25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiPesquisa desenvolve biológico para a mosca-minadora

Pesquisa desenvolve biológico para a mosca-minadora

Mosca – Crédito Luiz bambini

O trabalho de pesquisa oportunizou o primeiro registro no Brasil de um produto biológico para o controle da mosca-minadora, inseto que ataca diversas culturas agrícolas.

Pesquisadores da Embrapa Semiárido (PE), em parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP) e a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) conseguiram disponibilizar um sistema de criação em larga escala para parasitoides que controlam a mosca-minadora.

A solução que evita uso de químicos na lavoura e não impacta a saúde humana nem o ambiente foi rapidamente incorporada pelo setor produtivo e registrada em julho no Ministério da Agricultura. A versão comercial do parasitoide Neochryoscharis formosa para o controle desse inseto foi desenvolvida pela Topbio Sistemas Biológicos, e contou com cooperação técnica da Embrapa.

Fitossanidade

As moscas-minadoras do gênero Liriomyza são consideradas pragas importantes para diversas hortaliças e plantas ornamentais como o melão, tomate, feijão, batata e crisântemo. “Entre os principais inimigos naturais desse inseto estão os parasitoides, pequenas vespas que conseguem atacar as larvas das moscas ainda dentro das folhas”, explica o coordenador das pesquisas, o biólogo Tiago Costa Lima.

O pesquisador destaca que algumas espécies dessas vespas já eram utilizadas como alternativas de controle biológico para moscas-minadoras desde a década de 1980, na Europa e América do Norte. No entanto, o conhecimento para a multiplicação massal das vespas parasitoides não estava disponível.

O desenvolvimento do sistema de criação levou 15 anos. A empresa parceira selecionou o parasitoide em plantações de melão no Rio Grande do Norte. O melão é especialmente atingido pela mosca-minadora. A dificuldade de controle da praga com inseticidas sintéticos e as exigências dos países importadores de melão por frutos livres de resíduos agroquímicos fez surgir uma forte demanda por soluções biológicas para o controle do problema.

O gerente da Topbio, Marcos Bellini, explica que a ideia inicial foi buscar um parasitoide nativo, comum no Brasil, de ocorrência natural. “Fizemos dezenas de coletas na região do melão no Rio Grande do Norte e no Ceará, e conseguimos selecionar o parasitoide N. formosa, que é abundante, com ocorrência constante ao logo do ano e presença em todo o País, por isso, optamos por trabalhar com ele”, relata.

A vespa parasitoide resiste a altas temperaturas possibilitando seu uso em plantações no Semiárido brasileiro.

ARTIGOS RELACIONADOS

Curso EaD sobre erva-mate

A Embrapa Florestas lançou nesta quarta-feira (28/04), durante a comemoração dos ..

IHARA lança ELEITTO, inseticida multipragas para hortifrúti

Com foco no combate aos insetos sugadores e mastigadores, o produto pode ser aplicado em 17 culturas, incluindo batata, tomate, uva e maçã   A IHARA,...

Daninhas: Prejuízo de R$ 9 bilhões por ano

As plantas daninhas são um problema global e a resistência a herbicidas é crescente a cada ano. As perdas têm exigido maiores investimentos por parte dos agricultores para minimizar as perdas na lavoura.

Bioinsumos são grandes aliados contra cigarrinha do milho

Presente de norte a sul do país, o inseto se tornou a principal praga dentro das lavouras de milho nos últimos anos, causando grandes prejuízos financeiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!