18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Mercado PESQUISADORES ESTUDAM MODELO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA FAZENDA JERIVÁ

PESQUISADORES ESTUDAM MODELO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA FAZENDA JERIVÁ

Um dos grupos de pesquisadores passeam pela Fazenda Jerivá

Parceria entre Embrapa e diversas instituições internacionais envolve pesquisadores do Brasil, África, América Latina e Caribe. Produção integrada e sustentável será analisada para servir de exemplo a outros países

O Grupo Jerivá recebeu nesta quinta-feira (17) cerca de 100 pesquisadores de diferentes países que vieram conhecer e estudar o sistema de produção sustentável da empresa. A visita de campo é parte de um fórum que acontece anualmente, organizado pela Embrapa e que pertence à Plataforma de Inovação Agropecuária (Agricultural Innovation Marketplace), uma cooperação formada por vários membros internacionais e que financia projetos de pequenos produtores agrícolas.

De acordo com o pesquisador da Embrapa e da Marketplace André Dusi, a visita de campo do fórum tem tradição de ser realizada em centros de pesquisa da Embrapa. “Este ano quisemos oferecer uma experiência mais completa e identificamos aqui, na Fazenda Jerivá, uma oportunidade muito interessante“, explica.

João Benko explica sistema de irrigação das hortaliças
João Benko explica sistema de irrigação das hortaliças

O interesse dos organizadores foi despertado pela produção integrada e sustentável que a Fazenda Jerivá estruturou e ampliou ao longo de 40 anos. O grupo administra hoje cinco lojas e realiza todas as etapas (produção, processamento e comercialização) que levam aos produtos finais, que são comidas típicas goianas. A unidade agrícola é focada no reaproveitamento de recursos naturais e dispensa o uso de ações danosas ao meio ambiente como o emprego de agrotóxicos, queimadas e desmatamentos. Outra característica importante é a integração da criação de animais com a produção vegetal e a utilização de insumos da propriedade em todo o processo produtivo.

André Dusi esclarece que essa iniciativa permite a troca de conhecimento entre pesquisadores que estão finalizando ou começando seus projetos, e que o aprendizado poderá ser aplicado em suas diferentes realidades. “Queremos mostrar aos pesquisadores que é possível, para um pequeno produtor, adotar um sistema de produção integrada e agregar, com isso, bastante valor ao produto final. É claro que são realidades diferentes em cada país, mas o conceito é o mesmo, o de integrar as três etapas: produção, processamento e comercialização“, afirma Dusi.

Durante a manhã, os pesquisadores se dividiram em quatro grupos e fizeram uma visita guiada para conhecer cada etapa da produção. O proprietário do grupo Jerivá, João Benko Neto, recebeu os pesquisadores com grande expectativa e entusiasmo. “Espero que esses visitantes encontrem o caminho para reproduzir essas práticas em seus locais. Temos um constante desafio, de ser responsável socialmente e sustentável. Mas dá para preservar o meio ambiente sim e não tem mágica, o caminho é alinhar as nossas necessidades com a natureza e sermos suficientemente inteligentes.“

Agricultural Innovation Marketplace
A Marketplace é uma iniciativa que visa beneficiar os pequenos produtores, promovendo inovação e investimentos em pesquisa e desenvolvimento agrícola através do intercâmbio de conhecimento entre países da África (27 pesquisadores), América Latina e Caribe (10) e Brasil (35). Dentre os agentes fomentadores dos pesquisadores estão, além da Embrapa, a Bill e Melinda Gates Foundation, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e outras instituições nacionais e internacionais.

João Benko Neto espera que os pesquisadores fiquem estimulados a replicar, em outras realidades com cenários semelhantes, as práticas e experiências que foram vistas na fazenda. “Além disso esperamos que essa visita sensibilize os órgãos financiadores e de pesquisa a apostarem e investirem em projetos integrados e sustentáveis“, afirma João Benko.

Produção integrada

IMG_20150917_105051 IMG_20150917_115602
Dos 175 hectares da Fazenda Jerivá, 65 (37%) são reservados ao cultivo de safra (principalmente milho para silagem), pecuária leiteira com animais da raça holandesa, engorda de suínos, frango e ovos caipira e produção de hortaliças. A produção integrada é desenvolvida com o mínimo de interferência externa possível e uso de tecnologias simples, buscando a autossuficiência e responsabilidade ecológica. O baixo uso de insumos externos é possível graças à reutilização de compostos orgânicos, que voltam para terra e reduzem a dependência de adubação química.

Além disso, o uso correto de resíduos na agricultura reduz a poluição e gera sustentabilidade no processo produtivo. Dentre os exemplos das práticas utilizadas na fazenda estão o soro de leite, resultado do processamento de laticínios, que é reutilizado na alimentação de suínos; as palhas e sabugos de milho, advindos da pamonharia, que servem para o consumo dos bovinos; os bagaços das laranjas utilizadas para fazer suco que vão para a compostagem para produção de milho; a cama de vaca e frango que são usadas para adubação na produção de milho, após a compostagem.

Como parte das verduras usadas nos restaurantes são cultivadas na fazenda, para adubação também é utilizada compostagem feita com outros subprodutos da fazenda e da indústria. A produção de hortaliças é feita sem agrotóxicos e com irrigação direto de uma mina d’água que nasce na própria unidade agrícola.

A Fazenda Jerivá é guiada pela missão de ser ecologicamente correta, socialmente responsável e economicamente viável. Para tanto, o proprietário da fazenda explica que encontrar a sustentabilidade financeira e ecológica é o grande desafio das pequenas produções. “É esse tipo de desafio que molda a nossa atuação. Buscamos suprir a produção agrícola e o manejo pecuário com práticas que aliem produtividade e redução de preço. Além disso, a nossa maior preocupação é de que a produção integrada de leite, suínos, ovos, frango e hortaliças ” que é base da nossa atividade industrial ” leve ao consumidor, por meio das cinco lojas Jerivá, produtos finais com alta qualidade e segurança“, afirma.

IMG_20150917_105012

Somente na Fazenda Jerivá são gerados 20 empregos diretos, de um total de 350 no grupo todo (fazenda, indústria e lojas). A produção diária dá conta de 3,5 mil litros de leite e 200 dúzias de ovos caipiras. Mensalmente são produzidos 200 cabeças de suínos, 3 mil frangos caipira e mil quilos de hortaliças sem agrotóxicos. O Grupo Jerivá administra, atualmente, além da agroindústria, cinco lojas com restaurante, lanchonete e empório, onde são comercializados os produtos de fabricação própria. São duas unidades na BR-060 em Abadiânia, onde também está localizada a sede da agroindústria; uma no Outlet Premium, em Alexânia, e duas em Goiânia (Shopping Flamboyant e Passeio das Águas Shopping).

Inicio Mercado PESQUISADORES ESTUDAM MODELO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DA FAZENDA JERIVÁ