PIB do agro sobe 16,81%: produtores rurais obtém recursos via CPRs digitais

0
225
Lavoura – Crédito: Shutterstock

Em 2020, mais de R$ 3,2 bilhões em financiamento agrícola foram movimentados via e-CPRs na agtech Bart Digital. Alta do PIB é evidenciada por dados da CNA e CEPEA

Nos primeiros dez meses de 2020, o PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio brasileiro cresceu 16,81% em comparação com igual período do ano anterior, segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Fomentando o financiamento agrícola na pandemia, a agtech Bart Digital movimentou mais R$ 3,2 bilhões em 2020, correspondentes aos ciclos de de soja, milho, algodão e café. A emissão digital de CPRs (Cédulas do Produto Rural) chegou a 13 estados brasileiros.

“Com a pandemia, a necessidade de modernizar processos até então analógicos foi um dos grandes obstáculos do mercado agro. Para contribuir com a continuidade das operações de financiamento ao produtor rural, e garantir que os insumos chegassem ao campo, a agtech Bart Digital antecipou o lançamento da plataforma Ativus, que viabiliza emissão e registros de recebíveis completamente eletrônicos”, explica Mariana Bonora, fundadora da agtech Bart Digital.

A agtech já havia identificado a necessidade de informatização dos processos do agronegócio. Inclusive, esse foi um dos pontos debatidos durante a aprovação da MP do Agro. “A pandemia chegou quando as empresas ainda estavam começando a pensar em soluções digitais. Nós optamos por antecipar o lançamento da Ativus porque entendemos que, durante a pandemia, era urgente a adequação do mercado agro ao digital – bem como outros setores”, completa Mariana.

Atualmente, o sistema Ativus possui usuários de perfis diversificados, como indústrias, revendas, cooperativas, instituições financeiras e securitizadoras. Além do atendimento com as bases do setor produtivo, a Bart Digital também realiza o trabalho com cartórios e tem tido excelentes resultados, mesmo com aqueles que nunca haviam registrado títulos eletrônicos.

“Há cartórios pouco familiarizados, mas todos têm se mostrado abertos. Frequentemente temos a oportunidade de trocar experiências e encontrar novas soluções para o campo. Essas entidades também têm total liberdade para nos acionarem, e assim pensarmos em conjunto sobre como otimizar as relações rurais”, detalha a fundadora da agtech.

Sobre a Bart Digital

Pioneira na emissão de e-CPR (Cédula de Produto Rural eletrônica), a Bart Digital (www.bartdigital.com.br) é uma agtech fundada em 2016 que visa oferecer soluções digitais voltadas ao financiamento agrícola. A empresa é dirigida por sua fundadora, a advogada Mariana Bonora, que também é membro da Diretoria da ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs).

A Bart Digital dispõe de automação de processos, contratos digitais, monitoramento de culturas e de um centro de serviços relacionados para tornar o desembolso de crédito mais rápido e transparente. Suas iniciativas também reduzem o risco de desempenho através de rastreabilidade e monitoramento ativo, tudo de forma ágil, transparente e segura.