Panorama do cultivo de abacate no Brasil

0
1527

Sylmara Silva

Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

sylmara-silva@hotmail.com

Foto: Shutterstock

No Brasil, até meados da última década, o abacate era visto como uma fruta adocicada, consumida tradicionalmente com açúcar ou no preparo de vitaminas, tendo pouca expressão na gastronomia brasileira.

Porém, o aumento de canais culinários nas redes sociais e realitys culinários em diferentes canais de TV vem colocando essa fruta em um novo patamar. O guacamole, prato tradicional da culinária mexicana, vem se tornando cada vez mais comum no cotidiano brasileiro, além de diferentes preparos, como molhos, maioneses, saladas, entre outros.

Com o aumento da busca por alimentos saudáveis devido à pandemia, o abacate, considerado um superalimento também ganhou ainda mais destaque.

Importância mundial

A produção brasileira de abacate já se constitui como uma das maiores do mundo, ocupando a 6ª posição entre os produtores mundiais. Segundo matéria recente do Globo Rural, a área total de abacate no País, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), passou de 10,9 mil hectares em 2016 para 16,4 mil hectares em 2020, sendo que 98% dessa produção destina-se a exportações.

Mesmo que a produção brasileira represente apenas 3,2% do total mundial, nota-se que a abacaticultura tem se tornado a aposta de novos estados, como o Ceará, que produz abacates da variedades tipo Hass nas entressafras dos principais produtores do Sul e Sudeste.

Em destaque

O abacate é uma cultura que tem preferência por climas amenos, com baixa umidade. O maior Estado produtor de abacate no País é São Paulo, seguido por Minas Gerais e Paraná. 

É uma cultura que tem grande potencial de ser utilizada em consórcio com outras espécies, como o café, propiciando um bom complemento de renda para os produtores. Devido às oscilações nos mercados de insumos, não foi possível estimar com precisão o preço de implantação da lavoura, porém, as primeiras colheitas ocorrem a partir de dois anos e meio, sendo os lucros mais elevados a partir do quarto ano de colheita.

A produção brasileira possui um rendimento médio de 16.457 kg por hectare, tendo um grande potencial de crescimento em diversos Estados brasileiros.

Expansão

De acordo com a CNA, o cultivo de abacate no Triângulo Mineiro teve um incremento de 79% nos últimos cinco anos. Como estratégia de expansão, os produtores vêm realizando a redestinação de frutos que não se enquadram nas demandas do mercado in natura para a produção de outros produtos, como o azeite.

Esse tipo de estratégia, além de permitir o melhor aproveitamento da produção, gera diversificação de renda aos produtores e amplia a oferta de empregos na região.

O Paraná, terceiro maior produtor do País, também tem crescido no cultivo de abacate. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento, nos últimos 10 anos a área de plantio aumentou 19%, e a produtividade também subiu 34% no período.

Exportações

Em relação às exportações, os últimos resultados do setor não foram tão promissores. Dados comparativos entre o primeiro trimestre de 2021 e 2022 indicam que houve uma diminuição, tanto no valor quanto no volume de abacates exportados.

De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), no primeiro trimestre de 2021 foram exportados R$ 2.245.402,00, enquanto em 2022 o valor foi de R$ 1.894.013,00, representando uma diminuição de 16% em relação ao ano anterior.

Já o volume exportado no primeiro trimestre de 2021 foi de 1.113.476 kg, enquanto que no mesmo período de 2022 foi de 1.015.468 kg, resultando em uma queda de 9%.

Novos mercados

Diversos esforços têm sido feitos, tanto por órgãos institucionais quanto por produtores para a abertura de novos mercados, tendo como foco principal a exportação de frutos de abacate variedade “Hass” para os Estados Unidos, Alaska, Porto Rico e Ilhas Virgens Americanas.

De acordo com a Secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, o Plano de Trabalho operacional para o programa de exportação de frutos de abacate “Hass” do Brasil para os Estados Unidos e países afins é realizado mediante acordo de cooperação entre ambas as partes interessadas, tendo participação o Serviço de Inspeção da Saúde Animal e Sanidade Vegetal, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (APHIS/USDA), dos técnicos do Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária de São Paulo, além de produtores paulistas.

Desafios

No campo, os desafios enfrentados pelos produtores também são grandes. De acordo com o engenheiro agrônomo Lucas Gonçalves Machado, que atua na Coopadap (Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba), as maiores dificuldades que o abacaticultor enfrenta no campo são o baixo suporte fitossanitário da cultura (pesticidas registrados), acesso a mudas sadias, mão de obra e assistência técnica qualificada.

Já da porteira para fora, Lucas destaca que o mercado interno ainda é limitado para o avocado Hass, há baixa adesão dos produtores ao associativismo para alavancar a cadeia do abacate, e por fim falta regulamentação e fiscalização quanto aos padrões mínimos de qualidade de frutos que vão para o mercado, onde muitas vezes por oportunismo encontramos frutos imaturos sendo comercializados, lesando consumidores e também produtores que trabalham com seriedade.

Desafios semelhantes foram apontados pelo engenheiro agrônomo Curds Goodson Guimãraes, do Grupo Tsuge. De acordo com Guimarães, “o principal desafio da cadeia do abacate é a falta de pesquisa científica da cultura, o qual impacta diretamente nos manejos e tratos culturais, bem como a dificuldade de produtos registrados no Brasil para a cultura”.

Potencialidades

Apesar dos inúmeros benefícios nutricionais dessa fruta, os brasileiros ainda possuem um baixo consumo per capita, sendo consumido apenas 301 gramas/ano, segundo dados do IBGE. Esse baixo consumo da fruta pode estar associado a diferentes mitos, como o de que o abacate está associado ao ganho de peso.

Desde 2016, a Associação Abacates do Brasil, promove a página @amoabacate no Facebook e Instagram com o objetivo de ampliar o conhecimento do abacate aos consumidores, favorecendo o consumo por meio da divulgação de receitas, dicas saudáveis e informações nutracêuticas.

O abacate é uma cultura com inúmeras potencialidades, podendo trazer vários benefícios ao País, tanto do ponto de vista econômico, social, quanto ambiental. De acordo com a Associação Abacates do Brasil, “o incremento do cultivo do abacate é certamente uma tarefa pendente no Brasil. Além do agronegócio exportador, do qual o Brasil participa apenas com 0,3%, o aumento do consumo interno deste fruto contribuiria para o enriquecimento nutricional da alimentação da população”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!