21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesOs conflitos entre Israel e o mundo árabe

Os conflitos entre Israel e o mundo árabe

Leia a coluna Pensando Estrategicamente, por Antônio Carlos de Oliveira.

Antônio Carlos de Oliveira/Reprodução

Pensando Estrategicamente
por Antônio Carlos de Oliveira.

Texto publicado originalmente no Diário de Uberlândia

Em 1948, Israel declarou sua independência, levando a uma guerra com os países árabes vizinhos, que não reconheceram a existência do Estado judeu. O conflito resultou na expansão do território israelense.

A Guerra de Declaração da Independência de Israel, proclamada em 14 de maio de 1948, é um evento crucial na história da formação do Estado de Israel. Também é conhecida como a Guerra Árabe-Israelense de 1948 ou a Nakba (a “catástrofe” em árabe), como é chamado o início do processo de expulsão do povo palestino de suas terras, e marcou o fim do mandato britânico na Palestina.

O conflito tinha raízes profundas na disputa pela Palestina entre a comunidade judaica e a população árabe. Os judeus sionistas estavam migrando para a Palestina desde o final do século XIX, e as minorias étnicas e políticas aumentaram à medida que mais judeus chegavam e se estabeleciam.

Algum tempo depois, em 1967, Israel travou combates com vários países árabes no Oriente Médio. O conflito surgiu pelo fato das relações entre Israel e seus vizinhos árabes, especialmente o Egito, estarem extremamente tensas devido a conflitos territoriais, questões de refugiados palestinos e desentendimentos políticos.

Tudo começou com Israel lançando um ataque surpresa contra as forças egípcias, destruindo uma grande parte da Força Aérea egípcia. O ataque preventivo lançado por Israel contra as forças egípcias, principalmente na Península do Sinai teve sua motivação o bloqueio do Estreito de Tiran pelos navios egípcios em 23 de maio de 1967. Este bloqueio representou uma séria ameaça à soberania e segurança de Israel.

Simultaneamente Israel enfrentou as forças sírias nas Colinas de Golã. Houve um alerta aéreo na região das Colinas de Golã, território disputado entre Israel e Síria.

Em uma ofensiva surpreendente, Israel conquistou territórios significativos, incluindo a Península do Sinai, a Faixa de Gaza, as Colinas de Golã, a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Margem Ocidental do rio Jordão.

A Jordânia juntou-se ao conflito atacando Israel, pelo fato de as forças israelense ter assumido o controle sobre a Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental.

O Iraque também participou do conflito, fornecendo apoio à coligação árabe durante a guerra.

Outro conflito conhecido é Guerra do Yom Kippur, em 1973, chamada de Guerra do Dia do Juízo Final, resultado de tensões entre Israel e seus vizinhos, Egito e Síria. Os principais motivos incluíram a disputa de territórios, particularmente a Península do Sinai e as Colinas de Golã, que foram ocupadas por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967.

Em 6 de outubro de 1973, que coincidiu com o Yom Kippur, o Dia do Perdão no calendário judaico, Egito e Síria lançaram ataques surpresa contra Israel. Isso levou a confrontos intensos. Ela também teve implicações significativas, incluindo a Crise do Petróleo, devido ao embargo árabe de petróleo.

Desde a década de 1940, as relações continuam tensas e persistentes, com questões em aberto, como no caso dos territórios ocupados, o status de Jerusalém e os direitos dos refugiados palestinos. Organizações como o Hamas também têm desempenhado um papel significativo nos conflitos recentes.

As relações de Israel com grupos terroristas no mundo árabe são complexas e têm sido marcadas por conflitos prolongados. Israel tem enfrentado desafios significativos de grupos considerados terroristas em diferentes regiões, principalmente na Palestina e áreas circundantes.

O conflito Israel-Palestina é um dos mais duradouros e complexos do mundo. Envolve Israel e grupos palestinos, como o Hamas, considerado um grupo terrorista por Israel, os Estados Unidos e a União Europeia.

O Hamas controla a Faixa de Gaza, e, é considerado um grupo terrorista por Israel e por várias nações ocidentais. A organização tem uma longa história de conflitos com Israel, incluindo lançamento de foguetes, ataques suicidas e conflitos armados. O Hamas busca a destruição de Israel e controla uma faixa de terra contígua ao Estado israelense, tornando-se um grande desafio de segurança.

O Hezbollah é um grupo xiita libanês que tem ligações com o Irã. Israel travou uma guerra com o Hezbollah em 2006, após o sequestro de soldados israelenses na fronteira com o Líbano. O Hezbollah é considerado um grupo terrorista por Israel e pelos Estados Unidos. A organização continua a representar uma ameaça significativa ao norte de Israel.

A Jihad Islâmica é outro grupo palestino que opera principalmente na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. Ela é considerada um grupo terrorista por Israel. O grupo frequentemente conduz ataques contra alvos israelenses e tem laços com o Irã.

Al-Qaeda e outros grupos jihadistas, embora não sejam focados apenas em Israel, expressam hostilidade em relação a Israel e podem tentar conduzir ataques contra alvos israelenses no exterior.

O Estado Islâmico (ISIS) também é um grupo extremista que não se limita a atacar Israel, mas expressou interesse hostil em relação ao Estado Judeu. Israel tem vigilância e segurança rigorosa para prevenir ameaças do ISIS em suas fronteiras.

Alguns países árabes, como o Irã, têm apoiado grupos militantes anti-Israel, fornecendo financiamento, treinamento e armas. Isso complica ainda mais as relações regionais.

É importante notar que a classificação de grupos como terroristas pode variar entre diferentes nações e organizações. O Hamas, por exemplo, é considerado um grupo terrorista por alguns países e organizações, mas é visto como um movimento de resistência por outros.

As relações entre Israel e os países árabes têm sido complexas e caracterizadas por conflitos intermitentes e negociações de paz. A busca por uma solução duradoura continua a ser um desafio fundamental na região.

O diálogo e negociações têm sido tentados em várias ocasiões, mas a resolução do conflito continua sendo um desafio significativo.

O conflito Israel-Hamas em andamento atualmente, afeta o Brasil e o mundo através das suas implicações humanitárias, econômicas, geopolíticas e diplomáticas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Projeto busca diminuir conflito entre antas e produtores rurais

Projeto envolvendo medidas de intervenção para redução de conflitos humano-fauna é inédito na Serra do Mar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!