18.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiOrientações sobre o manejo nutricional do repolho

Orientações sobre o manejo nutricional do repolho

Autores

Izabelle Rodrigues Ferreira Gomesizabelle.rodriguesferreira@gmail.com

Cynthia Patricia de Sousa Santos cynthiapsousas@gmail.com

Doutorandas em Fitotecnia – Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Stephanie Hellen Barbosa GomesEngenheira florestal e mestranda em Engenharia Florestal na Universidade Federal do Paraná (UFPR) – stephaniehellen2011@gmail.com

No Brasil, atualmente o repolho vem sendo consumido com bastante frequência nas saladas sendo servido refogado, in natura e em outras formas a partir da receita culinária e do paladar pessoal.

Essa hortaliça é formada por um conjunto de folhas que, unidas, têm um formato redondo, com potencial de auxiliar a queima de gordura, além de conter muitas outras propriedades medicinais. Rico em vitamina A, também possui vitamina C, auxilia na limpeza do sangue e estimula a digestão. Como apresentado, é um alimento de grande valor nutricional para o ser humano.

Interação do repolho (Brassica oleracea) com os nutrientes

Mencionando o termo nutricional, é importante falar da interação dos nutrientes com essa hortaliça ainda em campo, na fase de plantio do repolho. Pois bem, o repolho (Brassica oleracea var. capitata) é uma cultura muito exigente em nutrientes – o menor suprimento de algum dos nutrientes pode ocasionar em menor produtividade e baixa qualidade.

O manejo correto começa com a análise de solo para realizar as eventuais correções antes do plantio. A maior fase de absorção dos nutrientes é no início do encabeçamento até a colheita, ou seja, é necessário um solo rico em nutrientes desde o início do plantio até a etapa final, sendo a fase inicial uma das etapas primordiais para o repolho na absorção dos nutrientes.

O solo mais apropriado para o cultivo do repolho é aquele de textura média, solto, profundo e rico em matéria orgânica. O repolho é uma cultura tolerante à acidez, podendo desenvolver-se em faixas de pH entre 5.5 e 6.8.

A área de cultivo deve ser bem ensolarada, próximo a uma fonte de água limpa, contínua, situada em local que não tenha sido cultivado antes com outras brássicas, como couve, brócolis, rabanete, rúcula e outras.

A indicação para a profundidade das covas é de 10 a 15 cm de profundidade, ou sulcos, com 10 cm de profundidade, para onde serão transplantadas as mudas.

Essencialidade da nutrição

Basicamente, todos os nutrientes são essenciais para o repolho e suas aplicações feitas corretamente dão ao produtor melhores resultados. O nitrogênio e o potássio precisam ser aplicados de forma parcelada; o fósforo aplicado durante o plantio; cálcio e magnésio na correção, por meio do calcário, e complementar com fertilizantes via solo e foliar; o enxofre com aplicações parceladas; o boro, ferro, manganês, zinco, cobre e molibdênio têm em suas aplicações foliares melhores produtividades em função do pH do solo que, exceto o molibdênio, quando próximos a pH 7,0, que é o ideal para o desenvolvimento do repolho, deixa indisponível o B, Fe, Mn, Zn e Cu para a absorção via raízes.

Inovações e obstáculos

[rml_read_more]

As inovações no manejo do repolho são direcionadas para o solo, realizando uma boa adubação no perfil e as correções necessárias para receber o transplante das mudas de repolho. Os fertilizantes mais usados são os organominerais e os que têm como nutriente principal os de fontes de potássio, como o polissulfato de potássio, que além deste fornece cálcio, magnésio, enxofre e nitrogênio de liberação controlada. Assim, permite seu melhor aproveitamento.

Micronutrientes com formulações diferenciadas também podem ser considerados, assim como os aminoácidos e condicionadores de solo, os quais permitem melhor aproveitamento dos nutrientes.

Os resultados de campo, em acompanhamento aos produtores, indicam excelentes colheitas com elevada produtividade, apresentando uma excelente sanidade e uma boa pós-colheita. Os resultados práticos de campo são correção antecipada, aplicação do fósforo adequadamente, novas fontes de fertilizantes e corretivos contendo cálcio, magnésio e enxofre, uso dos micronutrientes via foliar e aplicações frequentes de boro; ferro, manganês, zinco, cobre e molibdênio.

Apesar do desenvolvimento e disponibilidade das tecnologias citadas anteriormente, é primordial estar atento aos erros cometidos, uma vez que esses podem limitar a produtividade do repolho mesmo com o uso de tecnologias.

Em geral, os problemas comumente identificados nessa cultura estão relacionados à nutrição mineral do solo, seja por déficit ou excesso dos nutrientes disponíveis a planta.

Na medida certa

A adubação excessiva de macro e micronutrientes pode gerar fitotoxidez e também provocar aumento na concentração de sais no solo, o que irá dificultar a disponibilidade de outros nutrientes em forma de cátions.

As hortaliças são plantas exigentes em potássio e, por isso, deve-se estar atento às dosagens recomendadas para evitar a deficiência de cálcio e magnésio, que também são importantes para atingir a alta produtividade e qualidade do repolho. Além do potássio, o excesso de adubação com fósforo, nitrogênio, cobre e boro traz danos à planta.

Embora os erros mais frequentes ocorram em decorrência da adubação, o manejo da correção do solo também deve ser considerado. Geralmente, a calagem realizada próxima ao plantio dificulta o desenvolvimento do repolho.

Diante disso, para minimizar os erros, o produtor deve realizar a análise de solo, buscar acompanhamento de um profissional para a recomendação das dosagens corretas, bem como o período ideal de aplicação de macro e micronutrientes de acordo com as necessidades da planta e a observação de déficit hídrico.


Você sabia?

Na cultura do repolho, os fertilizantes são responsáveis pelo terceiro maior custo de produção. Sendo assim, o manejo correto do repolho gera economia com insumos, a partir da aplicação com a dosagem, maneira e tempo adequados às necessidades das plantas.

Dessa forma, o investimento correto permite ter uma produção com baixo custo por unidade produzida e melhor valor no produto a ser ofertado, o qual confere maior retorno sobre o investimento.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ceplac: 65 anos de pesquisa e tecnologia para o cacau brasileiro

Há três anos, em uma área inicial de cultivo de bananas em Barreiras, na Bahia, o produtor Moisés ...

Para cada etapa é preciso aplicar o fosfito ideal

Daniel Avelar Engenheiro agrônomo da Agribase dfravelar@hotmail.com   Para não errar, o produtor deve saber que, de acordo com seu objetivo, há um fosfito específico a ser aplicado....

Toggle – Mudando para obter maior produtividade em milho safrinha

Daniel Gehler Gerente comercial da Acadian do Brasil Lilian Saldanha Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Acadian do Brasil   Não seria ótimo obter maior produtividade? A Acadian Seaplants...

Cafeicultores de Minas Gerais obtêm resultados positivos mesmo com a seca

O Programa Construindo Plantas (PCP 360) da Fertiláqua atua na fisiologia da planta e na qualidade do solo, proporcionando maior produtividade e rentabilidade da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!