Organominerais e pimentão: qual a relação?

0
61

Roberta Camargos de Oliveira

robertacamargoss@gmail.com

Fernando Simoni Bacilieri

ferbacilieri@zipmail.com.br

Engenheiros agrônomos e doutores em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

O pimentão (Capsicum annuum L), hortaliça fruta da família das solanáceas, possui ampla aceitação na gastronomia, em diferentes regiões pelo mundo. A composição fotoquímica de pimentão fornece grande quantidade de compostos bioativos e ingredientes naturais, não só para uso na indústria agroalimentar, mas também cosmética e farmacêutica, como substitutos dos compostos sintéticos.

Além da disponibilidade de diferentes cores e sabores, ultimamente também se tem investido em melhoramento para a seleção de novos formatos, ofertando novas tendências e novidades para os consumidores.

Por outro lado, investe-se no emprego e aplicação dos bioativos provenientes dos pimentões em novas formulações farmacêuticas, em especial para o enriquecimento de produtos com compostos fenólicos, vitamina C e A e minerais, como ferro e cálcio, que têm um potencial de promoção da saúde.

Relação com a cor

Os pimentões coloridos fornecem fitonutrientes diferentes de acordo com a composição. Pimentões amarelos e vermelhos possuem maiores teores de açúcares e, portanto, são mais doces que os verdes.

Há pesquisas recentes que têm levantado como estes frutos podem ser uma fonte interessante para proteger o organismo contra doenças específicas, de acordo com o composto majoritário presente em cada tipo de alimento.

O pimentão amarelo possui elevado teor de flavonoides, o verde é rico em ácidos fenólicos e o vermelho possui mais quantidades de carotenoides. Estes compostos interagem com o nosso organismo de forma positiva, com atividades antioxidantes, inibição enzimática e até mesmo propriedades protetoras do cérebro, sendo considerados componentes úteis na prevenção de demências, como o Alzheimer. 

Todos esses benefícios à saúde e a atenção e esforços para nos mantermos saudáveis tendem a mudanças de hábitos (inserindo pimentões e demais hortaliças no prato) e, com isso, o aumento da demanda desta interessante hortaliça-fruto.

Para atender em produção e qualidade nutricional, ou seja, a adequada formação pelas plantas destes compostos desejáveis é fundamental que os manejos sejam direcionados para maximizar o metabolismo vegetal (expressão do material genético) por meio do adequado fornecimento do aporte de nutrientes para as plantas.

Impacto da nutrição

Os nutrientes devem ser fornecidos por meio de fontes adequadas em quantidades e formas, de forma a atender a demanda do desenvolvimento das plantas (seguindo a marcha de absorção de nutrientes e potencial de assimilação, de acordo com as condições climáticas e o estágio dentro do ciclo), garantido assim que as plantas tenham a quantidade compatível dos nutrientes necessários para altos rendimentos.

É imprescindível que os produtores se orientem para fazer a adequada análise de solo, as adubações de solo e de cobertura, assim como um planejamento estratégico de nutrição foliar, para ajuste aprimorado e fornecimento de todos os componentes que potencializam a produção e qualidade.

Neste contexto, visando uma dinâmica mais completa e integrativa, há disponível no mercado e vem ganhando cada vez mais adeptos e destaque os fertilizantes organominerais (OM). 

Benefícios proporcionados

Em geral, os benefícios da aplicação de fertilizantes contendo frações diversas de origem mineral e orgânica (OM) iniciam com o impacto nos estágios vegetativos, com aumento em altura das plantas, número de folhas, de ramos por plantas e pesos frescos e secos de folhas.

Dessa forma, com maior enfolhamento, as plantas são capazes de otimizar a taxa fotossintética e ter energia necessária para o investimento em floração e, por conseguinte, frutos maiores e de maior qualidade (física e química), fechando o ciclo de cultivo com maior produtividade.

Os OM promovem uma dinâmica no solo de forma integrativa, uma vez que influenciam nos componentes físicos, químicos e biológicos do solo. Com isso, espera-se, com a sua adoção ao longo dos ciclos de cultivo, melhorias expressivas na disponibilidade de nutrientes para a absorção pelas plantas, e, em destaque, o fornecimento e transporte de micronutrientes necessários para crescimento e desenvolvimento das plantas de pimentão.

Esses elementos que são necessários em pequenas quantidades, e geralmente não inclusos em adubações mais padronizadas, podem ser fornecidos via OM de forma indireta (presença em estruturas provenientes de componentes orgânicos).  

Os OM estão relacionados à conservação da saúde do solo, o que é fundamental para uma agricultura sustentável e com retornos em produtividade agrícola. O estímulo da vida microbiana e sua biodiversidade no solo referem-se ao suprimento de resíduos orgânicos, que passam pelos processos de decomposição, mineralização e disponibilidade dos nutrientes.

Dessa forma, os microrganismos estimulados pela aplicação de OM favorecem a reciclagem ecológica, fluxo de energia, crescimento de plantas e sequestro de carbono.

As comunidades microbianas presentes no solo são profundamente afetadas pela aplicação de fertilizantes orgânicos e inorgânicos. Em geral, o uso contínuo de fertilizantes químicos prontamente solúveis promove redução na população da microbiota benéfica e o carbono orgânico total do solo, deixando o sistema fragilizado.

Alguns outros efeitos também são atribuídos a alguns tipos de OM, como a capacidade de promover alteração nos teores e balanços entre os reguladores de crescimento das plantas (controle dos níveis hormonais), aumento na tolerância ao estresse e metais complexos (devido as melhorias nas propriedades do solo).

Recomendações

Existem, no mercado, fertilizantes OM com diferentes fontes orgânicas e composições de nutrientes, tanto de forma sólida, para aplicação via solo, em adubações de plantio e cobertura, como em forma líquida, que podem ser aplicados via foliar ou fertirrigação.

De acordo com o planejamento estratégico da adubação, as doses e época de aplicação devem ser orientadas por profissionais capacitados, o que é importante enfatizar, pois o desbalanço entre os nutrientes promovido por uma aplicação mal posicionada é tão danoso quanto a deficiência.

Nesse contexto, às vezes pode acontecer de não se conseguir observar resultados positivos com a aplicação de OM, e isso pode não estar relacionado ao fato de que o produto não seja efetivo ou benéfico, mas sim, por orientação equivocada de dose, época de aplicação e falta de considerar a interação com outras atividades sendo desenvolvidas ao mesmo tempo na lavoura e das condições edafoclimáticas (antes, durante e depois) das aplicações.

Aplicações de OM de forma inadequadas, sem considerar a dinâmica global do sistema de cultivo onde será aplicado, podem promover um efeito até mesmo contrário ao esperado, devido ao estresse gerado na planta, pois ela tem que gastar energia para redirecionar e metabolizar aqueles componentes aplicados.

Em campo

A implementação do uso de fertilizantes com frações orgânicas permite a supressão de patógenos de solo que são capazes de devastar diversas culturas, entre elas o pimentão.  Pesquisadores (Tubeileh et al. 2020), ao avaliarem diferentes fertilizantes orgânicos constituídos por derivados de diferentes resíduos, observaram que as frações orgânicas promovem a redução significativa das populações de patógenos do solo, com inibição de crescimento na ordem de 29-40% para Verticillium dahliae, importante fungo de solo.

A redução foi observada duas semanas após a aplicação desses fertilizantes, tanto em campos orgânicos quanto convencionais.

 As alterações na composição das folhas das plantas de pimentão, devido ao aumento da produção de compostos fenólicos estimulados pelo uso de OM, reduzem a palatabilidade das folhas para os insetos. Portanto, ocorre uma redução no interesse dos insetos por se alimentarem de plantas cultivadas sob o manejo nutricional com componentes orgânicos (OM).

Mardani-Talaee et al. (2017) avaliaram o efeito de diferentes adubações sob a incidência de pulgões em pimentão cultivado em estufa. Os pesquisadores observaram que o uso de OM reduziu os danos dos pulgões (diminuição na fecundidade, aumento do tempo de desenvolvimento e da taxa de mortalidade) e levantaram que o uso de OM pode ser útil no manejo ecológico de pragas em combinação com outros métodos de controle.

Os componentes orgânicos presentes no OM também auxiliam no estresse salino, presente em algumas regiões. Altaey (2018) verificou que frações orgânicas proporcionaram maior desenvolvimento de pimentão sob estresse salino, devido à alteração no teor de enzimas que protegem as células de estresses oxidativos, promovidos pelo excesso de sal na solução do solo.

Frutos de pimentão

A aplicação de OM, devido às características mencionadas, possibilita maior rendimento e qualidade dos frutos. A melhoria na composição dos frutos também está relacionada com melhorias na pós-colheita dos frutos, o que otimiza e facilita as etapas de beneficiamento, transporte e distribuição para os canais de comercialização.

Estes ganhos estão relacionados na literatura, tanto para os OM sólidos quanto os líquidos, em suas diversas opções e recomendações. Portanto, considera-se que os OM podem substituir satisfatoriamente o uso de fertilizantes minerais e são alternativas viáveis e ecológicas também para o cultivo de pimentão.