio 20, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Organominerais - Como agem na semeadura do feijão

Organominerais – Como agem na semeadura do feijão

Autores

Gabriela Romêro Campos
Graduanda em Engenharia Agronômica – ESALQ/USP
Paulo Roberto de Camargo e Castro
Doutor e professor – ESALQ/USP
prcastro@usp.br

O feijoeiro (Phaseolus vulgaris) é uma espécie com ampla distribuição geográfica, principalmente nas regiões tropicais onde as condições climáticas são favoráveis à espécie. O feijoeiro ‘IAC Imperador’ foi desenvolvido pelo Instituto Agronômico de Campinas e é uma cultivar que possui ciclo de maturação precoce de cerca de 70 a 75 dias, desde a emergência até a maturidade fisiológica, de acordo com as condições ambientais em que é cultivada.

A exigência por maior produtividade atualmente gera uma demanda por novas tecnologias e insumos, visando o aumento da produção sem aumentar a área de cultivo e utilizando práticas menos agressivas ao ambiente.

Condicionadores de solo são produtos que vêm sendo utilizados para melhorar determinadas condições físico-químicas do solo. Possuem geralmente altas concentrações de matéria orgânica, ácidos húmicos e fúlvicos que atuam na recuperação da fertilidade do solo, melhorando o equilíbrio físico, químico e biológico do solo.

Pesquisas realizadas com substâncias húmicas apontam que estas possuem propriedades químicas e físicas que promovem aumento na produção vegetal a partir das mudanças que trazem ao solo e a interação deste com a planta.

De acordo com Castro et al. (2017), as substâncias húmicas aumentam o movimento e absorção de íons, incrementam a respiração e a velocidade das reações enzimáticas do ciclo de Krebs, promovem alta produção de ATP nas células radiculares, aumento nos níveis de clorofila e na síntese de ácidos nucleicos.

Receita de alta produtividade

A utilização de micronutrientes conjuntamente com o condicionador de solo pode proporcionar ao feijoeiro melhor desenvolvimento e produção. Micronutrientes, apesar de serem exigidos em baixas concentrações, são de extrema importância. A deficiência de um micronutriente nas plantas pode desorganizar os processos metabólicos e causar a deficiência de um macronutriente (Lana et al., 2008).

Quando incorporado ao condicionador de solo, tanto o fósforo presente no fertilizante fosfatado quanto os micronutrientes apresentam maior disponibilidade para as plantas, acarretando em melhor desenvolvimento das mesmas.

Pesquisas

A utilização de diferentes fertilizantes e condicionadores de solo pode promover variações no desenvolvimento e produtividade dos cultivos. O objetivo deste trabalho foi verificar o efeito de fertilizantes atuando em conjunto com condicionadores de solo e separadamente, no crescimento e produtividade do feijoeiro ‘IAC – Imperador’.

Foram aplicados os seguintes tratamentos em solo com baixa fertilidade: (a) Controle, (b) Fertilizante mineral NPK, (c) Condicionador de solo, (d) Condicionador de solo + micronutrientes, (e) Condicionador de solo + fertilizante fosfatado e (f) Fertilizante orgânico.

O experimento foi realizado em blocos ao acaso e os resultados analisados pelo teste Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Verificou-se que o tratamento com condicionador de solo + micronutrientes aumentou o número, a massa seca de vagens, o número de grãos e a massa seca de grãos. A presença de micronutrientes no tratamento com condicionador de solo foi o fator responsável pela maior produção do feijoeiro ‘IAC – Imperador’, comparativamente aos demais tratamentos.

Material e métodos

O experimento foi instalado no Departamento de Ciências Biológicas da Escola Superior de Agricultura ‘Luiz de Queiroz’, com latitude 22° 42’ 30” S, longitude 47° 38’ 30” S e altitude 546 metros, localizado na cidade de Piracicaba (SP).

As plantas foram cultivadas em vasos com volume de 9,0 dm3, sob telado, no período de 11 de junho de 2018 a 03 de setembro de 2018.

Foram realizados os seguintes seis tratamentos, sendo que cada um deles teve oito repetições, perfazendo 48 parcelas: (a) Controle (sem aplicação de fertilizantes e/ou condicionador de solo); (b) 0,33 g dm3 de fertilizante mineral NPK (4-14-8); (c) 2,17 g dm3 do condicionador de solo (Fertilizante Organomineral Orgamax®); (d) 2,17 g dm3 do condicionador de solo + micronutrientes (Fertilizante Organomineral Orgamax HF®); (e) 2,17 g dm3 do condicionador de solo + fertilizante fosfatado (Fertilizante Organomineral Orgamax Phos®); (f) 2,17 g dm3 de fertilizante orgânico, em que a fonte utilizada foi esterco de carneiro curtido.

Os produtos foram incorporados ao solo nos 10 cm superficiais. O substrato utilizado foi de argila e areia (2:1), e a análise realizada no momento da implantação do ensaio mostrou que o solo se encontrava rico em macronutrientes (P, K, Ca e Mg) e deficiente em micronutrientes (B, Cu, Fe, Mn e Zn) para a cultura do feijão, segundo Oliveira (1996).

Os parâmetros de produção analisados foram: o número de vagens, a massa seca de vagens, o número de grãos, e a massa seca de grãos. O experimento foi realizado em blocos ao acaso e os resultados analisados pelo teste Tukey ao nível de 5% de probabilidade por meio do software Statistical Analysis System (SAS).

Resultados e discussão

O tratamento com condicionador de solos + micronutrientes (fertilizante organomineral Orgamax HF®) foi o que mostrou melhores resultados.

Com relação à produtividade, foram encontradas diferenças estatísticas apenas com relação ao tratamento com condicionador de solo + micronutrientes, em que o rendimento de grãos e seus componentes: número de vagens por planta e massa seca de vagens por planta, como mostra a Figura 1, e número de grãos por planta e massa seca dos grãos, apresentados na Figura 2, foram superiores a todos os demais tratamentos.

Acredita-se que este fato se deve aos micronutrientes presentes no tratamento. Lana et al. (2008), estudando a utilização de micronutrientes (molibdênio, manganês, boro, zinco e cobre) em feijoeiro, observaram que as plantas que receberam aplicação da combinação de micronutrientes apresentaram baixa produtividade. Porém, o solo onde o feijoeiro foi cultivado já apresentava teores desses micronutrientes classificados como médios e altos.

Fageria e Stone (2004) não encontraram efeitos significativos na produção do feijoeiro com a aplicação de zinco e consideraram esse fato como consequência do teor aceitável de zinco já presente no solo. Analisando a viabilidade econômica da aplicação de micronutrientes, Ceretta et al. (2005) também não encontraram diferenças na produção com a utilização de micronutrientes, pois o solo utilizado apresentava índices de nutrientes satisfatórios para a cultura do feijão.

Deste modo, é possível inferir que a maior produtividade observada entre os tratamentos foi resultado do fornecimento de micronutrientes às plantas, já que as análises químicas revelaram, de acordo com Oliveira et al. (1996), teores insuficientes de boro, cobre, ferro, manganês e zinco no substrato.

Os resultados encontrados indicam que é importante balancear a aplicação de micronutrientes no solo, pois a aplicação em excesso ou a escassez podem atuar de forma desfavorável ao desenvolvimento da cultura (Lana et al., 2008).

Conclusões

O tratamento com condicionador de solos + micronutrientes mostra melhores resultados com relação à produtividade. Certamente este fato se deve à deficiência de micronutrientes no substrato.

O tratamento com apenas condicionador de solo e aquele com fertilizante orgânico não apresentam diferenças significativas em relação ao controle nos parâmetros analisados.

Inicio Revistas Grãos Organominerais - Como agem na semeadura do feijão