21.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 24, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasPesquisa desenvolve araucária com menor porte e produção precoce de pinhão

Pesquisa desenvolve araucária com menor porte e produção precoce de pinhão

 

Créditos Embrapa Florestas
Créditos Embrapa Florestas

Normalmente, a araucária começa a produzir pinhões quando alcança de 12 a 15 anos de idade e pelo menos oito metros de altura. Com a metodologia desenvolvida pela Embrapa Florestas (PR), as árvores começam a produzir a partir do período entre seis e oito anos e o porte das árvores fica entre dois e seis metros de altura, o que facilita a coleta das sementes.

Com a adoção dessas mudas, os produtores poderão investir na formação de pomares de pinhão como uma fonte de renda na propriedade rural. O pinhão é a semente da araucária, também conhecida como pinheiro-do-paraná, bastante apreciado na alimentação humana. É encontrado dentro da pinha nos galhos das árvores fêmeas.

Mercado

Embora seja um mercado muito informal, dados de volumes comercializados nas unidades da Ceasa-PR indicam que em 2014 foram vendidas 800 toneladas de pinhão, de várias procedências, totalizando um valor de quase R$ 4 milhões. Se considerarmos o volume informal, estes valores podem ser até quintuplicados.

“O mercado tem bastante potencial”, explica o pesquisador Ivar Wendling, da Embrapa Florestas. “Se possibilitarmos a produção precoce e a facilidade na coleta, pode se tornar uma fonte de renda importante para os produtores rurais”, completa.

Como é possível?

O protocolo desenvolvido pela Embrapa Florestas para produção de mudas utiliza a técnica de enxertia a partir de brotos da copa da árvore. “Estes brotos que serão enxertados têm a ‘idade ontogenética’ da árvore de onde foram coletados, então vão se comportar como árvores adultas”, explica Wendling.

Com isso, as novas plantas começam a produzir o pinhão em muito menos tempo, além de reduzir o porte das árvores. A técnica também auxilia a produzir pinhão com as características mais desejadas pelo mercado consumidor, pois é possível identificar e selecionar árvores-matrizes de acordo com o que se deseja.

Pesquisa realizada em 2010 com consumidores de pinhão em Curitiba mostra que o hábito de consumo da semente é bastante frequente entre as famílias curitibanas. “A quantidade média de compra é de dois a quatro quilos por semana”, revela a pesquisadora Rossana Catiê Godoy, responsável pela pesquisa. “Na hora da compra, o consumidor baseia-se muito na aparência, como cor, tamanho, brilho, diâmetro, frescor e ausência de sujeira”, pondera.

Essas características então podem ser identificadas em árvores-matrizes e ajudar no processo de seleção das árvores que terão seus brotos colhidos para a enxertia. Segundo Wendling, itens como composição nutricional diferenciada, época de produção, entre outros, também poderão servir como base para a seleção.

Pinhão precoce

Outra questão é que algumas árvores produzem os chamados pinhões precoces, que ficam prontos para colheita em fevereiro e março. Da mesma forma, outras árvores produzem pinhões tardios, que podem ser coletados geralmente até setembro. “Com esta técnica, também podemos, no futuro, desenvolver pomares com plantas que produzam pinhão praticamente o ano inteiro”, avalia Wendling.

Outra vantagem desse processo é a possibilidade de saber com antecedência qual o sexo da planta que está sendo gerada, o que na produção de mudas via semente só é possível quando as plantas iniciam o florescimento, com cerca de dez anos. “Para programas de resgate e conservação da araucária isso é fantástico, pois, por se tratar de uma espécie dioica, que tem sexos diferentes, é preciso plantas dos dois sexos para proporcionar sua reprodução”, finaliza o pesquisador.

Essa matéria você encontra na edição de junho/julho da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira a sua!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Cenoura híbrida reduz o pendoamento na lavoura

Agnaldo Carvalho Pesquisador da Embrapa Hortaliças Ao comparar as variedades de cenoura com as híbridas, estas últimas apresentam produtividade visivelmente superior, chegando a 30%. Além disso,...

Manejo da dessecação na sojicultura

  Pedro José Nascimento Cintra pedro_nascimento.c@hotmail.com Pedro Menicucci Netto pedromenicucci2010@hotmail.com Graduandos em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), integrantes do Grupo de Estudos em Herbicidas, Plantas Daninhas...

Como reduzir perdas pós-colheita

A colheita deve ser realizada de manhã cedo, quando a temperatura estiver mais amena e, no caso das frutas, estas devem estar firmes

Case IH – DNA de alta produtividade e performance

Referência em equipamentos de grande potência, a Case IH, marca da CNH Industrial, reforçou seu DNA de alta produtividade expondo seu portfólio de máquinas que apresentam máxima performance, com eficiência agronômica, na Agrishow.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!