28.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 24, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesParceria fortalece cadeia pesqueira e aquicultura

Parceria fortalece cadeia pesqueira e aquicultura

Conepe emerge como uma voz destacada na promoção da pesca e aquicultura sustentáveis, impulsionando a colaboração e desenvolvimento

O Coletivo Nacional da Pesca e Aquicultura (Conepe) desponta como uma força mobilizadora independente, crucial no cenário da pesca e aquicultura, unindo diversas vozes e esforços em prol do desenvolvimento sustentável e da inovação. Fundado em 1981, a entidade vem se posicionando como um catalisador para o progresso do setor, chamando e estimulando práticas responsáveis, foco prioritário nos ecossistemas e na valoração da biomassa explotada.

Créditos: Divulgação

Cadu Villaça, atual presidente do Conepe, explica que o Coletivo nasceu como resposta à necessidade de criar um espaço de diálogo e ação conjunta para enfrentar os desafios complexos que afetavam e seguem afetando a pesca e a aquicultura, com regionalidades e ecossistemas tão diversos neste país continental que precisa identificar convergências e trabalhar a partir delas.

“Nesses mais de 40 anos de existência, o Conepe tem buscado, junto a Governos, instituições de ensino e pesquisa e mais recentemente em parcerias internacionais, influenciar o desenvolvimento da cadeia produtiva da pesca e aquicultura, inclusive participando de fóruns governamentais afetos à atividade pesqueira nacional, incentivando capacitação técnica e profissional e desburocratização e automação de processos”, afirma Cadu. Neste caminho houve tropeços, desvios e retomadas, e desde 2016 o então Conselho Nacional da Pesca, hoje Coletivo, sob a mesma abreviação, trabalha sob estatuto e posturas mais estritas, defendendo posicionamento mais técnico e construtivamente crítico.

Atualmente, o Conepe tem a missão de representar e defender o setor pesqueiro e aquícola na promoção de um ambiente favorável aos negócios, à competitividade, à inserção social e ao desenvolvimento sustentável da pesca e da aquicultura. Além disso, a entidade tem como visão ser a entidade de referência do Setor Empresarial da Pesca e Aquicultura, na representação legal, política e na difusão do conhecimento. Integram seus quadros representantes de norte a sul do Brasil, de variadas pescarias, camarões, peixes vermelhos, Atuns, sardinhas, lagostas, corvinas e toda a riqueza de produtos pesqueiros nacionais está vinculada à instituição. Tripulações, estaleiros, serviços, indústria e comércio são abordados, cada vez mais, sob um ritmo ditado por tempos geracionais.

Cadu explica que o Conepe trabalha com metas ambiciosas para promover um futuro saudável e produtivo para o segmento e que estes objetivos só serão alcançados com zelo e atenção ao ambiente. Daí, continuar atuando como voz contundente para pleitear políticas públicas e regulamentações que favoreçam a sustentabilidade, o acesso ponderado aos recursos e ao desenvolvimento das comunidades dependentes da pesca e aquicultura, no equilíbrio e harmonia entre as componentes artesanais e industriais, além da promoção e garantia de segurança alimentar duradoura, pela produção equilibrada de proteína de alto teor nutritivo e baixa “pegada de carbono”, características nobres da produção pesqueira e aquícola.

Além disso, por meio da conscientização, o Conepe promove a adoção de práticas de pesca e cultivo responsáveis, visando menores impactos e a conservação dos ecossistemas aquáticos, seus estoques, a prevalência do embasamento científico e dos benefícios socioeconômicos decorrentes. “O Conepe promove um “novo pensar” empresarial e de gestão pública, que considere desde a capacitação para pescadores e aquicultores, fornecendo conhecimento técnico atualizado, habilidades de gestão e noções de conservação ambiental, até o impacto no consumo”, comenta o presidente.

Para os próximos anos, entendem, vai acontecer uma grande transformação na atividade, com toda a cadeia absorvendo e agindo sob princípios de sustentabilidade, como o conhecimento e respeito à capacidade de suporte de estoques pesqueiros, à traceabilidade na cadeia produtiva, no monitoramento e registro adequados, além de investimentos mais perenes em pesquisa e inovação. Ainda, que a participação do comércio, seja varejista, atacadista ou o food-service neste processo é fundamental, pois estes serviços atuam como pontes entre a produção primária e o consumidor e é grande a responsabilidade destes atores em influenciar por este angulo, da origem legal, social e ambientalmente amigável do produto que compra e degusta. O que hoje se mede por giro e margem de contribuição, deverá ser também medido pelo comprometimento e poder de promover mudanças comportamentais em benefício do Planeta, incluindo certificações.

“A aderência do Brasil a esta agenda, já implantada globalmente nesta atividade, será uma questão de tempo e sobrevivência, estamos com limitações de mercado e passando por restrições de produção em recursos compartilhados por absoluta incapacidade de nos mostrar aptos a fazer uma boa gestão. Isto se aplica aos atuns na Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico – ICCAT, nas novas regras e diretrizes que vão surgir com a ratificação do acordo BBNJ (Biodiversidade fora de jurisdições nacionais) e, nacionalmente, com a provável sanção do Projeto da Lei do Mar, que coloca várias atividades que utilizam de recursos no ambiente costeiro/marinho como Energia, Mineração, Logística, Turismo entre outros, sob uma política integrativa, onde prevalecerão os princípios de preservação e do uso sustentável do ecossistema costeiro/marinho em situações que prevalecerão coerência e amplitude. Enfim, são obvias a necessidade e a tendência de maior regulamentação e melhor gestão neste ambiente e atividades, reforçados por um movimento internacional convergente, tão claramente sintetizado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS/ONU”, explica o presidente.

A responsabilidade do Conepe é ainda maior, pois representa interesses de usuários de recursos públicos, para geração de empregos e renda, manutenção de modos de vida, tradições e culturas, portanto, tem a obrigação de defender a possibilidade e o mesmo privilégio a gerações futuras.

“É pertinente que sejamos cobrados em postura, ações e promoção de políticas com este objetivo, apenas não podemos deixar derivar para ideologias e radicalismos que buscam, por meio de campanhas difamatórias, desacreditar setores tradicionais e históricos. Tampouco podemos nos dobrar à indústria de autuações e judicialização promovida por alguns órgãos de controle e fiscalização. Agentes públicos costumam tentar “criminalizar” sem respaldo legal ou normativo, usando recursos públicos para satisfazer suas frustrações e obrigando o cidadão a defender-se às expensas de recursos privados, contestar abusos e anomalias interpretativas, este é um procedimento que precisa ser revisto!

Há todas as condições de absorver e promover mudanças e minorar impactos, é um esforço conjunto, que depende de políticas públicas, de comprometimento, confiança e muito trabalho, de pensar diferente e fazer uso da inovação e de novas tecnologias e comunicação. Precisamos de uma visão participativa, que, como os oceanos, não distinguem ou criam fronteiras e povos, mas ao contrário, une, integra”, finaliza Cadu Villaça.

ARTIGOS RELACIONADOS

Biotrop amplia práticas de ESG com programa de economia circular

Parceria da empresa com a eureciclo, certificadora de logística reversa de embalagens, ...

IBGE e Embrapa firmam parceria em rede de monitoramento

A estação MSGR substituirá a antiga MSCG, atendendo à grande demanda por dados para posicionamento geodésico na região de Campo Grande.

Carreta Agro pelo Brasil

A participação da estrutura na feira tem a parceria do Sistema Faesc/Senar e está à disposição dos produtores rurais e profissionais do agronegócio até esta quinta-feira (28).

CESB e Embrapa firmam parceria técnica

Iniciativa tem, entre os objetivos, o de identificar a melhor época para a semeadura da soja em cada região do país, levando em consideração vários fatores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!