Organominerais melhoram a absorção de nutrientes no tomateiro?

0
259

Autores

Felipe Campos Figueiredo
Professor Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas – Ifsuldeminas, campus Muzambinho
felipe.figueiredo@ifsuldeminas.edu.br
Priscila Pereira Botrel
Professora de Fisiologia Vegetal – Ifsuldeminas, campus Muzambinho
priscila.botrel@muz.ifsuldeminas.edu.br
Júlia Letícia Martins Galdino
Graduanda em Engenharia Agronômica – Ifsuldeminas, campus Muzambinho
julialeticia.martins@gmail.com
Crédito: Syngenta

O tomateiro é muito exigente em nutrientes, mas, ao mesmo tempo, é sensível à salinidade do solo (Medeiros et al., 2012), sendo necessário um maior número de parcelamentos de fertilizantes. O uso de fertilizantes organominerais tem o potencial de reduzir os danos da salinidade devido à sua liberação de nutrientes gradual e sincronizada com a demanda das plantas.

Isto ocorre porque o fertilizante organomineral possui composto orgânico rico em matéria orgânica e com alta densidade de cargas negativas (CTC) e positivas (CTA) que adsorvem (retêm) os nutrientes dos adubos minerais que são misturados a ele.

Depois de serem aplicados ao solo, os nutrientes contidos na matéria orgânica do fertilizante organomineral serão liberados para a água do solo. Esta liberação ocorre na medida em que as plantas absorvem os nutrientes diluídos nela, o que permite uma sincronia entre a necessidade das plantas e a liberação de nutrientes do fertilizante.

Mas, para que isso aconteça, o fertilizante organomineral precisa possuir uma quantidade de cargas suficientes para reter todos os nutrientes nestas cargas, caso contrário, os nutrientes não retidos serão liberados rapidamente para a água do solo e podem se perder por volatilização(N), lixiviação (N e K) ou fixação no solo (P).

Composição

Na produção de um fertilizante organomineral ideal, a mistura do fertilizante mineral deveria ser de 10 a 15% e de um bom composto orgânico de 85 a 90%. Portanto, um fertilizante organomineral ideal possui uma baixa concentração de nutrientes e a dose a ser aplicada chega ser 10 vezes maior que um fertilizante mineral.

O composto orgânico que compõe os fertilizantes organominerais possui ácido húmico e pode conter microrganismos benéficos (ex.: Bacillus subtilis). Estes são bioestimulantes do sistema radicular e promovem aumento das raízes que exploram maior volume de solo e aumentam a absorção de nutrientes (Baldotto; Baldotto, 2014).

O ácido húmico presente na matéria orgânica desses fertilizantes atua também como agente quelante natural, se ligando a íons metálicos, por exemplo, os micronutrientes: cobre, ferro, manganês e zinco, o que facilita sua absorção pelas raízes do tomateiro, melhorando a eficácia da adubação e o aproveitamento pela planta (Luz et al., 2010).

Estes fatores combinados fazem do fertilizante organomineral uma solução interessante para o produtor de tomate.

Para o tomateiro

Em trabalho realizado por Rosset et al. (2016), concluiu-se que os tratamentos não diferiram quanto ao tempo de prateleira, mas o fertilizante organomineral combinado com adubo mineral 10-10-10 produziu 47% mais tomate cereja que o fertilizante organomineral.

No trabalho de Públio (2017), a produtividade do híbrido Trucker não foi diferente entre os fertilizantes minerais e organominerais. Caixeta (2015) constatou aumento do potencial de enraizamento e da produtividade, assim como na disponibilidade de P no solo adubado com fertilizante organomineral. 

Em estudo da adubação com fertilizante organomineral via foliar e gotejamento do tomate ‘Débora Pto’, Luz et al. (2010) constatou-se que a produtividade e a receita gerada pelos tratamentos que continham esse fertilizante foram superiores à testemunha, que utilizava apenas fertilizantes minerais.

A receita líquida gerada em um hectare com os tratamentos que utilizavam fertilizantes organominerais foi de R$ 14.007,13 e R$ 11.303,00, contra R$ 4.446,88 da testemunha. Os autores justificam, ainda, que a diferença obtida na renda ocorreu devido à eficiência do organomineral em garantir uma nutrição equilibrada na planta, gerando frutos maiores e de melhor classificação, aumentando seu preço de venda e a rentabilidade.

Manejo

Os fertilizantes organominerais podem ser aplicados na cova de plantio das mudas e em cobertura, porém, não existem informações consistentes que justifiquem a redução da dose de nutrientes ou do número de parcelamentos sem o monitoramento nutricional e de crescimento das plantas.

Os erros mais frequentes no uso de fertilizantes organominerais são:

Ü Redução de mais de 30% da dose dos nutrientes recomendados para a cultura – toda e qualquer modificação na dose de nutrientes recomendada deve ser monitorada observando o crescimento, sanidade, florescimento, frutificação e também a análise foliar.

Ü Redução no número de parcelamentos. Se não for um fertilizante organomineral ideal, pode ser que as plantas desenvolvam deficiências nutricionais, o que reduz a produtividade.