Panorama nacional da produção de graviola

0
179

Lucas Guilherme Araujo SoaresGraduando em Agronomia – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA/Capitão Poço)lucasifpa@gmail.com

Thiago Feliph Silva Fernandesthiagofeliph@hotmail.com 

Antonio Santana Batista de Oliveira Filhoa15santanafilho@gmail.com

Mestrandos em Agronomia/Produção Vegetal – FCAV/UNESP

Graviola – Crédito: Shutterstock

O agronegócio é um dos principais pilares da economia brasileira. Em 2019, o setor movimentou R$ 1,55 trilhão, na qual representa 21,4% do total do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Esalq/USP, realizada em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA, 2020). Dentre os segmentos, a fruticultura vem apresentando uma evolução contínua, principalmente na produção de frutas, seja in natura ou processadas.

De acordo com dados da Food and Agriculture Organization (FAOSTAT, 2018), o Brasil é o terceiro produtor mundial de frutas. Estima-se que o volume da sua produção em 2016-2018 superou 40,5 milhões de toneladas, o que representa uma participação de 4,6% da produção mundial, gerando US$ 858 milhões, perdendo apenas para China e o Chile, primeiro e segundo, respectivamente.

Apesar de o setor frutícola nacional ser caracterizado por métricas positivas, é de se salientar que o setor está centralizado nas culturas da banana e laranja, que somadas correspondem a 61% da área frutícola plantada. Mas, alicerçar a produção frutícola em sua maioria em apenas duas espécies traz um sério risco, pois o produtor fica sujeito a oscilações dos mercados e problemas fitossanitários.

Neste contexto, ampliar a produção de outras espécies tropicais cultivadas (exóticas e nativas) constitui uma estratégia promissora para a diversificação da cadeia produtiva do produtor. Dentre essas frutas, a graviola (Annona muricata Linn) vem ampliando seu destaque, principalmente em mercados frutícolas latino-americanos e asiáticos.

Quem é ela

A Annona muricata Linn é uma espécie frutífera, que de acordo com a cultura local pode ter variados nomes populares, porém, frequentemente é conhecida como “graviola”, “guanabana”, “pata-pata”, “sopa azeda”, etc.

Nativa das regiões das América do Sul e Central, mais precisamente dos vales peruanos, caracteriza-se por ser uma árvore perene, de médio porte (variando entre cinco a oito metros de altura), apresentando fuste ereto, ramificações assimétricas com copa aberta e arredondada, folhas grandes com forma oblongo-lanceoladas ou elípticas.

Os frutos são uma baga composta ou sincarpo, cujo peso oscila entre 400 g a 10 kg em formato de coração e de cor verde-escuro (variando entre 15 a 20 cm) (Moghadamtous, 2013).

Importância econômica

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.